Trabalhando com Poesia

“… Gostava de música americana, Ia pro baile dançar todo fim-de-semana… Manuel foi pro céu, Manuel foi pro céu… Ia pro trabalho cansado, às 6 da manhã, ouvia no seu rádio, calcinhas e sutiãs… No rádio era um funk, o trem tava lotado, pensou no seu salário, ficou desanimado, se eu fosse americano minha vida não seria assim… Manuel foi pro céu, Manuel foi pro céu… Dia após dia, ouvia a sua vó lhe falar, o mundo é fabuloso, o ser humano é que não é legal… No rádio era um funk, o trem tava lotado, pensou no seu salário, ficou desanimado, se eu fosse um político a vida não seria assim, não,não, não, não… Manuel foi pro céu, Manuel foi pro céu… Dia após dia, ouvia a sua vó lhe falar, sua vó lhe falar, o mundo é fabuloso, o ser humano é que não é legal… No rádio era um funk, o trem tava lotado, pensou no seu salário, ficou desanimado, se eu fosse um político a vida não seria assim, não,não, não, não… Manuel foi pro céu, Manuel foi pro céu…” (Ed Motta – Manuel – Comp.:Ed Motta)

“… Cidade nua, noite neon, gata de rua faz ron-ron, ao luar… Saio da cama, pulo a janela, ninguém como ela, ao luar… Mia, arranha o céu, mia, lua de mel ao léu, well… Dois gatos pingados fora da lei, ela é a rainha, eu o rei, farra no telhado fora da lei, tudo bem… Sobe desce muros fora da lei, ela sai por onde entrei, gritos e sussurros fora da lei… Cidade nua, faz serenata, beijo na boca, vira-lata, de lixo… Amor de bicho, paixão maluca, cama de gato, kama sutra ao luar… Mia, arranha o céu, mia, lua de mel ao léu, well…Dois gatos pingados fora da lei, ela é a rainha eu o rei, farra no telhado fora da lei… Tudo bem… Sobe desce muros fora da lei, ela sai por onde entrei, gritos e sussurros fora da lei… Mia, arranha o céu, mia, lua de mel ao léu, well… Dois gatos pingados fora da lei, ela é a rainha, eu o rei… Farra no telhado fora da lei, tudo bem… Sobe desce muros fora da lei, ela sai por onde entrei… Gritos e sussurros fora da lei…” (Ed Motta – Fora da Lei – Comp.: Ed Motta/Rita Lee)

“… Se você voltar pra mim, juro para sempre ser arlequim e brincar o carnaval, viver uma fantasia real… Sou um triste pierrot mal-amado, mestre-sala desacompanhado, um bufão, no salão, a cantar… Colombina, hey! Seja minha menina, só minha, bailarina, hey! Mandarina da China, rainha, quero ser seu rei!… Um rei momo, sem dono, sem trono, abram alas pro amor!… Minha vida sem você é uma canção de amor tão clichê, o meu “bem-me-quer” não quis, fez de mim um folião infeliz… Colombina, hey! Seja minha menina, só minha, bailarina, hey! Mandarina da China, rainha, quero ser seu rei!… Um rei momo, sem dono, sem trono, abram alas pro amor!… ” (Ed Motta – Colombina – Comp.: Rita Lee / Ed Motta)

“Não perca de vista sua filiação divina. Deus é pai de todas as crianças e vive dentro de cada um de seus filhos. Todas as criaturas são irmãs. As diferenças raciais e religiosas apenas de superfície. Olhe para todos como templos vivos da Divindade, e ame a Deus atavés do amor às criaturas, procurando servi-lo, servindo ao seu próximo com amor e dedicação.” (Minutos de sabedoria Pg. 87)

Bom dia pessoal,

Como foram de final de semana? espero que bem. Minha solidariedade aos torcedores do Vice de Tudo, que caiu de 3 para o Icasa, com um show de Ribinha. Vai melhorar, não se preocupem. rsrsrs

As saudações à nação tricolor de aço, que mais uma vez levou sua alegria tricolorida às ruas e ao Estádio Monumental de Pituaço. Nosso time está melhorando e, posso afirmar que não cairá e se os jogadores se encaixarem direitinho é time para disputar vaga em competição sulamericana.

Os parabéns a Andréa que aniversariou sábado e a Rita Caldas que aniversariou ontem. Nas suas pessoas parabenizo a todos os que aniversariaram no final de semana e hoje.

Essa semana trazemos a música de Ed Motta e as poesias escritas pelo Professor Abdias Nascimento. Espero que gostem.

Veja a versão de hoje e as anteriores do “Trabalhando com Poesia”, no nosso blog “Espaço de Sobrevivência”, que agora traz links dos principais sites institucionais e de informações para seu uso. Visite, comente, indique: https://oipa2.wordpress.com

Abraços nos amigos, beijos nas amigas e nos (as) filhos (as), desejando axé, paz, energias positivas e que a vida e a paz possam sempre reinar em nossos corações e na nossa rotina. Uma segunda feira abençoada por Deus.

