Trabalhando com Poesia

“…Não me peça pra ficar, só porque você não quer me acompanhar, não me fale em dor, antes das noites de frio sob o cobertor… Não, não, não vou negar, você me deu tudo, te dei arte do ardor. Não me cale, amor, que a vida da gente é uma eterna canção por compor… Pode parecer cruel, mas vou! Eu não te desejo mal, mas vou! Me agarrando céu em céu pra outra real… Posso até estar pinel, mas vou! É porque desejo mais que eu vou! Te mando no aniversário um cartão postal… Vem, me tire pra dançar, essa dança não é fácil de se acompanhar… Não que falte amor, no tempo, no espaço a gente ainda pode criar… Deixo a vida te levar, que as luzes se acendam e que a gente possa brilhar… Mas, cuidado, amor que as mãos que te estendem tapete não possam puxar… Pode parecer cruel, mas vou! Eu não te desejo mal, mas vou! Me agarrando céu em céu pra outra real… Posso até estar pinel, mas vou! É porque desejo mais que eu vou! Te mando no aniversário um cartão postal… Pode parecer cruel, mas vou! Eu não te desejo mal, mas vou! Me agarrando céu em céu pra outra real… Posso até estar pinel, mas vou! É porque desejo mais que eu vou! Te mando no aniversário um cartão postal… Te mando no aniversário um cartão postal… Te mando no aniversário um cartão postal… Te mando no aniversário um cartão postal…” (Vander Lee – Fui – Comp.: Vander Lee)

“… Ando procurando pelo seu olhar, clareou o dia, você desapareceu na estrada, no vento, ou qualquer outra rota estelar, na ilha deserta, ou no inverno do norte europeu… Mergulhando ruas, beijos ao luar, velejando bocas, loucas pra beijar, mar e o oceano, e a onda que veio e bateu, lembra a distância entre o seu mundo e o meu… O aluguel venceu, meu time jogou, tudo aqui é seu e você não ligou… De manhã choveu, o carro enguiçou, o sinal fechou, o amor não percebeu… Passo todo dia e noites a vagar, solto no descaso, preso em seu mirar, na dança do tempo só você, meu bem, é que não vem, durmo sabendo que você não vai voltar… O aluguel venceu, meu time jogou, tudo aqui é breu e você não ligou… De manhã choveu, o carro enguiçou, o sinal fechou, o amor não percebeu… O aluguel venceu, meu time jogou, tudo aqui é breu e você não ligou… De manhã choveu, o carro enguiçou, o sinal fechou, o amor não percebeu… O aluguel venceu, meu time jogou, tudo aqui é breu e você não ligou… De manhã choveu, o carro enguiçou, o sinal fechou, o amor não percebeu… O aluguel venceu, meu time jogou, tudo aqui é breu e você não ligou… De manhã choveu, o carro enguiçou, o sinal fechou, o amor não percebeu… O aluguel venceu, meu time jogou, tudo aqui é breu e você não ligou… De manhã choveu, o carro enguiçou, o sinal fechou, o amor não percebeu… “ (Vander Lee – Breu – Comp.: Vander Lee)

“… Primavera chegou cedo, não há nada em meu jardim. Madrugada anda calada, nem andor passa por mim. O terno cinza do outono disse o tom ao coração, tudo que me aquece agora é só vazio e solidão… O tempo só passa lá fora, eu fico no mesmo lugar… Desde que você foi embora, toda noite é sem luar, já bebi toda a Guanabara e nada de você voltar, com seu sorriso de Iara, de brisa de velejar… Quero dançar ao vento. Deixa eu dançar… Primavera chegou cedo, não há nada em meu jardim. Madrugada anda calada, nem andor passa por mim. O terno cinza do outono disse o tom ao coração, tudo que me aquece agora é só vazio e solidão… O tempo só passa lá fora, eu fico no mesmo lugar… Desde que você foi embora, toda noite é sem luar, já bebi toda a Guanabara e nada de você voltar, com seu sorriso de Iara, de brisa de velejar… Quero dançar ao vento. Deixa eu dançar… Quero dançar ao vento. Deixa eu dançar… Quero dançar ao vento. Deixa eu dançar…” (Vander Lee – Terno cinza – Comp.: Vander Lee)

