Trabalhando com Poesia

“…Pai, tá difícil manter o caminho, tenho andado em meio a espinhos, nem sempre é tão fácil acertar… Pai, emoções descalçam os meus pés, me roubando em meio a cordéis, me enlaçam em minhas fraquezas… Pai, eu nem sei o que te falar, mas, eu quero recomeçar, me ajuda neste instante… Preciso da tua mão, vem me levantar, faz-me teu servo Senhor, me livra do mal. quero sentir o teu sangue curar-me. agora meu Senhor, vem restaurar-me… Preciso da tua mão, vem me levantar, faz-me teu servo Senhor, me livra do mal. quero sentir o teu sangue curar-me. agora meu Senhor, vem restaurar-me…Pai, tá difícil manter o caminho, tenho andado em meio a espinhos, nem sempre é tão fácil acertar… Pai, eu nem sei o que te falar, mas, eu quero recomeçar, me ajuda neste instante… Preciso da tua mão, vem me levantar, faz-me teu servo Senhor, me livra do mal. quero sentir o teu sangue curar-me. agora meu Senhor, vem restaurar-me… Preciso da tua mão, vem me levantar, faz-me teu servo Senhor, me livra do mal. quero sentir o teu sangue curar-me. agora meu Senhor, vem restaurar-me… Preciso da tua mão, vem me levantar, faz-me teu servo Senhor, me livra do mal. quero sentir o teu sangue curar-me. agora meu Senhor, vem restaurar-me… Agora meu Senhor, vem restaurar-me…” (Aline Barros – Recomeçar – Comp.: Aline Barros)

“… Sonda-me, Senhor, e me conhece, quebranta o meu coração, transforma-me conforme a Tua palavra e enche-me até que em mim se ache só a ti… Então, usa-me Senhor, usa-me… Como um farol que brilha à noite, como ponte sobre as águas, como abrigo no deserto, como flecha que acerta o alvo… Eu quero ser usado da maneira que te agrade, qualquer hora e em qualquer lugar, eis aqui a minha vida, usa-me Senhor, usa-me… Sonda-me, Senhor, e me conhece, quebranta o meu coração, transforma-me conforme a tua palavra e enche-me até que em mim se ache só a ti, então, usa-me Senhor, usa-me… Usa-me Senhor, usa-me… Sonda-me, quebranta-me, transforma-me, enche-me e usa-me… Sonda-me, quebranta-me, transforma-me, enche-me e usa-me….Senhor… Sonda-me, quebranta-me, transforma-me, enche-me e usa-me….Senhor… Sonda-me, quebranta-me, transforma-me, enche-me e usa-me….Senhor…” (Aline Barros – Sonda-me, Usa-me – Comp.: Aline Barros / Edson Feitosa / Ana Feitosa)

“…O meu Deus, é o Deus do impossível, Jeová Jiré o grande El Shadai, que abriu o mar vermelho e ao seu povo fez passar, que da rocha água limpa fez brotar… O meu Deus é o Deus do impossível, que liberta encarcerados das prisões, faz da estéril mãe de filhos, restaura a alma do ferido e dilata o amor nos corações, que dá vista aos cegos e aos surdos faz ouvir, faz a tempestade se acalmar, andou por sobre o mar e aos mudos fez falar, paralíticos e coxos fez andar… O meu Deus é o Deus do impossível, é o mesmo hoje e sempre há de ser, o meu Deus é o Deus do impossível e fará o impossível pra você… E fará o impossível por você…” (Aline Barros – Deus do Impossível – Comp.: Alda Célia)

“Não esteja ansioso (a) e preocupado (a), para não atrair moléstias para seu corpo. A ansiedade é um fator bioquímico, que influencia as secreções glandulares, produzindo demasiada adrenalina, que estimula em exagero o sistema nervoso. Daí à enfermidade é um passo. O nervosismo prejudica fundamentalmente a saúde. Portanto, não seja ansioso (a): faça constantemente afirmações positivas de saúde, e mantenha se calmo (a) e sereno (a).” (Minutos de Sabedoria Pg. 15)

