Trabalhando com Poesia

“…Vem me regar mãe, vem me regar, vem me regar mãe, êa, vem me regar… Todo santo dia, pois todo dia é santo e eu sou uma árvore bonita, que precisa ter seus cuidados, me regar mãe, vem me regar, vem me regar mãe, êa, vem me regar… E ando sobre a terra e vivo sob o sol e as, e as minhas raízes, eu balanço, eu balanço, eu balanço… Me regar mãe, vem me regar, vem me regar mãe, êa, vem me regar… Todo santo dia, pois todo dia é santo e eu sou uma árvore bonita, que precisa ter seus cuidados, me regar mãe, vem me regar, vem me regar mãe, êa, vem me regar… E ando sobre a terra e vivo sob o sol e as, e as minhas raízes, eu balanço, eu balanço, eu balanço… Me regar mãe, vem me regar, vem me regar mãe, êa, vem me regar…” (Edson Gomes – Arvore – Comp.: edson gomes)

“… O amor foi a pedra que faltou no alicerce da nação, esse amor é a pedra que sobrou nessa nossa construção… E o amor que os cantores cantam, não junta a família, não soma, não junta a família, uo uo uo, filhos e filhas contraindo traumas, sexo e drogas, fama e dinheiro, assunto principal… Sexo e drogas, fama e dinheiro, notícias do jornal… Juventude toda perdida, uma juventude mal dirigida e mesmo protegidos pela polícia, nós não estamos livres da violência, a juventude toda perdida, uma juventude mal concebida… Mesmo protegidos pela polícia, nós não estamos livres da violência, que não soma, nem junta uma família, não soma, não junta, a família… Juventude toda perdida, uma juventude mal dirigida e mesmo protegidos pela polícia, nós não estamos livres da violência, a juventude toda perdida, uma juventude mal concebida… Mesmo protegidos pela polícia, nós não estamos livres da violência, que não soma, nem junta uma família, não soma, não junta, a família…” (Edson Gomes – Traumas – Comp.: Edson Gomes)

“… Deixe disso menina, chegue junto minha filha, me dê um sorriso, me abrace, me abrace… Sei que estive muito longe, quando estou no reggae eu fico longe, eu estive muito longe, quando estou no reggae eu fico longe, longe… Mas agora estou aqui, bem perto, bem pertinho pra sentir my love, pra você não reclamar… Vou lhe dar o meu carinho, éÉ justo, vou cuidar, vou chegar junto de vez, pra você se orientar, baby, pra você se ajustar… Sei que estive muito longe, quando estou no reggae eu fico longe, eu estive muito longe, quando estou no reggae eu fico longe, longe… Nosso amor tem tanto tempo, muito tempo, não podemos nos perder, não, você vive a reclamar… Eu tambem estou muito tenso, muito tenso, melhor então eu dar um tempo, pra você se relaxar, baby, namorar e delirar… Sei que estive muito longe, quando estou no reggae eu fico longe, eu estive muito longe, quando estou no reggae eu fico longe, longe… Deixe disso menina, chegue junto minha filha, me dê um sorriso, me abrace, me abrace…” (Edson Gomes – Me Abrace – Comp.: Edson Gomes)

“… Esse amor que logo me esqueceu, não quero mais saber não, eu não quero mais viver, não… Tudo já passou, baby, já era o nosso amor, tudo terminou, baby, já era, já passou… Esse amor perdido, amor sem compromisso… Baby, você não tem razão! Baby, rasgou meu coração! Baby, você não tem perdão! Baby, feriu meu coração!… Se você voltar, baby, não vai mais me encontrar, se você voltar, baby, vai ter outra em seu lugar… Tudo já passou, baby, já era o nosso amor, tudo terminou, baby, já era, já passou… ” (Edson Gomes – Amor Sem Compromisso – Comp.: Edson Gomes)

“Não limite o poder de sua vida! Não pense que conseguirá tudo o que deseja, numa só existência. Mas confie, porque a vida é eterna, infindável. Não pense também que, depois desta, irá iniciar uma vida diferente: nada disso! Esta mesma vida é que continuará sempre. Portanto, procure aumentar seus conhecimentos e aperfeiçoar-se, verificando como é rápido o momento atual, comparado com a eternidade!” (Minutos de sabedoria Pg. 76)

Boa tarde pessoal,

Mais um final de semana e com ele a expectativa de descanso, paz interior e lazer.

Espero que efetivamente tenham tudo isso ao lado dos seus familiares possibilitando a recarga necessária das nossas energias.

No próximo domingo, as 14 horas teremos a caminhadoa do Reggae, saindo do fim de linha do PArque São Paulo. Atividade promvida pela CBRI – Conexão Brasil Rastafari Itinga e, que tem apoio da nossa administração, através da SUPIR/SEGOV. Apareçam!

