Trabalhando com Poesia

“… Pra ser sincero não espero de você, mais do que educação, beijos sem paixão, crime sem castigo, aperto de mãos, apenas bons amigos…… Pra ser sincero, não espero que você minta, não se sinta capaz de enganar, quem não engana a si mesmo… Nós dois temos os mesmos defeitos, sabemos tudo a nosso respeito, somos suspeitos de um crime perfeito, mas crimes perfeitos não deixam suspeitos… Pra ser sincero, não espero de você, Mais do que educação, beijos sem paixão, crime sem castigo, aperto de mãos, apenas bons amigos… Pra ser sincero, não espero que você me perdoe, por ter perdido a calma, por ter vendido a alma ao diabo… Num dia desses, num desses encontros casuais, talvez a gente se encontre, talvez a gente encontre explicação… Num dia desses, num desses encontros casuais, talvez eu diga, minha amiga, pra ser sincero, prazer em vê-la! Até mais!… Nós dois temos os mesmos defeitos, sabemos tudo a nosso respeito, somos suspeitos de um crime perfeito, mas crimes perfeitos, não deixam suspeitos…” (Engenheiros do Hawaii – Pra Ser Sincero – Comp.: Humberto Gessinger)

“… Eu que falei nem pensar, agora me arrependo, roendo as unhas, frágeis testemunhas de um crime sem perdão, mas eu falei nem pensar, coração na mão, como um refrão de um bolero, eu fui sincero como não se pode ser… Um erro assim, tão vulgar, nos persegue a noite inteira e quando acaba a bebedeira, ele consegue nos achar… Num bar, com um vinho barato, um cigarro no cinzeiro e uma cara embriagada no espelho do banheiro… Ana, teus lábios são labirintos Ana, que atraem os meus instintos mais sacanas e o teu olhar sempre distante sempre me engana, eu entro sempre na tua dança de cigana… Eu que falei nem pensar, agora me arrependo, roendo as unhas, frágeis testemunhas de um crime sem perdão, mas eu falei nem pensar, coração na mão, como um refrão de um bolero, eu fui sincero como não se pode ser… Ana, teus lábios são labirintos Ana, que atraem os meus instintos mais sacanas e o teu olhar sempre distante sempre me engana, eu entro sempre na tua dança de cigana… Ana, teus lábios são labirintos Ana, que atraem os meus instintos mais sacanas e o teu olhar sempre distante sempre me engana, eu entro sempre na tua dança de cigana…” (Engenheiros do Hawaii – Refrão De Bolero – Comp.: Humberto Gessinger)

“… O que você me pede eu não posso fazer, assim você me perde e eu perco você, como um barco perde o rumo, como uma árvore no outono perde a cor… O que você não pode, eu não vou te pedir, o que você não quer, eu não quero insistir, diga a verdade, doa a quem doer, doe sangue e me dê seu telefone… Todos os dias eu venho ao mesmo lugar, às vezes fica longe e impossivel de encontrar, mas quando o neon é bom, toda noite é noite de luar… No táxi que me trouxe até aqui, Julio Iglesias me dava razão, no clip Paul Simon estava de preto, mas, na verdade não era não, na verdade “nada” é uma palavra esperando tradução… Toda vez que falta luz, toda vez que algo nos falta, alguém que parte e não volta, o invisível nos salta aos olhos, um salto no escuro da piscina… O fogo ilumina muito, por muito pouco tempo, por muito pouco tempo, em muito pouco tempo, o fogo apaga tudo, tudo um dia vira luz, toda vez que falta luz, o invisível nos salta aos olhos… Ontem à noite, eu conheci uma guria, já era tarde, era quase dia, era o princípio num precipício, era o meu corpo que caía… Ontem à noite, a noite tava fria, tudo queimava, nada aquecia, ela apareceu, parecia tão sozinha, parecia que era minha aquela solidão… Ontem à noite, eu conheci uma guria, que eu já conhecia de outros carnavais, com outras fantasias, ela apareceu, parecia tão sozinha, parecia que era minha aquela solidão… No iníco era um precipício, um corpo que caía, depois virou um vício, foi tão difícil, acordar no outro dia… Ela apareceu, parecia tão sozinha, parecia que era minha aquela solidão, parecia que era minha…” (Engenheiros do Hawaii – Piano Bar – Comp.: Humberto Gessinger)

“Quando ensinar, não seja arrogante. E não se esqueça de que, o aprendizado dura a vida toda. Procure aprender também, em todas as ocasiões, e não despreze um bom conselho, só porque lhe chegou de lábios que você julga menos puros. Deus ajuda aos homens por meio dos próprios homens, e às vezes se serve de pessoas que não são perfeitas, para dar-nos avisos importantes.” (Minutos de Sabedoria Pg. 123)

Bom dia pessoal,

Em 02 de Agosto de1934, Adolf Hitler assume o poder na Alemanha, vindo a tornar-se um dos maiores inimigos da humanidade, pelas atrocidades cometidas na II Guerra Mundial.

Em 02 de Agosto de 1976 Morre Fritz Lang, um dos maiores diretores da história do cinema mundial, aos 85 anos de idade. Realizou entre 1918 e 1969, 44 longas metragens. Destaca-se na sua obra “Metrópolis” de 1926.

Em 02 de Agosto de1990 Tropas iraquianas invadem o território do Kuwait

Dia corrido hoje, com algumas reuniões e bons debates.

Veja a versão de hoje e as anteriores do “Trabalhando com Poesia”, no nosso blog “Espaço de Sobrevivência”, que já ultrapassou a marca das 11200 visitas. Nele você pode acessar links dos principais sites institucionais e de informações para seu uso. Visite, comente, indique:

https://oipa2.wordpress.com/2011/08/02/trabalhando-com-poesia-328/

Abraços nos amigos beijos nas amigas e nos filhos, com os desejos de muito axé, energias positivas e que a vida e a paz possam sempre reinar em nossos corações e na nossa rotina. Uma Terça feira abençoada por Deus.

Apio Vinagre Nascimento
e-mail 2: oipa@uol.com.br
e-mail 3: apioptlf@yahoo.com.br
msn: oipa2@hotmail.com
Blog: https://oipa2.wordpress.com
Twitter: http://www.twitter.com/a_vinagre
Facebook: http://www.facebook.com/#!/profile.php?id=1139376304
Flickr: http://www.flickr.com/photos/a_vinagre
Orkut: http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=9196573284471271823
Skype: a_vinagre1
Youtube: http://www.youtube.com/user/sobreviventeapio
Fones: (71) 8814-5332 / 9154-0168 / 9982-7223 / 8251-9282

Respeitem Meus Cabelos Brancos (Chico César)

Respeitem meus cabelos, brancos
Chegou a hora de falar
Vamos ser francos
Pois quando um preto fala
O branco cala ou deixa a sala
Com veludo nos tamancos

Cabelo veio da áfrica
Junto com meus santos

Benguelas, zulus, gêges
Rebolos, bundos, bantos
Batuques, toques, mandingas
Danças, tranças, cantos
Respeitem meus cabelos, brancos

Se eu quero pixaim, deixa
Se eu quero enrolar, deixa
Se eu quero colorir, deixa
Se eu quero assanhar, deixa
Deixa, deixa a madeixa balançar

Anúncios
Esse post foi publicado em Livros e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s