Trabalhando com Poesia

“Amanhã vai ser outro dia… Amanhã vai ser outro dia… Amanhã vai ser outro dia… Hoje você é quem manda, falou, tá falado, não tem discussão, não. A minha gente hoje anda falando de lado e olhando pro chão, viu? Você que inventou esse Estado, inventou de inventar, toda escuridão. Você que inventou o pecado, esqueceu-se de inventar o perdão… Apesar de você amanhã há de ser outro dia, eu pergunto a você onde vai se esconder da enorme euforia? Como vai proibir quando o galo insistir em cantar? Água nova brotando
é a gente se amando sem parar… Quando chegar o momento, esse meu sofrimento vou cobrar com juros. Juro! Todo esse amor reprimido, esse grito contido, esse samba no escuro… Você que inventou a tristeza, ora tenha a fineza de “desinventar”, você vai pagar e é dobrado, cada lágrima rolada nesse meu penar… Apesar de você amanhã há de ser outro dia. Ainda pago pra ver o jardim florescer, qual você não queria… Você vai se amargar, vendo o dia raiar, sem lhe pedir licença… E eu vou morrer de rir e esse dia há de vir antes do que você pensa. Apesar de você. Apesar de você, amanhã há de ser outro dia. Você vai ter que ver a manhã renascer e esbanjar poesia… Como vai se explicar, vendo o céu clarear, de repente, Impunemente? Como vai abafar, nosso coro a cantar, na sua frente. Apesar de você…Apesar de você, amanhã há de ser outro dia. Você vai se dar mal, etc e tal, La, laiá, la laiá, la laiá??…” (Chico Buarque – Apesar de você – Comp.: Chico Buarque)

“…Tem dias que a gente se sente como quem partiu ou morreu, a gente estancou de repente, ou foi o mundo então que cresceu… A gente quer ter voz ativa, no nosso destino mandar, mas eis que chega a roda viva e carrega o destino prá lá … Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião, o tempo rodou num instante, nas voltas do meu coração… A gente vai contra a corrente, até não poder resistir, na volta do barco é que sente o quanto deixou de cumprir, faz tempo que a gente cultiva a mais linda roseira que há, mas eis que chega a roda viva e carrega a roseira prá lá… Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião, o tempo rodou num instante, nas voltas do meu coração… A roda da saia mulata, não quer mais rodar não senhor, não posso fazer serenata, a roda de samba acabou… A gente toma a iniciativa, viola na rua a cantar, mas eis que chega a roda viva e carrega a viola prá lá… Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião, o tempo rodou num instante, nas voltas do meu coração… O samba, a viola, a roseira, que um dia a fogueira queimou, foi tudo ilusão passageira, que a brisa primeira levou… No peito a saudade cativa, faz força pro tempo parar, mas eis que chega a roda viva e carrega a saudade prá lá … Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião, o tempo rodou num instante, nas voltas do meu coração… Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião, o tempo rodou num instante, nas voltas do meu coração… Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião, o tempo rodou num instante, nas voltas do meu coração… Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião, o tempo rodou num instante, nas voltas do meu coração… ” (Chico Buarque – Roda Viva – Comp.: Chico Buarque)

“…Oh, musa do meu fado, oh, minha mãe gentil, te deixo consternado, no primeiro abril… Mas não sê tão ingrata! não esquece quem te amou e em tua densa mata, se perdeu e se encontrou. Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal: Ainda vai tornar-se um imenso Portugal!… “Sabe, no fundo eu sou um sentimental. Todos nós herdamos no sangue lusitano uma boa dosagem de lirismo ( além da sífilis, é claro). Mesmo quando as minhas mãos estão ocupadas em torturar, esganar, trucidar, o meu coração fecha os olhos e sinceramente chora…”… Com avencas na caatinga, alecrins no canavial, licores na moringa, um vinho tropical. E a linda mulata, com rendas do alentejo, de quem numa bravata, arrebata um beijo… Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal: Ainda vai tornar-se um imenso Portugal!… “Meu coração tem um sereno jeito e as minhas mãos o golpe duro e presto, de tal maneira que, depois de feito, desencontrado, eu mesmo me contesto. Se trago as mãos distantes do meu peito é que há distância entre intenção e gesto, e se o meu coração nas mãos estreito, me assombra a súbita impressão de incesto. Quando me encontro no calor da luta, ostento a aguda empunhadora à proa, mas meu peito se desabotoa e se a sentença se anuncia bruta, mais que depressa a mão cega executa, pois que senão o coração perdoa”. Guitarras e sanfonas, jasmins, coqueiros, fontes, sardinhas, mandioca, num suave azulejo e o rio Amazonas, que corre trás-os-montes e numa pororoca, deságua no Tejo… Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal: Ainda vai tornar-se um império colonial! Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal: Ainda vai tornar-se um império colonial!…” (Chico Buarque – Fado Tropical – Comp.: Chico Buarque/ Ruy Guerra)

“Veja na criança o futuro da humanidade. Mantenha-se por isso, solidário com os trabalhos que visem a beneficiá-las. Lembre-se de que cada criança poderia ser um (a) filho (a) querido (a) de seu coração. Colabore na recuperação das crianças desajustadas, sobretudo mediante seu exemplo dignificante e nobre. Em todos os setores, a criança é sempre o futuro e, por isso, precisa ser atentamente ajudada em suas necessidades.” (Minutos de sabedoria Pg. 31)

Bom Dilma pessoal,

Agora que passaram as eleições, posso lançar aqui essa saudação que era nossa fora da institucionalidade.

Estou muito feliz e não poderai deixar de socializar com vocês esta alegria.

