Trabalhando com Poesia

“… Oh Lord, oh Lord, oh Lord, oh Lord… Lord, Lord, Lord, Lord, Oh Lord, oh Lord, oh Lord, oh Lord… Lord, Lord, Lord, Lord… Em algum lugar, pra relaxar, eu vou pedir pros anjos cantarem por mim… Pra quem tem fé, a vida nunca tem fim, não tem fim… É… Se você não aceita o conselho, te respeito, resolveu seguir, ir atrás, cara e coragem… Só que você sai em desvantagem se você não tem fé, se você não tem fé… Te mostro um trecho, uma passagem de um livro antigo, pra te provar e mostrar que a vida é linda, dura, sofrida, carente em qualquer continente, mas boa de se viver em qualquer lugar… É… Volte a brilhar, volte a brilhar… Um vinho, um pão e uma reza, uma lua e um sol, sua vida, portas abertas… Em algum lugar, pra relaxar, eu vou pedir pros anjos cantarem por mim… Pra quem tem fé, a vida nunca tem fim, não tem fim… Em algum lugar, pra relaxar, eu vou pedir pros anjos cantarem por mim… Pra quem tem fé a vida nunca tem fim… Oh Lord, oh Lord, oh Lord, oh Lord… Lord, Lord, Lord, Lord, Oh Lord, oh Lord, oh Lord, oh Lord… Lord, Lord, Lord, Lord… Te mostro um trecho, uma passagem de um livro antigo, pra te provar e mostrar que a vida é linda, dura, sofrida, carente em qualquer continente, mas boa de se viver em qualquer lugar… Podem até gritar, gritar, podem até barulho então fazer, ninguém vai te escutar se não tem fé, ninguém mais vai te ver… Inclinar seu olhar sobre nós e cuidar, inclinar seu olhar sobre nós e cuidar… Inclinar seu olhar sobre nós e cuidar… Inclinar seu olhar sobre nós e cuidar… Pra você pode ser… Em algum lugar, pra relaxar, eu vou pedir pros anjos cantarem por mim, pra quem tem fé a vida nunca tem fim… Pra você pode ser, pode ser, pra você pode ser… Nunca tem fim… Nunca tem fim… Nunca tem fim… Oh Lord, oh Lord, oh Lord, oh Lord… Em algum lugar, pra relaxar… Eu vou pedir pros anjos cantarem por mim… Pra quem tem fé, a vida nunca tem fim… Em algum lugar, pra relaxar… Eu vou pedir pros anjos cantarem por mim… Pra quem tem fé, a vida nunca tem fim… A fé na vitória tem que ser inabalável, pra você pode ser, pra você pode ser, pra você pode ser… Em algum lugar, pra relaxar… Eu vou pedir pros anjos cantarem por mim… Pra quem tem fé, a vida nunca tem fim” (O Rappa – Anjos (Pra quem tem fé) – Comp.: Marcelo Falcão)

“… Enquanto a voz amena fala de equilíbrio, um rosto é só um rosto e quem está falando parece uma questão divina… E a tv tira a atenção, na hora do culto hardcore… Pois a miséria é um insulto, motiva a fé, motiva a fé, motiva a fé do mundo… E o defunto não deve enjeitar a cova, humilde, desumano, não vou duvidar do passado… Como se já não existissem velas para acender, mas que diferença faz se nossas mães não choram mais? não choram mais… E de meu pai não vejo sorriso, se o velhos não podem Criar suas rugas… O novo já nasce velho… O novo já nasce velho… O novo já nasce velho… O novo já nasce velho… O novo já nasce velho… Enquanto a voz amena fala de equilíbrio, um rosto é só um rosto e quem está falando parece uma questão divina… E a tv tira a atenção, na hora do culto hardcore… Pois a miséria é um insulto, motiva a fé, motiva a fé, motiva a fé do mundo… E o defunto não deve enjeitar a cova, humilde, desumano, não vou duvidar do passado… Como se já não existissem velas para acender, mas que diferença faz se nossas mães não choram mais? não choram mais… E de meu pai não vejo sorriso, se o velhos não podem Criar suas rugas… O novo já nasce velho… O novo já nasce velho… O novo já nasce velho… O novo já nasce velho… O novo já nasce velho… “ (O Rappa – O novo já nasce velho – Comp.: Marcelo Falcão, Marcelo Lobato, Marcelo Yukka)

