Primeiro ano de Dilma tem a maior aprovação desde redemocratização – Por Instituto Datafolha

Na apresentação dos resultados da pesquisa de opinião realizada nos dias 17 e 18 de Janeiro de 2012 o Datafolha apresentou ontem resultados que deixam a cada um de nós, petistas e integrantes da base de apoio ao Governo Dilma Roussef, felizes e orgulhosos, não apenas pela performance estatística, mas, fundamentalmente por percebermos o quanto a opinião pública brasileira passa a perceber os avanços que o nosso País começa a apresentar, notadamente com as ações enérgicas da nossa Presidenta em relação às situações relativas a conduta de seus subordinados (as) em relação à coisa pública. Parabéns Presidenta! Siga em frente, com a força de Deus e do povo brasileiro!!

Os dados abaixo são do site do Instituto Datafolha. Boa leitura!!

Presidenta Dilma Roussef - créditos da Imagem: Presidência da República

Gestão da petista é avaliada como ótima ou boa por 59%, índice superior ao de seus antecessores após o primeiro ano de mandato.

A petista Dilma Rousseff é a presidente com o maior nível de aprovação após um ano de governo desde o retorno das eleições diretas. De acordo com pesquisa Datafolha realizada nos dias 17 e 18 de janeiro, o governo Dilma é considerado bom ou ótimo por 59% dos brasileiros com 16 anos ou mais. Seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), era até então o presidente mais bem avaliado do país após encerrar um ano de mandato. Reeleito em 2006, o petista tinha sua gestão vista como ótima ou boa por 50% em dezembro desse mesmo ano. Ao encerrar o primeiro ano do primeiro mandato, o nível de aprovação a Lula era menor: 42% viam seu governo como ótimo ou bom em dezembro de 2002. Em dezembro de 1995, Fernando Henrique Cardoso (PSDB) encerrava seu primeiro ano à frente da Presidência da República com a aprovação de 41% dos brasileiros adultos. Ao final do primeiro ano de seu segundo mandato, esse índice caiu: 16% consideravam a gestão FHC ótima ou boa em dezembro de 1998. O governo de Itamar Franco (PMDB) completou um ano avaliado como ótimo ou bom por 12%, em novembro de 1993. Primeiro presidente eleito por voto direto após a ditadura militar, Fernando Collor (PRTB) chegou ao final de seu primeiro ano de mandato avaliado como ótimo ou bom por 23% dos brasileiros.

Na comparação com a última avaliação do governo Dilma Rousseff realizada pelo Datafolha, em agosto de 2011, o índice de aprovação da petista subiu de 48% para os atuais 59%. A fatia dos que consideram seu governo regular caiu de 39% para 33%, mesma trajetória do índice de desaprovação ao mandato de Dilma: em agosto, 11% viam seu governo como ruim ou péssimo, ante 6% que dizem o mesmo no atual levantamento. Em março de 2011, três meses após assumir, Dilma tinha sua gestão vista como ruim ou péssima por 7%.

A aprovação ao governo Dilma Rousseff aumentou tanto entre as mulheres (de 49% em agosto do ano passado para 62% atualmente) quanto entre os homens (46% para 56%). As taxas de ótimo ou bom da presidente também cresceram em todas as faixas de idade, com mais intensidade entre os mais jovens, de 16 a 24 anos (de 43% para 56%) e menos intensidade entre aqueles que têm de 45 a 59 anos (de 49% para 57%). Entre os segmentos de escolaridade, nos quais também se verificou crescimento da aprovação de forma geral, o maior avanço percentual na aprovação a Dilma se deu entre aqueles com curso superior (de 44% para 59%; entre os que têm ensino médio, houve crescimento similar, de 45% para 57%). Entre agosto do ano passado e janeiro deste ano, aumentou a aprovação ao atual governo em todos os estratos de renda, com destaque para o grupo daqueles com renda familiar mensal de 5 a 10 salários mínimos, no qual os índices de ótimo ou bom passaram de 45% para 61%. Os índices de aprovação também subiram em todas as regiões, com destaque para as regiões Norte e Centro-Oeste (de 45% para 63%), com avanço menor no Sul (de 50% para 58%) e no Sudeste (de 48% para 56%).

O aumento da aprovação ao governo Dilma se refletiu na nota média atribuída a sua gestão, que passou de 6,7 para 7,2 entre agosto de 2011 e janeiro de 2012.

O Datafolha também mediu alguns aspectos da imagem pessoal da presidente. Para 72% dos brasileiros, Dilma é decidida. Esse índice é menor do que o verificado em março (79%), quando ela completava três meses de mandato, mas maior do que os que diziam o mesmo em junho (62%). A mesma trajetória teve a taxa dos que consideram a petista muito inteligente, que era de 85% em março, 76% em junho e fica em 80% no atual levantamento. A fatia dos que avaliam Dilma como sincera era de 65% após três meses de governo, oscilou negativamente para 62% no seu sexto mês de governo e subiu para 70% em janeiro de 2012. O índice dos que a consideram falsa, por outro lado, era de 17% em março, foi a 22% em junho e é de 15% atualmente. Entre as avaliações como democrática ou autoritária, a maior fatia (52%) a considera democrática, enquanto 39% dizem que é autoritária. Em março, 44% avaliavam a petista como democrática, e 44%, como autoritária. Três meses depois, em junho, 52% apontavam Dilma como democrática, e 41%, como autoritária.

70% Descartam pelo menos um Ministério da República

Os 38 ministérios de que o governo federal dispõe atualmente representam um número maior do que o necessário para 44% dos brasileiros, aponta a pesquisa Datafolha. Para 29%, esse número é adequado às necessidades do país, enquanto 15% dizem que o número é menor do que o Brasil precisa, enquanto 11% não souberam responder. Diante da lista dos 38 ministérios, que incluem todos os órgãos vinculados à Presidência da República cujos titulares têm status de ministro, um índice acima da média (39%) de jovens de 16 a 24 anos vê o número como adequado. Também consideram o número adequando em nível acima da média os entrevistados das regiões Norte e Centro-Oeste (35%). Entre aqueles que têm de 35 a 49 anos, porém, uma taxa acima da média (54%) acredita que o número de ministérios é maior do que o país precisa. O mesmo acontece no grupo dos que possuem ensino superior (58%), tem renda familiar de 5 a 10 salários mínimos (56%) ou superior a 10 salários mínimos (63%). Na região Sudeste, 50% considera o número de ministérios excessivo.

O Datafolha também perguntou quais ministérios o entrevistado descartaria caso houvesse uma reforma ministerial. Apenas 30% disseram que não descartar nenhum ministério. Entre os ministérios apontados como descartáveis em uma reforma ministerial, os mais citados foram Secretaria de Assuntos Estratégicos (15%), Secretaria de Pesca e Aquicultura (13%), Gabinete de Segurança Institucional (10%), Secretaria Especial de Políticas de Promoção de Igualdade Racial (9%), Secretaria de Portos (8%), Secretaria de Relações Institucionais (7%), Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (6%), Ministério da Integração Nacional (6%), Ministérios das Cidades (6%), Secretaria-Geral da Presidência (6%) e Ministério do Turismo (5%), entre outros menos citados. Uma fatia de 20 disse não saber qual ministério excluir, apesar de afirmar estar disposto a descartar pelo menos um deles.

FONTE: http://datafolha.folha.uol.com.br/po/ver_po.php?session=1172

Anúncios
Esse post foi publicado em Notícias e política e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s