“Você jamais está abandonado (a)! Absolutamente! O Pai não abandona ninguém. Ele veste de plumas multicoloridas as pequeninas aves, enfeita de beleza e perfume as flores e não deixa morrer de fome nem os insetos nem os pequeninos vermes. Esteja certo (a): não cai um fio cabelo de sua cabeça, sem que ele o permita. Confie no Pai! Você jamais está abandonado (a)!” (Minutos de Sabedoria Pg. 16)

“Cumprimente a seus amigos (as) com alegria. Muitas vezes, uma simples saudação alegre e espontânea conquista um coração e consola uma dor. A saudação triste e acabrunhada pode instilar veneno num coração alegre. Derrame alegria e bondade, ao encontrar uma pessoa conhecida, e já terá conquistado os benefícios de uma boa ação meritória. Que seus amigos sintam o calor de seu coração afetuoso no simples.” (Minutos de Sabedoria Pg. 22)

Bom dia pessoal,

Espero que tenham passado bem o final de semana.

No Domingo, dia 06 de Fevereiro de 2011, recebemos uma triste notícia, que foi o falecimento do Bispo Renato, Lider da Igreja Batista Nova Esperança.

Independente da religião que professava, cada uma das pessoas que tiveram o privilégio de ter, em algum momento algum contato com o Bispo Renato teve a chance de verificar o quanto uma pessoa pode ser humilde e respeitosa com os que lhe cercam e porventura cruzam o seu caminho. Com seu jeito de agir e de tratar as pessoas, indistintamente, o Bispo Renato conquistou minha admiração e respeito.

A demonstração de carinho e de fé que presenciei na noite de domingo e na manhã de ontem mostraram-me o peso da sua liderança não apenas na sua igreja, mas, no seio da família evangélica de Lauro de Freitas e da Bahia. Sua ausencia além de lamentada, será muito sentida.

Quero deixar aqui a minha solidariedade a cada um (a) dos (as) que fazem parte da Igreja Nova Esperança e sei que temos muitos (as) entre os nossos servidores (as). Que os exemplos de vida deixados pelo Bispo Renato possam ser inspiradores e seguidos pelas pessoas que darão continuidade a sua obra.

Em homenagem a este momento, o nosso prefácio musical de hoje traz a voz de aline Barros em 3 canções que versam sobre a relação dos homens com Deus. Espero que gostem.

No “Trabalhando com Poesia” tivemos a oportunidade semana passada de visitar a veia romântica de Castro Alves e, esta semana, visitaremos suas escritas ligadas ao questionamento do tráfico de pessoas da época, a que acostumao-nos a chamar de Escravidão. Boa leitura! Caso você queira deixar algum comentário em relação às poesias ou músicas que posto diariamente, pode faz~e-lo a vontade no meu blog “Espaço de Sobrevivência” no endereço https://oipa2.wordpress.com // Espero sua visita e ajuda na divulgação deste espaço.

Em 09 de Fevereiro de 1944 nasce Alice Walker, em Eatonton, Geórgia, EUA. Incluída entre os (as) melhores escritores (as) contemporâneos (as), é autora, entre outras obras de “A cor púrpura”.

Em 09 de Fevereiro de 1961 morre Carlos Luz, que assumiu a Presidência da República, após o Suicídio de Getúlio Vargas.

Em 09 de Fevereiro de 1964 Artur Ashe Jr. torna-se o primeiro negro a participar da Copa Davis de Tênis.

Em 09 de Fevereiro de 1964, em pleno carnaval, morria aos 60 anos, vítima de cirrose hepática, o Compositor Ary Barroso, autor de Terra de Iaiá, No tabuleiro da baiana, Quando eu penso na Bahia e Aquarela do Brasil, entre outras.

Em 09 de Fevereiro de 1967 foi sancionada pelo Presidente Castelo Branco, a Lei de Imprensa,

Abraços, paz, energias positivas e uma Quarta feira abençoada por Deus.

Abraços nos amigos, beijos nas amigas e nos (as) filhos (as), desejando axé, paz, energias positivas e uma Quarta feira abençoada por Deus.