“… Pra enxergar o infinito, debaixo dos meus pés, não basta olhar de cima e buscar no escuro, no obscuro a sombra que me segue todo dia… Deixo quieto e seguro as páginas dos sonhos que não li e outra vez não me impeço de dormir… Os jornais não informam mais e as imagens nunca são tão claras como a vida. Vou aliviar a dor e não perder as crianças de vista… Não perca as crianças de vista… Não perca as crianças de vista… Não perca as crianças de vista… Família, um sonho ter uma família… Família, um sonho de todo dia… Família é quem você escolhe pra viver… Família é quem você escolhe pra você… Não precisa ter conta sanguínea, é preciso ter sempre um pouco mais de sintonia… Pra enxergar o infinito, debaixo dos meus pés, não basta olhar de cima e buscar no escuro, no obscuro a sombra que me segue todo dia… Deixo quieto e seguro as páginas dos sonhos que não li e outra vez não me impeço de dormir… Os jornais não informam mais e as imagens nunca são tão claras como a vida. Vou aliviar a dor e não perder as crianças de vista… Não perca as crianças de vista… Não perca as crianças de vista… Não perca as crianças de vista… Família, um sonho ter uma família… Família, um sonho de todo dia… Família é quem você escolhe pra viver… Família é quem você escolhe pra você… Não precisa ter conta sanguínea, é preciso ter sempre um pouco mais de sintonia…” (O Rappa – Não perca as crianças de vista – Comp.: O Rappa)

“Onde quer que encontre uma criança derrame sobre ela todo o seu carinho, estenda-lhe a mão para ajudá-la a crescer. Em cada criança, existe um dia novo que surge para a felicidade do mundo. Em casa, na escola, num jardim, num hospital, jamais olhe com indiferença para uma criança: facilite ao máximo a estrada que ela vai percorrer e semeie de flores o caminho que ela palmilhar.” (Minutos de Sabedoria Pg. 263)

Bom dia pessoal,

As atenções de toda a torcida tricolor hoje está voltada para a Colômbia, onde o esquadrão enfrenta o Nacional de Medelin. A partida vale pela Copa Sul Americana de futebol. O clube baiano retorna a competições internacionais, jogando no exterior após mais de duas décadas. Força ao Esquadrão. #BBMP

Na nossa sugestão de leitura de hoje artigos do Blog Correio Nagô. Vale a pena conferir:

Lá vem ele com esse papo sobre racismo! por: George Oliveira – O racismo velado é a ordem do dia. Ele está bastante presente em nosso cotidiano. Talvez você nunca tenha parado para pensar sobre um tipo de racismo bastante sutil e estas breves palavras pretendem incentivar a reflexão sobre o assunto. Pode passar despercebido a “olho nu”, mas um olhar um pouco mais apurado consegue identificá-lo nas entrelinhas e perceber a forma como é utilizado como estratégia de dominação.

http://correionago.ning.com/profiles/blogs/l-vem-ele-com-esse-papo-sobre-racismo-por-george-oliveira
Maria da Penha acumula 700 mil ações contra agressores – Números expressivos mostram acerto da lei, mas não escondem os entraves que ainda impedem sua aplicação mais efetiva e universal

Exatos sete anos após entrar em vigor, em 22 de setembro de 2006, a Lei Maria da Penha acumula perto de 700 mil procedimentos judiciais contra agressores de mulheres no Brasil, entre atendimentos, medidas de proteção e prisões, segundo levantamento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

http://correionago.ning.com/profiles/blogs/maria-da-penha-acumula-700-mil-acoes-contra-agressores

Veja a versão de hoje e as anteriores do “Trabalhando com Poesia”, no nosso blog “Espaço de Sobrevivência”. Nele você pode acessar links dos principais sites institucionais e de informações para seu uso. Visite, comente, indique:

https://oipa2.wordpress.com/2013/09/26/trabalhando-com-poesia-515/

Abraços nos amigos beijos nas amigas e nos filhos, com os desejos de muito axé, energias positivas e que a vida e a paz possam sempre reinar em nossos corações e na nossa rotina. Uma quinta-feira abençoada por Deus e coberta de paz e protegida pelo Caçador de uma flecha só. Okearô Odé!!

