Rui Falcão destaca Congresso da Juventude e eleições municipais em entrevista à TVPT

Rui Falcão, presidente nacional do PT (Imagem: Gustavo Serrate/PT)

O presidente do PT, Rui Falcão, falou sobre o Congresso da Juventude; taxa de juros; e as irônicas estratégias dos tucanos.

Leia abaixo a íntegra da entrevista coletiva, ou assista na TVPT. A entrevista foi concedida após a reunião da executiva do Partido.

“Primeiro nós estamos aqui, saldando a realização do Congresso da Juventude, que vai ser agora do dia 12 ao dia 14, estamos constatando que o clima eleitoral, já começa a tomar conta do PT, já há um processo de preparação muito intenso, constatei isto agora, inclusive numa viagem à Blumenau, a Juazeiro do Norte, Barbalha, e Icapuí, que tem uma eleição agora dia 13, uma eleição suplementar, isto é a primeira observação do momento que nós estamos vivendo, a gente fala da crise mundial, faz menção a crise mundial, cuja a duração e conseqüência são imprevisíveis e estamos destacando a reiteração da postura do nosso Governo, da nossa presidenta que diante da crise, mais uma vez assinala que nós não vamos promover recessão e desemprego, que vamos apostar no crescimento com redução de desigualdades, com políticas fiscal e monetária responsáveis, vendo nisso um caminho para solução da crise global”.

Taxas de juros:

“A gente já vinha assinalando este comportamento, e estamos fazendo menção a varias medidas que a gente acha positivas, como a redução continuada e responsável da SELIC – Sistema Especial de Liquidação e de Custódia -, a nova política para concessão de licenças ambientais, mecanismos de proteção da indústria nacional. Essas iniciativas que ela tomou nas viagens internacionais que fez, e o esforço conjunto que fez agora, da base aliada, unida para a aprovação da DRU – Desvinculação de Receitas da União – que é uma medida importante até para o enfrentamento da crise. Foi aprovada em primeiro turno, e a gente espera que também o seja no segundo turno, finalmente nós fazemos menção a – não tem uma critica de passagem, aquele seminário do PSDB, que a gente fala que enquanto a oposição conservadora macaqueia em seminários com slogan americano e para não valorizar excessivamente eles, a própria Folha de São Paulo, está tratando com muita ironia e depreciando muito as conseqüências do seminário”.

Yes, we can…

“Não, é um outro, eles fizeram um outro, a Folha criou outro e muito bem humorado, no editorial hoje (10.11). Nós estamos festejando, a sanção próxima de duas leis que não são só do PT , mas tem a digital muito forte do PT, que é a Comissão da Verdade e a lei do acesso publico às informações: A primeira por que permite você conhecer os fatos recentes da história, o caso dos desaparecidos, das mortes das torturas, que é algo que nós nunca conseguimos ter aqui no Brasil, o conhecimento pleno até para que as atuais, as novas gerações não permitam que aconteça de novo. Isto não foi só obra do PT, foi de várias correntes políticas, mas nós achamos que isto também é uma causa nossa e a lei de acesso a informação, primeiro considera a informação um bem público, por que não é um bem nem do Estado, nem do Governo, mas também de nenhum grupo privado, seja ele qual for, segundo que acaba com o sigilo eterno de documentos que até então prevalecia, e mostra também qual é o nosso compromisso,, firme com a transparência, com a liberdade de informação, de opinião, de livre expressão de pensamento e a nossa cultura petista avessa a qualquer tipo de censura”

“Finalmente a gente conclama todo o pessoal para prosseguir, observando as orientações o 4º Congresso, sobre alianças, tática, sobre lançamento de candidaturas, e acentuando, tudo isto para buscar a unidade, que tem sido instrumento mais poderoso na construção das nossas vitórias.”

Repórter: Essa orientação é para evitar prévias?

“Não! Nunca houve orientação para fazer prévia. A orientação é sempre buscar o consenso, agora você tem que ter mecanismos de solução de conflito, quando não tem consenso, tem um método democrático há muito tempo no PT, que já foi muito elogiado, e mudou no nosso Congresso agora, só uma coisa: Que em casos em que 2/3 do Diretório entenderem que não é necessário fazer prévia, faça a solução em um encontro de delegados, que também é uma forma democrática de aferir, só que é mais restrito que a prévia que envolve todos os filiados, mas em nenhum momento se suprimiu a prévia.”

“Era necessário sempre buscar unidade, é que nem a luta sindical, a greve não é o primeiro passo, começa a negociar, apresenta pauta, pede a data base, quando não dá, vai para a greve”.

Eleições:

“Não, Minas não está caminhando para encontro de delegados, porque não tem nem definição ainda se tem candidatura própria ou não. Qual é o processo: Você tem prazo limite para um Diretório determinado se manifestar em primeiro lugar, se quer aprovar candidato de outro partido. Se o Diretório não se manifesta, nem encontro para apoiar candidato de outro partido, você abre as inscrições para as candidaturas petistas, se tiver mais de uma, ou tem prévia, ou tem encontro de delegados para definir, porque obrigatoriamente você tem encontros no país todo para discutir aliança, fechar chapa, para escolher chapa de vereadores, aprovar o Programa, todos os municípios vão ter estes encontros o ano que vem, então o prazo limite para esta questão de Belo Horizonte, que você esta mencionando, é o ano que vem. Não há esta necessidade, os diretórios que por acordo, antecipem, nós não vamos. São Paulo, por exemplo, São Paulo definiu que ia fazer plenárias e que ia marcar data de prévia para o dia 27 de Novembro. As prévias então tem data, tudo aceito por todo mundo, por que não houve nenhuma proposta de apoiar candidato de outro partido em São Paulo, capital. Se até o dia 27 de novembro se mantiverem as três candidaturas que estão lá, então vai ter uma prévia”.

“É para reforçar junto a militância… Vou dar um exemplo para vocês, porque que tem que ter orientação geral: João Pessoa (PB) tem uma discussão. Duas partes de Diretório. Uma defende o apoio ao atual prefeito, que é do PSB, e a outra quer lançar um deputado nosso, não tem outro candidato, quer lançar um candidato, um deputado nosso, candidato à prefeito, então eles estão se entendendo em várias coisas, estão conversando e a busca da unidade lá, não necessariamente, esta constrangido só isso. Tem outras cidades, onde forças políticas nossas tem outras pretensões, então de repente, você vai fazer um acordo de 10 cidades e não tem prévia envolvida. São duas orientações diferentes, sobre se tem candidato próprio ou não tem, então aí não é prévia, ai é divergência de opinião que não vai ser resolvida em previa, tem um encontro para resolver isto. Se antes do encontro você consegue fazer um acordo entre as partes, ótimo, se você não fizer, o encontro, por maioria de votos, ou aprova a candidatura própria, ou o apoio ao prefeito atual”.

“Toda vez que tem disputa, por mais elevada que ela seja, e no PT, sempre é disputa de idéias, alguém na votação levou, agora no PT, nós não temos deixado seqüelas, vocês viram o Congresso, em votação um perde, outro ganha, prevalece a unidade partidária”.

(Transcrição: Adriano Lozado – Portal do PT)

Veja a entrevista em vídeo no link abaixo

Fonte: http://www.pt.org.br/index.php?/tv/view/rui_falcaeo_destaca_congresso_da_juventude_e_eleicoes_municipais

Anúncios
Esse post foi publicado em Notícias e política e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s