Apio Vinagre Nascimento
e-mail: oipa@uol.com.br
msn: oipa2@hotmail.com
Orkut: http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=9196573284471271823
Twitter: http://www.twitter.com/a_vinagre
Blog: https://oipa2.wordpress.com
Fones: (71) 8814-5332 / 9154-0168 / 9982-7223 / 8251-9282

Ode ao Dous de Julho – Castro Alves

Era no Dous de Julho. A pugna imensa
Travara-se nos cerros da Bahia…
O anjo da morte pálido cosia
Uma vasta mortalha em Pirajá.
‘Neste lençol tão largo, tão extenso,
‘Como um pedaço roto do infinito…
O mundo perguntava erguendo um grito:
‘Qual dos gigantes morto rolará?!…

Debruçados do céu… a noite em os astros
Seguiam da peleja o incerto fado…
Era a tocha – o fuzil avermelhado!
Era o circo de Roma – o vasto chão!
Por palmas – o troar da artilharia!
Por feras – os canhões negros rugiam!
Por atletas – dous povos se batiam!
Enorme anfiteatro – era a amplidão!

Não! Não eram dous povos, que abalavam
Naquele instante o solo ensangüentado…
Era o porvir – em frente do passado,
A liberdade – em frente à escravidão,
Era a luta das águias – e do abutre,
A revolta do pulso – contra os ferros,
O pugilato da razão – contra os erros,
O duelo da treva – e do clarão!…

No entanto a luta recrescia indômita…
As bandeiras – como águias eriçadas –
Se abismavam com as as asas desdobradas
Na selva escura da fumaça atroz…
Tonto de espanto, cego de metralha,
O arcanjo do triunfo vacilava…
E a glória desgrenhada acalentava
O cadáver sangrento dos heróis!…
…………………………………………..
…………………………………………..
Mas quando a branca estrela matutina
Surgiu do espaço… e as brisas forasteiras
No verde leque das gentis palmeiras
Foram cantar os hinos do arrebol,
Lá do campo deserto da batalha
Uma voz se elevou clara e divina:
Eras tu – Liberdade peregrina!
Esposa do porvir – noiva do sol!…

Eras tu que, com os dedos ensopados
No sangue dos avós mortos na guerra,
Livre sangravas a colúmbia terra,
Sangravas livre a nova geração!
Tu que erguias, subida na pirâmide,
Formada pelos mortos de cabrito,
Um pedaço de gládio – no infinito…
Um trapo de bandeira – n’amplidão!…

Adormecida – Castro Alves

Ses longs cheveux épars la couvrent tout entière
croix de son collier repose dans sa main,-
Comme pour témoigner qu’elle a fait sa prière.
Et qu’elle va la faire en s’éveillant demain.

A. DE MUSSET

UMA NOITE, eu me lembro… Ela dormia
Numa rede encostada molemente…
Quase aberto o roupão… solto o cabelo
E o pé descalço do tapete rente.

‘Stava aberta a janela. Um cheiro agreste
Exalavam as silvas da campina…
E ao longe, num pedaço do horizonte,
Via-se a noite plácida e divina.

De um jasmineiro os galhos encurvados,
Indiscretos entravam pela sala,
E de leve oscilando ao tom das auras,
Iam na face trêmulos – beijá-la.

Era um quadro celeste!…A cada afago
Mesmo em sonhos a moça estremecia…
Quando ela serenava… a flor beijava-a…
Quando ela ia beijar-lhe… a flor fugia…

Dir-se-ia que naquele doce instante
Brincavam duas cândidas crianças…
A brisa, que agitava as folhas verdes,
Fazia-lhe ondear as negras tranças!

E o ramo ora chegava ora afastava-se…
Mas quando a via despeitada a meio,
P’ra não zangá-la… sacudia alegre
Uma chuva de pétalas no seio…

Eu, fitando esta cena, repetia
Naquela noite lânguida e sentida:
‘Ó flor! – tu és a virgem das campinas!
‘Virgem! – tu és a flor da minha vida!…’

Anúncios
Esse post foi publicado em Livros e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s