Trabalhando com Poesia

“… A solução pro nosso povo eu vou dar, negócio bom assim ninguém nunca viu. Tá tudo pronto aqui é só vim pegar, a solução é alugar o Brasil!… Nós não vamos pagar nada, Lalalalá! Nós não vamos pagar nada, É tudo free! Tá na hora agora é free, vamo embora, dá lugar pros gringo entrar, que esse imóvel tá prá alugar… Os estrangeiros, eu sei que eles vão gostar, tem o Atlântico, tem vista pro mar… A Amazônia é o jardim do quintal, e o dólar deles paga o nosso mingau… Nós não vamos pagar nada, Lalalalá! Nós não vamos pagar nada, É tudo free! Tá na hora agora é free, vamo embora, dá lugar pros gringo entrar, que esse imóvel tá prá alugar… A solução pro nosso povo eu vou dar, negócio bom assim ninguém nunca viu. Tá tudo pronto aqui é só vim pegar, a solução é alugar o Brasil!… Nós não vamos pagar nada, Lalalalá! Nós não vamos pagar nada, É tudo free! Tá na hora agora é free, vamo embora, dá lugar pros gringo entrar, que esse imóvel tá prá alugar… Os estrangeiros, eu sei que eles vão gostar, tem o Atlântico, tem vista pro mar… A Amazônia é o jardim do quintal, e o dólar deles paga o nosso mingau… Nós não vamos pagar nada, Lalalalá! Nós não vamos pagar nada, É tudo free! Tá na hora agora é free, vamo embora, dá lugar pros gringo entrar, que esse imóvel tá prá alugar… Nós não vamos pagar nada, Lalalalá! Nós não vamos pagar nada, É tudo free! Tá na hora agora é free, vamo embora, dá lugar pros gringo entrar, que esse imóvel tá prá alugar…” (Titãs – aluga-se – Comp.: Raul Seixas / Claudio Roberto)

“…A Televisão me deixou burro, muito burro demais, Oi! Oi! Oi!… Agora todas coisas que eu penso me parecem iguais, Oi! Oi! Oi!… O sorvete me deixou gripado pelo resto da vida… E agora toda noite quando deito é boa noite, querida… Oh! Cride, fala pra mãe, que eu nunca li num livro que o espirro fosse um vírus sem cura… Vê se me entende, pelo menos uma vez, criatura! Oh! Cride, fala pra mãe!… A mãe diz pra eu fazer alguma coisa, mas eu não faço nada, Oi! Oi! Oi!… A luz do sol me incomoda, então deixa acortina fechada, Oi! Oi! Oi!… É que a televisão me deixou burro, muito burro demais… E agora eu vivo dentro dessa jaula, junto dos animais… Oh! Cride, fala pra mãe, que tudo que a antena captar, meu coração captura… Vê se me entende, pelo menos uma vez, criatura!… Oh! Cride, fala pra mãe!… A mãe diz pra eu fazer alguma coisa, mas eu não faço nada, Oi! Oi! Oi!… A luz do sol me incomoda, então deixa acortina fechada, Oi! Oi! Oi!… É que a televisão me deixou burro, muito burro demais… E agora eu vivo dentro dessa jaula, junto dos animais… Oh! Cride, fala pra mãe, que tudo que a antena captar, meu coração captura… Vê se me entende, pelo menos uma vez, criatura!… Oh! Cride, fala pra mãe!…“ (Titãs – Televisão – Comp.: Marcelo Fromes / Tony Belotto / Arnaldo Antunes)

