Trabalhando com Poesia

“… Penso no amor que vem, pra ve se esqueço o amor que passou… Penso no amor que vem, pra ve se esqueço o amor que passou… Penso no amor que vem, pra ve se esqueço o amor que passou… Penso no amor que vem, pra ve se esqueço o amor que passou… No entanto não é tão facil assim, aceitar que eu perdi você e aceitar que você tão tranquila aceitou o fim, pois me lembro, eu me lembro, Isso tinha bem mais pra durar, ser eterno, mas na volta que o mundo esqueceu, o meu mundo ficou e era eu no mesmo lugar, no mesmo lugar… Penso no amor que vem, pra ve se esqueço o amor que passou… Penso no amor que vem, pra ve se esqueço o amor que passou… Penso no amor que vem, pra ve se esqueço o amor que passou… Penso no amor que vem, pra ve se esqueço o amor que passou… No entanto não é tão facil assim, aceitar que eu perdi você e aceitar que você tão tranquila aceitou o fim, pois me lembro, eu me lembro, Isso tinha bem mais pra durar, ser eterno, mas na volta que o mundo esqueceu, o meu mundo ficou e era eu no mesmo lugar, no mesmo lugar… Penso no amor que vem, pra ve se esqueço o amor que passou… Penso no amor que vem, pra ve se esqueço o amor que passou… Penso no amor que vem, pra ve se esqueço o amor que passou… Penso no amor que vem, pra ve se esqueço o amor que passou…” (Diamba – Penso no amor que vem – Comp.: Diamba)

“…E o tempo todo dela é dela pra ela, pra mim sobra o que sobrar, mas eu tou sossegado, no apego ou desapego o coração vai agüentar… E se o esquema é festa, ela franze a testa e diz: quero descançar, mas eu vou te contar, mas nesse escuro que tá, outra luz tem que pintar… Meu xodó universo, que pra ter estrela já comprou constelação e se ela tá se achando é loucura maior, é perda de razão… Meu xodó universo, que pra ter estrela já comprou constelação e se ela tá se achando é loucura maior, é perda de razão… Loucura maior nesse escuro é ela achar que é estrela, do meu xodó, do meu xodó…” (Diamba – Loucura Maior – Comp.: Diamba)

“… La la ia la ia la, eu piro quando você passa, La la ia la ia la, eu piro quando você passa, La la ia la ia la, eu piro quando você passa… Seu olhar seduz, coração dispara, faz mais de mês que sonho contigo toda madrugada, se eu tivesse o mundo, meu bem pra ti dava, mas só tenho amor, casa, comida e roupa lavada… Quando ouvir essa canção, canto ela pra você, que é só seu meu coração, já cansei de te esconder, quando ouvir essa canção, canto ela pra você, canção que eu fiz só pra lhe dizer… Que eu piro quando você passa… La la ia la ia la, eu piro quando você passa, La la ia la ia la, eu piro quando você passa, La la ia la ia la, eu piro quando você passa… Seu olhar seduz, coração dispara, faz mais de mês que sonho contigo toda madrugada, se eu tivesse o mundo, meu bem pra ti dava, mas só tenho amor, casa, comida e roupa lavada… Quando ouvir essa canção, canto ela pra você, que é só seu meu coração, já cansei de te esconder, quando ouvir essa canção, canto ela pra você, canção que eu fiz só pra lhe dizer… Você é algo assim, é tudo pra mim, é como eu sonhava baby, Você é mais do que sei, é mais que pensei, muito mais do que eu esperava baby eu juro… Que eu piro quando você passa… La la ia la ia la, eu piro quando você passa, La la ia la ia la, eu piro quando você passa, La la ia la ia la, eu piro quando você passa…” (Diamba – Eu Piro Quando Você Passa – Comp.: Pablo Dominguez)

“… Reggae mandou avisar, que o vento bom vai te levar, In flow e foi, Reggae mandou avisar, que o vento bom vai te levar, In flow e foi… De manhã navegar a brisa do mar, até enfim, captar a real do desvencilhar, eu e o mundo quando a vela iça, infla e vai… Reggae mandou avisar, que o vento bom vai te levar, In flow e foi, Reggae mandou avisar, que o vento bom vai te levar, In flow e foi… De manhã navegar a brisa do mar, até enfim, captar a real do desvencilhar, eu e o mundo quando a vela iça, infla e vai… Reggae mandou avisar, e quem avisa amigo é, que o vento bom vai te levar, In flow e foi, Reggae mandou avisar, que o vento bom vai te levar, In flow e foi… De manhã navegar a brisa do mar, até enfim, captar a real do desvencilhar, eu e o mundo quando a vela iça, infla e vai…” (Diamba – In flow e foi – Comp.: Diamba)

“Deus nos guia sempre, dan do-nos a orientação de nossa vida. Mas precisamos ser receptivos, para ouvir Sua voz, sabendo-a interpretar através das circunstâncias que cercam nossa vida, levando-nos ao maior progresso espiritual do nosso ser. Procure meditar silenciosamente, para ouvir a voz de Deus, que o (a) guia, sem jamais abandoná-lo (a).” (Minutos de Sabedoria Pg. 73)

Bom dia pessoal,

Depois de duas semanas de recesso, estamos de volta com o “Trabalhando com Poesia”.

As demandas ainda nos fazem chegar com certo atraso, mas, creio que a tendência seja normalizar ao longo dos próximos dias.

Muitas coisas ocorreram neste período e, ao longo do restante da semana trataremos aqui com vocês.

Veja o conteúdo do “Trabalhando com Poesia” de hoje no meu blog “Espaço de Sobrevivência”, que alcançou ontem a noite a casa das sete mil e novecentas visitas, em pouco mais de seis meses de existência, no link https://oipa2.wordpress.com

Abraços nos amigos, beijos nas amigas e nos (as) filhos (as), desejando axé, paz, energias positivas e que a vida e a paz possam sempre reinar em nossos corações e na nossa rotina. Uma terça feira abençoada por Deus e por Ogum.

Apio Vinagre Nascimento
e-mail 2: oipa@uol.com.br
e-mail 3: apioptlf@yahoo.com.br
msn: oipa2@hotmail.com
Blog: https://oipa2.wordpress.com
Twitter: http://www.twitter.com/a_vinagre
Facebook: http://www.facebook.com/#!/profile.php?id=1139376304
Flickr: http://www.flickr.com/photos/a_vinagre
Orkut: http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=9196573284471271823
Skype: a_vinagre1
Youtube: http://www.youtube.com/user/sobreviventeapio
Fones: (71) 8814-5332 / 9154-0168 / 9982-7223 / 8251-9282

Basta Pensar em Sentir – Fernando Pessoa

Basta pensar em sentir
Para sentir em pensar.
Meu coração faz sorrir
Meu coração a chorar.
Depois de parar de andar,
Depois de ficar e ir,
Hei de ser quem vai chegar
Para ser quem quer partir.
Viver é não conseguir.

Eu amo tudo o que foi – Fernando Pessoa

Eu amo tudo o que foi,
Tudo o que já não é,
A dor que já me não dói,
A antiga e errônea fé,
O ontem que dor deixou,
O que deixou alegria
Só porque foi, e voou
E hoje é já outro dia.

Anúncios
Esse post foi publicado em Livros e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s