“…Enquanto houver estrelas a brilhar na minha estrada, pulsará um coração novo, atrás de um velho sonho, que o tempo não levou, que a força das tormentas não matou… Enquanto tocar no ar, a música da paisagem, viverão os anjos poetas… Luzes e mistérios, rompendo as fronteiras de um coração sangrando, que se fechou… Matando a sede na correnteza da vida, regando de amor cada despedida… Amanheceu e é preciso seguir em frente. Há um mundo esperando a gente, não tem saída… Atrás de um velho sonho, que o tempo não levou, que a força das tormentas não matou… Enquanto tocar no ar, a música da paisagem viverão os anjos poetas… Luzes e mistérios, rompendo as fronteiras de um coração sangrando que se fechou… Matando a sede na correnteza da vida, regando de amor cada despedida… Amanheceu e é preciso seguir em frente. Há um mundo esperando a gente, não tem saída…” (Vander Lee – Ponto de luz – Comp.: Vander Lee)

“Não se envergonhe de ser humilde. A humildade consiste no conhecimento perfeito daquilo que somos e que podemos, sem fantasiar-nos com qualidades que não temos. Humildade não é posição de corpo, nem tom de voz: É posição de espírito, que sabe o que é, o que pode, e não precisa manifestar-se aos outros: vale para si mesmo. Seja, pois, humilde!” (Minutos de Sabedoria Pg. 253)

Bom dia pessoal,

O “Trabalhando com Poesia” de hoje faz uma menção especial e manda vibrações super positivas para minha querida Ana Cláudia Santos, que defende hoje a sua monografia e fecha com chave de ouro a sua caminhada no IFBA e carimba o seu Diploma de Bacharela em Administração. Nós, moradores de bairros periféricos sabemos o quanto se traduz em motivo de orgulho para nós mesmos e nossas famílias, amigos e demais parentes essas conquistas no mundo acadêmico, até bem pouco tempo atrás, espaço destinado à ocupação apenas aos nascidos em berços dourados e ricos. Meu bem, quero que saiba que me orgulho muito da sua luta, da sua capacidade de enfrentar as eventuais dificuldades que se apresentaram em sua caminhada. Estaremos todos (as) torcendo e enviando vibrações para uma apresentação excelente. Sucesso, Força, Fé e foco. Parabéns!

O Supremo Tribunal Federal deu sequência ontem ao julgamento dos Embargos Infringentes dos réus da Ação Penal 470, que após os votos de seis dos Ministros apresentou ao fim da sessão o resultado parcial de 4×2 em favor do recebimento dos Embargos. Com o Ministro Joaquim Barbosa, que já havia se posicionado contrário aos embargos votou o Ministro Luis Fux, a favor dos embargos votaram os Ministros Luis Roberto Barroso, Teori Zavascki, Dias Toffoli e Rosa Weber. Nesta quinta-feira, os Ministros Gilmar Mendes, Celso de Mello, Marco Aurélio e Ricardo Lewandovski, além da Ministra Carmem Lúcia proferem seus votos. Definitivamente o resultado está totalmente em aberto. No “Trabalhando com Poesia” de amanhã trago as informações e seus desdobramentos.

Na nossa sugestão de leitura de hoje três artigos do Site Brasil 247, que repercutem a questão. Vale a pena conferir:

Pressão total nos ombros da ministra Carmen Lúcia – Nas próximas horas, a ministra Carmen Lúcia será alvo de um pesado jogo de pressões, numa batalha que ocorrerá por trás das cortinas do Supremo Tribunal Federal; próxima a votar, ela decidirá se 11 réus que tiveram pelo menos quatro votos na primeira fase do julgamento terão direito aos embargos infringentes; decisão pode beneficiar réus como José Dirceu, José Genoino (PT-SP), João Paulo Cunha (PT-SP) e Delúbio Soares; presidente da corte, Joaquim Barbosa, encerrou prematuramente a sessão e quer apitar o fim da partida, que vem perdendo por 4 a 2; como Ricardo Lewandowski já se manifestou a favor dos embargos, réus têm cinco votos e precisam apenas de mais um; só serão derrotados se todos os ministros que ainda não votaram, Carmen Lúcia, Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello e Celso de Mello (que também defendeu os embargos), acompanharem a acusação.