“… Bebida é água! Comida é pasto! Você tem sede de que? Você tem fome de que?… A gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte… A gente não quer só comida, a gente quer saída para qualquer parte… A gente não quer só comida, a gente quer bebida, diversão, balé… A gente não quer só comida, a gente quer a vida como a vida quer… Bebida é água! Comida é pasto! Você tem sede de que? Você tem fome de que?… A gente não quer só comer, a gente quer comer e quer fazer amor… A gente não quer só comer, a gente quer prazer, prá aliviar a dor…… A gente não quer só dinheiro, a gente quer dinheiro e felicidade… A gente não quer só dinheiro, a gente quer inteiro e não pela metade… A gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte… A gente não quer só comida, a gente quer saída para qualquer parte… A gente não quer só comida, a gente quer bebida, diversão, balé… A gente não quer só comida, a gente quer a vida como a vida quer… Bebida é água! Comida é pasto! Você tem sede de que? Você tem fome de que?… A gente não quer só comer, a gente quer comer e quer fazer amor… A gente não quer só comer, a gente quer prazer, prá aliviar a dor…… A gente não quer só dinheiro, a gente quer dinheiro e felicidade… A gente não quer só dinheiro, a gente quer inteiro e não pela metade… Diversão e arte, para qualquer parte, diversão, balé, como a vida quer… Desejo, necessidade, vontade, necessidade, desejo, eh! necessidade, vontade, eh! necessidade…” (Titãs – Comida – Comp.: Arnaldo Antunes / Marcelo Fromer / Sérgio Britto)

Confira outros sucessos dos Titãs:

“Deus está em toda a parte ao mesmo tempo e, portanto, está também dentro de você, em redor de você, vendo o que você faz, sabendo até o que você pensa. Se você sofre é porque a dor lhe trará benefícios futuros, e não por “vontade” de Deus. Você deixa seu filho sofrer na cadeira do dentista, porque este beneficia seu filho, mesmo fazendo que ele sofra. Deus age também assim conosco.” (Minutos de Sabedoria Pg. 244)

Bom dia pessoal,

Quero fazer uma menção especial no Trabalhando com Poesia de hoje a uma turma que passei a conhecer nos últimos três meses. Os meus colegas do Juizado Especial Cível de Lauro de Freitas, onde estagio até o dia de hoje.
Minhas expectativas eram de dar sequência ao estágio até maio de 2014, conforme previsto inicialmente, mas, a vida é feita das oportunidades que criamos e que nos são ofertadas e, na impossibilidade de conciliar as duas atividades precisei interromper, mas, saibam que nesses três meses me foi oportunizado mais um aprendizado importantíssimo em minha caminhada.

Daqui a um ano, quando sair da Faculdade, optando pela advocacia, terei condições de olhar para o sistema em torno dos Juizados Especiais de outra forma e, isso será possível graças aos 90 dias que me foram possíveis dentro do JEC Lauro de Freitas.

A Dr. Marcelo, Silvia e Fábio, responsáveis diretos pela minha seleção o meu agradecimento pela confiança e incentivo, na medida das responsabilidades delegadas, nas pessoas dos três minhas homenagens a todos os servidores deste Juizado, entre os quais Marcos, Jailson, Carla Madalena, Lazaro, Marcelo, Alexsandra, Thiago, Lili, Dani, Rafaela, Sr Wilson, Dilma, Luciano, com os quais convivi mais de perto, bem como Juízes leigos e conciliadores. Cada um (a) de vocês, inclusive os que eventualmente eu tenha me esquecido, foram responsáveis pela satisfação que tive em participar do dia a dia do juizado e pelo misto de energia positiva com a nova missão e tristeza de deixar um ambiente que sinto prazer em fazer parte. Obrigado!

A Adriana Cardoso e Ana Carla Pedra, minhas colegas de estágio e responsáveis diretas pela minha indicação o meu eterno reconhecimento pela demonstração de amizade e confiança. Meu carinho também aos colegas estagiários Pedro, Renata, Diana, Camila, Sibele, Karla Dias e André. Valeu por tudo. Como costumo dizer sempre, até breve. Optamos por um labor que nos oportuniza nos encontrar sempre, sendo nas disputas antagonistas ou em projetos de parcerias. Que saibamos escolher sempre o melhor caminho para a coletividade. Valeu!!!

