Trabalhando com Poesia

“…Plantei um sítio no sertão de Piritiba, dois pés de guataiba, caju, manga e cajá… Peguei na enxada como pega um catingueiro, fiz acero, botei fogo, “Vá ver como é que tá”… Tem abacate, jenipapo e bananeira, milho verde, macaxeira, como diz no Ceará… Cebola, coentro, andu, feijão-de-corda, vinte porco na engorda, até o gado no currá… Com muita raça fiz tudo aqui sozinho, nem um pé de passarinho veio a terra semeá… Agora veja cumpadi, a safadeza, cumeçô a marvadeza, todo bicho vem prá cá… Num planto capim-guiné pra boi abaná rabo, eu tô virado no diabo, eu tô retado cum você… Tá vendo tudo e fica aí parado, cum cara de viado que viu caxinguelê… Num planto capim-guiné pra boi abaná rabo, eu tô virado no diabo, eu tô retado cum você… Tá vendo tudo e fica aí parado, cum cara de viado que viu caxinguelê… Suçuarana só fez perversidade, pardal foi pra cidade, piruá minha saqüé, Qüé! Qüé!… Dona raposa só vive na mardade, me faça a caridade, se vire e dê no pé… Sagüi trepado no pé da goiabeira, sariguê na macaxeira, tem inté tamanduá… Minhas galinha já num fica mais parada, e o galo de madrugada tem medo de cantá… Num planto capim-guiné pra boi abaná rabo, eu tô virado no diabo, eu tô retado cum você… Tá vendo tudo e fica aí parado, cum cara de viado que viu caxinguelê… Num planto capim-guiné pra boi abaná rabo, eu tô virado no diabo, eu tô retado cum você… Tá vendo tudo e fica aí parado, cum cara de viado que viu caxinguelê… Num planto capim-guiné pra boi abaná rabo, eu tô virado no diabo, eu tô retado cum você… Tá vendo tudo e fica aí parado, cum cara de viado que viu caxinguelê…” (Raul Seixas – Capim Guiné – Comp.: Raul Seixas)

“…Eu calço é 37, meu pai me dá 36, dói, mas no dia seguinte aperto meu pé outra vez, eu aperto meu pé outra vez… Pai eu já tô crescidinho, pague prá ver, que eu aposto. Vou escolher meu sapato e andar do jeito que eu gosto, e andar do jeito que eu gosto… Por que cargas d’águas, você acha que tem o direito de afogar tudo aquilo que eu sinto em meu peito… Você só vai ter o respeito que quer, na realidade, no dia em que você souber respeitar a minha vontade… Meu pai… Meu pai… Pai já tô indo me embora, quero partir sem brigar, pois eu já escolhi meu sapato, que não vai mais me apertar, que não vai mais me apertar, que não vai mais me apertar… Por que cargas d’águas, você acha que tem o direito de afogar tudo aquilo que eu sinto em meu peito… Você só vai ter o respeito que quer, na realidade, no dia em que você souber respeitar a minha vontade… Meu pai… Meu pai… Pai já tô indo me embora, quero partir sem brigar, pois eu já escolhi meu sapato, que não vai mais me apertar, que não vai mais me apertar, que não vai mais me apertar…” (Raul Seixas – Sapato 36 – Comp.: Raul Seixas)

“…No lixo dos quintais, na mesa do café, no amor dos carnavais, na mão, no pé, oh tu estás, tu estás, no tapa e no perdão, no ódio e na oração… Teu nome é Yemanjah (Yemanjah), e é Virgem Maria. É Glória e é Cecília, na noite fria… Oh, minha mãe, minha filha tu és qualquer mulher, mulher em qualquer dia… Bastou o teu olhar (Teu olhar), pra me calar a voz, de onde está você, rogai por nós… Ooooh, Ooooh! Minha mãe, minha mãe, me ensina a segurar a barra de te amar… Não estou cantando só, cantamos todos nós, mas cada um nasceu, com a sua voz,… Ooooh, Ooooh! Pra dizer, pra falar, de forma diferente, o que todo mundo sente… Segure a minha mão, quando ela fraquejar, e não deixe a solidão, me assustar… Ooooh, Ooooh! Minha mãe, nossa mãe, e mata minha fome, nas letras do teu nome… Ooooh, Ooooh! Minha mãe, nossa mãe, e mata minha fome, nas letras do teu nome… Ooooh, Ooooh! Minha mãe, nossa mãe, e mata minha fome, na glória do teu nome…” (Raul Seixas – Ave Maria da Rua – Comp.: Paulo Coelho e Raul Seixas)

Confira outros sucessos de Raul Seixas:

“Aprenda a repousar sua mente. A mente cansada não pode pensar direito. Repouse a mente, fazendo o exercício da Higiene Mental, para conquistar cada vez maior energia e vigor. O cérebro cansado turva o pensamento, E o pensamento é a maior força criadora que existe sobre a terra. Repouse o cérebro, para pensar com acerto e alegria.” (Minutos de Sabedoria Pg. 011)

Bom dia pessoal,

Mais um final de semana chegando e com ele a nossa expectativa de momentos de tranquilidade e de paz.