http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/114659/Press%C3%A3o-total-nos-ombros-da-ministra-Carmen-L%C3%BAcia.htm

Com 4 X 2 pró-réus, Barbosa suspende sessão no STF – Sem explicações, Joaquim Barbosa suspende sessão do STF que julgava embargos infringentes dos réus; placar ficou em 4 X 2, após voto favorável aos réus do ministro Dias Toffoli; antes, Luiz Fux acompanhara Barbosa; Teori Zavascki, Rosa Webber e, inicialmente, Luís Roberto Barroso votaram a favor dos embargos; adiamento deixa resultado em aberto.

http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/114533/Com-4-X-2-pr%C3%B3-r%C3%A9us-Barbosa-suspende-sess%C3%A3o-no-STF.htm

Piada de mau gosto: Reinaldo diz que STF vive seu 11 de setembro – Blogueiro de Veja.com, que ainda tenta convencer ministros do STF a atropelar o direito de defesa e as garantias constitucionais, compara a vitória parcial dos embargos infringentes à destruição das torres gêmeas, que deixou quase três mil mortos em Nova York; colunista se desespera ao prever que sua teoria, provavelmente, não será acolhida pela suprema corte.

http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/114655/Piada-de-mau-gosto-Reinaldo-diz-que-STF-vive-seu-11-de-setembro.htm

Veja a versão de hoje e as anteriores do “Trabalhando com Poesia”, no nosso blog “Espaço de Sobrevivência”. Nele você pode acessar links dos principais sites institucionais e de informações para seu uso. Visite, comente, indique:

https://oipa2.wordpress.com/2013/09/12/trabalhando-com-poesia-506/

Abraços nos amigos beijos nas amigas e nos filhos, com os desejos de muito axé, energias positivas e que a vida e a paz possam sempre reinar em nossos corações e na nossa rotina. Uma quinta-feira abençoada por Deus e coberta de paz e protegida pelo Caçador de uma flecha só. Okearô Odé!!

Apio Vinagre Nascimento
e-mail 2: oipa@uol.com.br
e-mail 3: apioptlf@yahoo.com.br
msn: oipa2@hotmail.com
Blog: https://oipa2.wordpress.com
Twitter: http://www.twitter.com/a_vinagre
Facebook: http://www.facebook.com/apio.vinagre
Flickr: http://www.flickr.com/photos/a_vinagre
Orkut: http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=9196573284471271823
Skype: a_vinagre1
Youtube: http://www.youtube.com/user/sobreviventeapio
Fones: (71) 8814-5332 / 9154-0168 / 9982-7223 / 8251-9282

Ao longe, ao luar – Fernando Pessoa

Ao longe, ao luar,
No rio uma vela,
Serena a passar,
Que é que me revela ?
Não sei, mas meu ser
Tornou-se-me estranho,
E eu sonho sem ver
Os sonhos que tenho.
Que angústia me enlaça ?
Que amor não se explica ?
É a vela que passa
Na noite que fica.

Autopsicografia – Fernando Pessoa

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas da roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama o coração.

Fácil e Difícil – Fernando Pessoa

“É fácil trocar as palavras,
Difícil é interpretar os silêncios!
É fácil caminhar lado a lado,
Difícil é saber como se encontrar!
É fácil beijar o rosto,
Difícil é chegar ao coração!
É fácil apertar as mãos,
Difícil é reter o calor!
É fácil sentir o amor,
Difícil é conter sua torrente!

Como é por dentro outra pessoa?
Quem é que o saberá sonhar?
A alma de outrem é outro universo
Com que não há comunicação possível,
Com que não há verdadeiro entendimento.

Nada sabemos da alma
Senão da nossa;
As dos outros são olhares,
São gestos, são palavras,
Com a suposição
De qualquer semelhança no fundo.”

Anúncios
Esse post foi publicado em Livros e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s