Na nossa sugestão de leitura de hoje dois artigos do Site Pátria Latina. Vale conferir:

Todos os homens do “trensalão” (Coluna do Altamiro Borges) – A revista IstoÉ desta semana volta à carga com graves denúncias contra o PSDB de São Paulo. A reportagem intitulada “Todos os homens do propinoduto tucano”, assinada pelos jornalistas Alan Rodrigues, Pedro Marcondes de Moura e Sérgio Pardellas, dá os nomes aos bois – ou melhor, aos tucanos – que articularam o bilionário esquema de desvio de dinheiro dos cofres públicos nas obras do metrô paulista. Para o governador Geraldo Alckmin e o ex-governador José Serra, que até agora tentam se travestir de “vítimas” da roubalheira, a matéria é um petardo.

http://www.patrialatina.com.br/colunaconteudo.php?idprog=ef72d53990bc4805684c9b61fa64a102&codcolunista=31&cod=3050

“Vinculação com a agricultura familiar melhora qualidade da merenda escolar, afirma estudo” Desde um menu mais simples a base de milho, feijão, arroz, azeite e soja em Honduras a um cardápio mais aprimorado com bebidas a base de leite com aveia, quinua, amaranto (kiwicha), trigo, milho, sopas, pães, marmeladas, mousse, sanduíches, tubérculos, leguminosas, cereais, carnes e frutas da estação no Peru, a alimentação escolar na América Latina tem se mostrado fundamental para o fortalecimento de três eixos: econômico, social político. Econômico porque significa alimentar as novas gerações; social porque alimentar uma criança na escola significa permitir que ela seja educada e tenha possibilidades de sair do ciclo de exclusão social; e político porque implica uma dupla necessidade de contar com políticas públicas ousadas e de incentivar a participação cidadã na definição, gestão e controle dessas políticas.

http://www.patrialatina.com.br/editorias.php?idprog=8e3308c853e47411c761429193511819&cod=12340

Veja a versão de hoje e as anteriores do “Trabalhando com Poesia”, no nosso blog “Espaço de Sobrevivência”. Nele você pode acessar links dos principais sites institucionais e de informações para seu uso. Visite, comente, indique:

https://oipa2.wordpress.com/2013/08/30/trabalhando-com-poesia-497/

Abraços nos amigos beijos nas amigas e nos filhos, com os desejos de muito axé, energias positivas e que a vida e a paz possam sempre reinar em nossos corações e na nossa rotina. Uma sexta-feira abençoada por Deus e coberta pela paz do Alá de Oxalá! Bom final de semana e até segunda feira.

Apio Vinagre Nascimento
e-mail: apio.nascimento@sedesba.ba.gov.br
e-mail 2: oipa@uol.com.br
e-mail 3: apioptlf@yahoo.com.brmsn: oipa2@hotmail.com
Blog: https://oipa2.wordpress.com
Twitter: http://www.twitter.com/a_vinagre
Facebook: http://www.facebook.com/apio.vinagre
Flickr: http://www.flickr.com/photos/a_vinagre
Orkut: http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=9196573284471271823
Skype: a_vinagre1
Youtube: http://www.youtube.com/user/sobreviventeapio
Fones: (71) 8814-5332 / 9154-0168 / 9982-7223 / 8251-9282

Julieta a Romeu – José Saramago, in “Os Poemas Possíveis”

É tarde, amor, o vento se levanta,
A escura madrugada vem nascendo,
Só a noite foi nossa claridade.
Já não serei quem fui, o que seremos
Contra o mundo há-de ser, que nos rejeita,
Culpados de inventar a liberdade.

Romeu a Julieta – José Saramago, in “Os Poemas Possíveis”

Eu vou, amor, mas deixo cá a vida,
No calor desta cama que abandono,
Areia dispersada que foi duna.
Se a noite se fez dia, e com a luz
O negro afastamento se interpõe,
A escuridão da morte nos reúna.

Anúncios
Esse post foi publicado em Livros e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s