Apio Vinagre Nascimento
e-mail 2: oipa@uol.com.br
e-mail 3: apioptlf@yahoo.com.br
msn: oipa2@hotmail.com
Blog: https://oipa2.wordpress.com
Twitter: http://www.twitter.com/a_vinagre
Facebook: http://www.facebook.com/apio.vinagre
Flickr: http://www.flickr.com/photos/a_vinagre
Orkut: http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=9196573284471271823
Skype: a_vinagre1
Youtube: http://www.youtube.com/user/sobreviventeapio
Fones: (71) 8814-5332 / 9154-0168 / 9982-7223 / 8251-9282

Antecipação – Tude Celestino

Chegaste!oh! entra, eu te procurei tanto…
Sem bússola, sem norte, ao léu, sem endereço
Oh! Que incessante busca, quanto tropeço!
Quantas vezes sorri para esconder o pranto.
Para despir do tédio o nebuloso manto
Sonhei marmóreas ilusões que eram de gesso.
Paguei por minha tristeza um elevado preço
Nas noites que embalei em mavioso canto
Jogral apaixonado, tendo a lira ao peito,
Eu te busquei, amor. Cantando, eu ia e vinha
Jogando o coração a esmo, insatisfeito.
Sei agora o porque daquela mágoa infinda
Que me apertava o peito, é que n’alma eu já tinha
Saudades de você, sem conhecer-te ainda.

Inconseqüência – Tude Celestino

Da luz do teu olhar sereno eu preciso
Para guiar-me mansamente em meu caminho.
Quero teu colo morno para ser meu ninho
E teu corpo para ser meu paraíso.
Para suster meu passo trôpego e indeciso,
Requeiro o braço amigo e o teu carinho;
Para afastar meu tédio, ouvir o som de pinho
Em serenata que se expande em teu sorriso.
Do teu andar sutil, requisito os maneios;
Da tua boca rubra, quero o beijo quente
Para aplacar-me n’alma todos meus anseios.
Mas uma voz me diz, quebrando-me o encanto:
-Quem és tu, boêmio louco, inconseqüente,
que nada tens a dar e ousas pedir tanto?

Dentro da Noite – Tude Celestino

Varando a noite eu vi pelos cassinos
A esbórnia destruindo patrimônios
Vi anjos transformando-se em demônios
E mestres cometendo desatinos.
Vi nas vielas torcerem destinos;
Vi virgens que pediram a Santo Antônio
Um lar e o sacrossanto matrimônio
Serem pastos de vis e libertinos.
Vi a inocência ao léu sob as marquises
Morrendo ante um escol inconseqüente
E a pureza do olhar das meretrizes
Vi ante mil estrelas assombradas
Boêmios sob um céu indiferente
Sereno estuprando as madrugadas.

Boêmio II – Tude Celestino

Boêmio, eu não sei porque tão desregrado
Trocas assim teu lar pelo antro da taberna,
E a saúde destróis e tua alma tão terna
Arrastas pela rua como um desvairado.

Num poema genial, no bar improvisado,
Retratas no asfalto o homem da caverna,
E os copos se sucedem e lá por fora inverna,
E num verso profano o vinho é sublimado

E a noite avança, e enquanto o lar te espera em calma,
Na madrugada fria, com a mente em brasa,
Desvendas insensato os teus segredos d’alma

E já manhã agora, a dúvida o situa,
Entre o dever imperioso de ir pra casa
E uma vontade louca de ficar na rua.

Anúncios
Esse post foi publicado em Livros. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s