O destino de Eva Chiavon – Por Sócrates Santana

Eva Chiavon - Secretária Executiva do Ministério do Planejamento

Nota da redação do blog

Ao longo destes 5 anos de Governo Jaques Wagner, pudemos conviver com a figura sempre agradável e competente da Secretária Eva Chiavon, que nos deu a honra de ser moradora do nosso município durante este período. Sua ida para o Governo Federal naturalmente abre uma grande lacuna na equipe do governador, que com sua inteligência e sagacidade logo a reorganizará, mas, abre mais um canal de comunicação ná já bem azeitada relação do Governo da Bahia com o Governo Federal, capitaneado pela Presidenta Dilma Roussef.

No rol das discussões sobre o que se sucederá à saída da companheira Eva, reproduzimos o artigo “O destino de Eva Chiavon”, escrito pelo jornalista e amigo Sócrates Santana.

Uma boa leitura,

O governador Jaques Wagner não costuma dar nó em pingo de água à toa. O ingresso da ex-secretária da Casa Civil, Eva Chiavon, ao Ministério do Planejamento, desencadeia uma espiral no tabuleiro político baiano, mas, principalmente, brasileiro. No primeiro plano, o prelúdio de uma reforma administrativa na Bahia. No segundo, o uso de uma cortina de fumaça para esconder as reais intenções do PT paulista para disputar a prefeitura de Santo André.

Por um ano, convivi com o governador dos baianos e pude notar que Wagner, às vezes, como no jogo de xadrez, expõe a rainha para criar mais alternativas, mas, principalmente, preservar o rei. Se por um lado, a pequena Eva Chiavon vira uma subalterna da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, por outro, assume a coordenação do PAC, mas, especialmente, é a primeira da lista para comandar o ministério, caso Belchior, concorra às eleições de 2012 para a prefeitura de Santo André.

Com a proximidade das eleições municipais, nenhuma alternativa é descartada. No caso de São Paulo, a possibilidade de manter acesa às chances da viúva do ex-prefeito Celso Daniel, a ministra Miriam Belchior, de disputar uma das três cabeças do ABC paulista. No caso da Bahia, o senso de oportunidade de quem abre mão da sua principal secretária para participar do núcleo central do governo Dilma Rousseff.

É um olho na missa, outro no padre. Afinal de contas, ninguém é insubstituível. Saiu José Dirceu assumiu a mulher que seria sucessora do presidente Lula. O exemplo, hoje, serve para ambos os lados: Wagner e Dilma. O governador possui muitas obras federais de impacto estrutural no governo baiano. A Ferrovia Oeste-Leste, Porto Sul, Copa 2014, metrô de Salvador, a duplicação da BR 101 e dezenas de obras de saneamento básico ancoradas no PAC.

É verdade que o deputado estadual e pré-candidato à prefeitura de Santo André, Carlos Grana (PT/SP), anunciou a desistência da ministra do Planejamento. Mas, também é verdade de que ninguém ouviu nada de Miriam Belchior. A política é dinâmica para quem acompanha a dinâmica dela. Até por que, esconder o jogo também faz parte.

Sócrates Santana

*Sócrates Santana é jornalista.

Fonte: http://carissimosamigos.blogspot.com/2011/11/o-destino-de-eva-chiavon.html?spref=fb

Anúncios
Esse post foi publicado em Notícias e política e marcado , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para O destino de Eva Chiavon – Por Sócrates Santana

  1. Anônimo disse:

    Uma correção: Miriam Belchior não é viúva de Celso Daniel, pois eles já eram divorciados quando o ex-prefeito foi assassinado, portanto ela é divorciada e não viúva, Daniel namorava Ivone de Santana quando fora assassinado, esta, porém, também não pode ser considerada viúva do mesmo pois não eram casados.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s