Está de parabéns hoje a nação rubro-negra bahiana, talvez a mais antiga e recordista em número de anos sem um único título nacional. Saudações tricolores a cada um (a) de vocês.

13 de maio é dia de alertarmos a cada um de nós, para o fato de que os preconceitos ainda existem e com eles a discriminação. êia Povo Negro! A luta ainda não acabou! ela segue e nos segue a cada segundo de nossa vida.

Veja o conteúdo do “Trabalhando com Poesia” de hoje e os anteriores no meu blog “Espaço de Sobrevivência”, no link https://oipa2.wordpress.com

Abraços nos amigos, beijos nas amigas e nos (as) filhos (as), desejando axé, paz, energias positivas e que a vida e a paz possam sempre reinar em nossos corações e na nossa rotina. Uma sexta abençoada por Deus e coberta com a paz do Alá de Oxalá.

Bom final de semana e até segunda feira.

Apio Vinagre Nascimento
e-mail 2: oipa@uol.com.br
e-mail 3: apioptlf@yahoo.com.br
msn: oipa2@hotmail.com
Blog: https://oipa2.wordpress.com
Twitter: http://www.twitter.com/a_vinagre
Facebook: http://www.facebook.com/#!/profile.php?id=1139376304
Flickr: http://www.flickr.com/photos/a_vinagre
Orkut: http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=9196573284471271823
Skype: a_vinagre1
Youtube: http://www.youtube.com/user/sobreviventeapio
Fones: (71) 8814-5332 / 9154-0168 / 9982-7223 / 8251-9282

A morte chega cedo – Fernando Pessoa

A morte chega cedo,
Pois breve é toda vida
O instante é o arremedo
De uma coisa perdida.
O amor foi começado,
O ideal não acabou,
E quem tenha alcançado
Não sabe o que alcançou.
E tudo isto a morte
Risca por não estar certo
No caderno da sorte
Que Deus deixou aberto.

Ao longe, ao luar – Fernando Pessoa

Ao longe, ao luar,
No rio uma vela,
Serena a passar,
Que é que me revela ?
Não sei, mas meu ser
Tornou-se-me estranho,
E eu sonho sem ver
Os sonhos que tenho.
Que angústia me enlaça ?
Que amor não se explica ?
É a vela que passa
Na noite que fica.

Anúncios
Esse post foi publicado em Livros e marcado . Guardar link permanente.

3 respostas para Trabalhando com Poesia

  1. Raquel disse:

    Gostaria de saber em que ano que Fernando Pessoa escreveu o poema A morte chega cedo. Obrigada. Beijos.

    • Apio Vinagre disse:

      Olá Raquel,

      Obrigado pelo acesso e pela pergunta. A morte e a solidão sempre foram aspectos muito presentes na vida de Fernando Pessoa. Logo aos 6 anos de idade ele se vê frente a frente com a morte do pai. este fato e seus desdobramentos acabam por influenciar a obra do poeta. Da solidão nos parece que nasce um remédio fantástico que é a criação dos seus heterônimos, aspecto aliás, que ele já utilizava-se desde os 6 anos de idade.

      Reproduzo texto do site http://www.pessoa.art.br/?p=20 que traz abordagem sobre esta realidade. O Poema “A morte chega cedo” é parte da publicação Poesia 1931-1935 e foi publicado originalmente em 11/09/1933.

      “… Fernando Pessoa trocou a perspectiva de um amor e de uma família por um outro chamamento, seja ele o da missão a desempenhar e o compromisso com tais mestres mistereriosos, seja o do compromisso com a sua própria identidade e com a humanidade. Abandonado a si mesmo, à sua vida intelectual e mística, ao seu isolamento, que, aliás, marcou toda a sua existência, é sozinho que Fernando Pessoa, já profundamente desgastado pela angústia que o mina, pela constante busca de si próprio, morre no dia 30 de Novembro de 1935, com 47 anos de idade. Uma morte que chega cedo – mais cedo chegara a muitos daqueles com quem conviviera -, mas uma morte para a qual o poeta parece ter caminhado conscientemente e sobre a qual reflectiu em muitos dos seus textos…”

      A morte chega cedo,
      Pois breve é toda vida
      O instante é o arremedo
      De uma coisa perdida.

      O amor foi começado,
      O ideal não acabou,
      E quem tinha alcançado
      Não sabe o que alcançou.

      E a tudo isto a morte
      Risca por não estar certo
      No caderno da sorte
      Que Deus deixou aberto.

      Fernando Pessoa -Cancioneiro

    • Apio Vinagre disse:

      Fonte: http://cfp.cm-lisboa.pt/pls/htmldb/f?p=334:6:3589223603729836::::P6_POE_ID,P6_TEP_ID,P6_ANCORA,P6_AUTOR,P6_POEMA,P6_ID,P6_TIPO:180,870,48,Fernando%20Pessoa,[A%20MORTE%20CHEGA%20CEDO],12,autor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s