Nas nossas sugestões de leitura de hoje, dois textos do site Brasil 247. Vale a pena conferir:

Janot: Jefferson deve ser mandado a presídio – O parecer do procurador-geral da República Rodrigo Janot foi enviado ao STF após a Vara de Execuções Penais do Rio informar ao Supremo que o sistema carcerário do Estado pode cumprir as recomendações médicas sugeridas pela junta médica do Instituto Nacional do Câncer a Jefferson; médicos concluíram que o estado de saúde de Jefferson não indica necessidade de cumprimento da pena em casa ou no hospital; Barbosa, que afirmou nesta quinta (19), que só não prendeu o ex-deputado por “absoluta falta de tempo”, ouvirá Janot e determinará a prisão?

http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/124601/Janot-Jefferson-deve-ser-mandado-a-pres%C3%ADdio.htm

Rosa passa para Mello caso Alstom-Siemens-PSDB/SP – Ministra Rosa Weber abre mão de decidir se Supremo Tribunal Federal deve ou não acatar denúncia de formação de cartel, quadrilha e corrupção ativa e passiva no escândalo Alstom-Siemens, ocorrido em São Paulo; estilhaços do caso acertam cúpula dos tucanos paulistas; secretários do governo Geraldo Alckmin, JEdson Aparecido (Casa Civil) e José Aníbal (Energia) são acusados formalmente, pelo Ministério Público, de terem recebido propinas; processo passou às mãos do ministro Marco Aurélio Mello, que já julgou recurso relacionado o caso; decisão dele vai apontar se políticos do PSDB paulista se tornarão réus no STF ou não

http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/124555/Rosa-passa-para-Mello-caso-Alstom-Siemens-PSDBSP.htm

Contra Campos, Lula vai morar em Pernambuco – Pernambuco deverá ter a primazia da atenção do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante o pleito de 2014; de acordo com o Blog do Camarotti, Lula teria afirmado que deverá “viver” em Pernambuco nos próximos meses; “No próximo ano, vou morar em Pernambuco, e só vou sair depois que ganhar a eleição”, teria dito o petista; Pernambuco é considerado como o reduto eleitoral do governador Pernambucano Eduardo Campos (PSB), que deverá se candidatar à Presidência nas próximas eleições enfrentando a presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição

http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247/124592/Contra-Campos-Lula-vai-morar-em-Pernambuco.htm

Veja a versão de hoje e as anteriores do “Trabalhando com Poesia”, no nosso blog “Espaço de Sobrevivência”. Nele você pode acessar links dos principais sites institucionais e de informações para seu uso. Visite, comente, indique:

https://oipa2.wordpress.com/2013/12/20/trabalhando-com-poesia-549

Abraços nos amigos beijos nas amigas e nos filhos, com os desejos de muito axé, energias positivas e que a vida e a paz possam sempre reinar em nossos corações e na nossa rotina. Uma sexta-feira abençoada por Deus e coberta pela paz do Alá de Oxalá! Bom final de semana e até segunda feira.

Apio Vinagre Nascimento
e-mail 2: oipa@uol.com.br
e-mail 3: apioptlf@yahoo.com.br
msn: oipa2@hotmail.com
Blog: https://oipa2.wordpress.com
Twitter: http://www.twitter.com/a_vinagre
Facebook: http://www.facebook.com/apio.vinagre
Flickr: http://www.flickr.com/photos/a_vinagre
Orkut: http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=9196573284471271823
Skype: a_vinagre1
Youtube: http://www.youtube.com/user/sobreviventeapio
Fones: (71) 8814-5332 / 9154-0168 / 9982-7223 / 8251-9282

Fábula de um Arquiteto – João Cabral de Melo Neto

A arquitetura como construir portas,
de abrir; ou como construir o aberto;
construir, não como ilhar e prender,
nem construir como fechar secretos;
construir portas abertas, em portas;
casas exclusivamente portas e tecto.
O arquiteto: o que abre para o homem
(tudo se sanearia desde casas abertas)
portas por-onde, jamais portas-contra;
por onde, livres: ar luz razão certa.
Até que, tantos livres o amedrontando,
renegou dar a viver no claro e aberto.
Onde vãos de abrir, ele foi amurando
opacos de fechar; onde vidro, concreto;
até fechar o homem: na capela útero,
com confortos de matriz, outra vez feto

Volta a Pernambuco – João Cabral de Melo Neto

Contemplando a maré baixa
nos mangues do Tijipió
lembro a baía de Dublin
que daqui já me lembrou.
Em meio à bacia negra
desta maré quando em cio,
eis a Albufera, Valência,
onde o Recife me surgiu.
As janelas do cais da Aurora,
olhos compridos, vadios,
incansáveis, como em Chelsea,
vêem rio substituir rio.
E essas várzeas de Tiuma
com seus estendais de cana
vêm devolver-me os trigais
de Guadalajara, Espanha.
Mas as lajes da cidade
não em devolvem só uma,
nem foi uma só cidade
que me lembrou destas ruas.
As cidades se parecem
nas pedras do calçamento
das ruas artérias regando
faces de vário cimento,
Por onde iguais procissões
do trabalho, sem andor,
vão levar o seu produto
aos mercados do suor.
Todas lembravam o Recife,
este em todas se situa,
em todas em que é um crime
para o povo estar na rua,
Em todas em que esse crime,
traço comum que surpreendo,
pôs nódoas de vida humana
nas pedras do pavimento.
(Paisagens com figuras, 1954/1955)

Anúncios
Esse post foi publicado em Livros e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s