O Povo Brasileiro deu uma demonstração inequívoca da sua vontade e, mais que isso, do quanto enxerga os valores colocados nos dias de hoje na sociedade brasileiras, mais inclusiva, mais aberta à diversidade de idéias, de credos e de tantos outros segmentos.

Algumas pessoas ainda não conseguem entender o valor fantástico que tem a cidadania, principalmente na sua mais elementar demonstração, que é o voto. Essa falta de compreensão, entre outras coisas é uma das causas da grande abstenção nos processos eleitorais.

A estas pessoas dedico estas três pérolas de Chico Buarque de Holanda, que são um potente soco, no estômago dos lacaios da ditadura.

Quero por fim, agradecer a cada uma das pessoas que nos ajudaram nessa caminhada. A partir da minha equipe, (que ao nosso chamado, não hesiou em por o nosso bloco na rua todos os dias as 6:30, ao meio dia e no final da tarde, dialogando, conquistando mais corações e mentes para o nosso projeto, abdicando muitas vezes de momentods de descanso ou de alimentação normal, para exercer a militaância), quero agradecer a cada uma das secretarias que, respeitando a legislação eleitoral, não confundiu as bolas, mas, que nos momentos permitidos, estiveram juntas conosco na luta.

Não posso deixar de agradecer também a cada pessoa, de fora da PMLF, que fizeram com que esta campanha tivesse o êxito que teve, das meninas das nossas bandeiras nas estradas e caminhadas, às nossas meninas dos comitês, do pessoal dos carros de som, do pessoal da estrutura, motoristas, panfleteiros (as), instaladores de cartazes, placas, etc. Só foi possível pela participação ativa de cada um (a) de vocês. Obrigado!

Nossa Prefeita deu à cidade, ao estado e ao país mais uma demonstração da sua liderança e do seu zelo com as missões a ela delegadas. Coordenadora na região Nordeste dos Prefeitos e prefeitas na campanha de Dilma à presidência, não descansou um só minuto e, na nossa cidade elevou a votação do primeiro turno, de 55,22% para 72,71% no segundo turno. Moema se consolida como uma lideraça nacional e põe uma seta ascendente nas suas perspectivas políticas futuras.

O bom desta vitória é perceber que cada passo dado, cada sonho sonhado valeu muito a pena e que caminharíamos de novo e sonharíamos novamente, sem o menor receio.

Comemore cada segundo que você dedicou a esta vitória, pois ela também te pertence! Parabéns Moema, Wagner, Pinheiro, Lídice, aos nossos candidatos e candidatas a Deputado (a). Viva o Povo Brasileiro!

Dados das eleições em Lauro de Freitas

Dilma: 50.995 votos – 72,71 % (V.V.) 66,97% (V.T.)

Serra: 19.139 votos 27,29 % (V.V.) 25,13% (V.T.)

Votos em Branco: 2.236 – 2,94%

Votos nulos: 3.779 – 4,96%

Abstenções: 21.372 eleitores (as) – 21,92%

Votos Totais (V.T.) 76.149

Votos Válidos (V.V.) – 70.134

Hoje, dia de todos os Santos é dia de se contemplar, mesmo que mentalmente a noss Baía de Todos os Santos, “descoberta” pelos portugueses nesta data.

Amanhã, dia de finados, Feriado nacional, desejo a cada um (a) de vocês, que possa reverenciar seus entes queridos em paz.

à noite, todos os caminhos levam ao monumental de Pituaço, para ver nosso esquadrão de aço dar mais um passo rumo à série A.

Abraços nos amigos, beijos nas amigas e nos (as) filhos (as), desejando axé, paz, energias positivas, uma segunda feira abençoada por Deus e até quarta feira.

Bom feriado a todos (as),

Apio Vinagre Nascimento
e-mail: oipa@uol.com.br
msn: oipa2@hotmail.com
Orkut: http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=9196573284471271823
Twitter: http://www.twitter.com/a_vinagre
Blog: https://oipa2.wordpress.com
Fones: (71) 8814-5332 / 9154-0168 / 9982-7223 / 8251-9282

A mãe do primeiro filho – Murilo Mendes

Carmem fica matutando
no seu corpo já passado.

— Até à volta, meu seio
De mil novecentos e doze.
Adeus, minha perna linda
De mil novecentos e quinze.
Quando eu estava no colégio
Meu corpo era bem diferente.
Quando acabei o namoro
Meu corpo era bem diferente.
Quando um dia me casei
Meu corpo era bem diferente.
Nunca mais eu hei de ver
Meus quadris do ano passado…

A tarde já madurou
E Carmem fica pensando.

O filho do século – Murilo Mendes

Nunca mais andarei de bicicleta
Nem conversarei no portão
Com meninas de cabelos cacheados
Adeus valsa “Danúbio Azul”
Adeus tardes preguiçosas
Adeus cheiros do mundo sambas
Adeus puro amor
Atirei ao fogo a medalhinha da Virgem
Não tenho forças para gritar um grande grito
Cairei no chão do século vinte
Aguardem-me lá fora
As multidões famintas justiceiras
Sujeitos com gases venenosos
É a hora das barricadas
É a hora da fuzilamento, da raiva maior
Os vivos pedem vingança
Os mortos minerais vegetais pedem vingança
É a hora do protesto geral
É a hora dos vôos destruidores
É a hora das barricadas, dos fuzilamentos
Fomes desejos ânsias sonhos perdidos,
Misérias de todos os países uni-vos
Fogem a galope os anjos-aviões
Carregando o cálice da esperança
Tempo espaço firmes porque me abandonastes.

Anúncios
Esse post foi publicado em Livros e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s