Uma ótima semana a todos (as),

Apio Vinagre Nascimento
e-mail 2: oipa@uol.com.br
e-mail 3: apioptlf@yahoo.com.br
msn: oipa2@hotmail.com
Blog: https://oipa2.wordpress.com
Twitter: http://www.twitter.com/a_vinagre
Facebook: http://www.facebook.com/#!/profile.php?id=1139376304
Flickr: http://www.flickr.com/photos/a_vinagre
Orkut: http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=9196573284471271823
Skype: a_vinagre1
Youtube: http://www.youtube.com/user/sobreviventeapio
Fones: (71) 8814-5332 / 9154-0168 / 9982-7223 / 8251-9282

PADÊ DE EXU LIBERTADOR – Abdias do Nascimento

Ó Exu
ao bruxoleio das velas
vejo-te comer a própria mãe
vertendo o sangue negro
que a teu sangue branco
enegrece
ao sangue vermelho
aquece
nas veias humanas
no corrimento menstrual
à encruzilhada dos
teus três sangues
deposito este ebó
preparado para ti

Tu me ofereces?
não recuso provar do teu mel
cheirando meia-noite de
marafo forte
sangue branco espumante
das delgadas palmeiras
bebo em teu alguidar de prata
onde ainda frescos bóiam
o sêmen a saliva a seiva
sobre o negro sangue que circula
no âmago do ferro
e explode em ilu azul

Ó Exu-Yangui
príncipe do universo e
último a nascer
receba estas aves e
os bichos de patas que
trouxe para satisfazer
tua voracidade ritual
fume destes charutos
vindos da africana Bahia
esta flauta de Pixinguinha
é para que possas chorar
chorinhos aos nossos ancestrais
espero que estas oferendas
agradem teu coração e
alegrem teu paladar
um coração alegre é
um estômago satisfeito e
no contentamento de ambos
está a melhor predisposição
para o cumprimento das
leis da retribuição
asseguradoras da
harmonia cósmica

Invocando estas leis
imploro-te Exu
plantares na minha boca
o teu axé verbal
restituindo-me a língua
que era minha
e ma roubaram
sopre Exu teu hálito
no fundo da minha garganta
lá onde brota o
botão da voz para
que o botão desabroche
se abrindo na flor do
meu falar antigo
por tua força devolvido
monta-me no axé das palavras
prenhas do teu fundamento dinâmico
e cavalgarei o infinito
sobrenatural do orum
percorrerei as distâncias
do nosso aiyê feito de
terra incerta e perigosa

Fecha o meu corpo aos perigos
transporta-me nas asas da
tua mobilidade expansiva
cresça-me à tua linhagem
de ironia preventiva
à minha indomável paixão
amadureça-me à tua
desabusada linguagem
escandalizemos os puritanos
desmascaremos os hipócritas
filhos da puta
assim à catarse das
impurezas culturais
exorcizaremos a domesticação
do gesto e outras
impostas a nosso povo negro

Teu punho sou
Exu-Pelintra
quando desdenhando a polícia
defendes os indefesos
vítimas dos crimes do
esquadrão da morte
punhal traiçoeiro da
mão branca
somos assassinados
porque nos julgam órfãos
desrespeitam nossa humanidade
ignorando que somos
os homens negros
as mulheres negras
orgulhosos filhos e filhas do
Senhor do Orum
Olorum
Pai nosso e teu
Exu
de quem és o fruto alado
da comunicação e da mensagem

Ó Exu
uno e onipresente
em todos nós
na tua carne retalhada
espalhada por este mundo e o outro
faça chegar ao Pai a
notícia da nossa devoção
o retrato de nossas mãos calosas
vazias da justa retribuição
transbordantes de lágrimas
diga ao Pai que nunca
no trabalho descansamos
esse contínuo fazer
de proibido lazer
encheu o cofre dos exploradores
à mais valia do nosso suor
recebemos nossa
menos valia humana
na sociedade deles
nossos estômagos roncam de
fome e revolta nas cozinhas alheias
nas prisões
nos prostíbulos
exiba ao Pai
nossos corações
feridos de angústia
nossas costas chicoteadas
ontem
no pelourinho da escravidão
hoje
no pelourinho da discriminação

Exu
tu que és o senhor dos
caminhos da libertação do teu povo
sabes daqueles que empunharam
teus ferros em brasa
contra a injustiça e a opressão
Zumbi Luiza Mahin Luiz Gama
Cosme Isidoro João Cândido
sabes que em cada coração de negro
há um quilombo pulsando
em cada barraco
outro palmares crepita
os fogos de Xangô iluminando nossa luta
atual e passada

Ofereço-te Exu
o ebó das minhas palavras
neste padê que te consagra
não eu
porém os meus e teus
irmãos e irmãs em
Olorum
nosso Pai
que está
no Orum

Laroiê!

Búfalo, 2 de fevereiro de 1981

Fonte: http://www.abdias.com.br

Anúncios
Esse post foi publicado em Livros e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s