Trabalhando com Poesia

“… Não, negligência não, se for apanhar meu violão, cuide dele com carinho, toque nas cordas macio e tente cantar samba… Sei que o início até pode ser difícil, mas fazendo um sacrifício, será bem recompensado… Pois o samba marca como um giz, é eterno porque é raiz… Pois o samba marca como um giz, é eterno porque é raiz… Não quero dizer que viver é só sambar, mas sambar é viver, é saber se encontrar, só o samba faz a tristeza se acabar, só o samba é capaz desse povo alegrar… Ser sambista é ver com olhos do coração, ser sambista é crer que existe uma solução, é a certeza de ter escolhido o que convém, é se engrandecer e sem menosprezar ninguém… Aconselho a você que seja sambista também… Aconselho a você que seja sambista também… Aconselho a você que seja sambista também… Ser sambista é ver com olhos do coração, ser sambista é crer que existe uma solução, é a certeza de ter escolhido o que convém, é se engrandecer e sem menosprezar ninguém… Aconselho a você que seja sambista também… Aconselho a você que seja sambista também… Aconselho a você que seja sambista também…” (Fundo de Quintal – Seja sambista também – Comp.: Sombrinha / Arlindo Cruz)

“… Como é gostoso cair no samba, no samba, você também pode ir pro samba, sambar… Bom é na palma da mão na roda de samba, venha comigo sambar… Como é gostoso cair no samba, no samba, você também pode ir pro samba, sambar… Bom é na palma da mão na roda de samba, venha comigo sambar… A lua ilumina o terreiro, convidando o partideiro pra cantar a noite inteira, pagodeando até o sol raiar… Ao som do cavaquinho, violão, do repique do tantã, do banjo e do pandeiro, no samba hoje eu vou me acabar… Beber uma cerveja bem gelada, dar aquela paquerada, junto com a rapaziada, na loira, na pretinha, na morena, na gracinha no design da bundinha da mulata… Pode até chover e relampejar, hoje eu vou pagodear, hoje eu vou pagodear, hoje eu vou pagodear… Beber uma cerveja bem gelada, dar aquela paquerada, junto com a rapaziada, na loira, na pretinha, na morena, na gracinha no design da bundinha da mulata… Pode até chover e relampejar, hoje eu vou pagodear, hoje eu vou pagodear, hoje eu vou pagodear… Como é gostoso cair no samba, no samba, você também pode ir pro samba, sambar… Bom é na palma da mão na roda de samba, venha comigo sambar… Como é gostoso cair no samba, no samba, você também pode ir pro samba, sambar… Bom é na palma da mão na roda de samba, venha comigo sambar… A lua ilumina o terreiro, convidando o partideiro pra cantar a noite inteira, pagodeando até o sol raiar… Ao som do cavaquinho, violão, do repique do tantã, do banjo e do pandeiro, no samba hoje eu vou me acabar… Beber uma cerveja bem gelada, dar aquela paquerada, junto com a rapaziada, na loira, na pretinha, na morena, na gracinha no design da bundinha da mulata… Pode até chover e relampejar, hoje eu vou pagodear, hoje eu vou pagodear, hoje eu vou pagodear… Beber uma cerveja bem gelada, dar aquela paquerada, junto com a rapaziada, na loira, na pretinha, na morena, na gracinha no design da bundinha da mulata… Pode até chover e relampejar, hoje eu vou pagodear, hoje eu vou pagodear, hoje eu vou pagodear… Como é gostoso cair no samba, no samba, você também pode ir pro samba, sambar… Bom é na palma da mão na roda de samba, venha comigo sambar… Como é gostoso cair no samba, no samba, você também pode ir pro samba, sambar… Bom é na palma da mão na roda de samba, venha comigo sambar… Abra a roda que o pagode agora vai ferver, se você me escutar não vai se arrepender. Vem sambar o miudinho que você vai ver, que o samba tem feitiço faz enlouquecer… Abra a roda que o pagode agora vai ferver, se você me escutar não vai se arrepender. Vem sambar o miudinho que você vai ver, que o samba tem feitiço faz enlouquecer… Abra a roda que o pagode agora vai ferver, se você me escutar não vai se arrepender. Vem sambar o miudinho que você vai ver, que o samba tem feitiço faz enlouquecer… Abra a roda que o pagode agora vai ferver, se você me escutar não vai se arrepender. Vem sambar o miudinho que você vai ver, que o samba tem feitiço faz enlouquecer…” (Fundo de quintal – Hoje eu vou pagodear – Comp.: Flavinho Silva)

“… Você já não quer mais amar, seu rumo tá sem direção, se encontra perdido no cais, querendo encontrar solução… Amigo não vá se entregar, eu sei tá ruim de aguentar, mas Deus está aqui para ajudar, não deixa esse barco afundar… Êta vida, êta vida de cão. A gente ri, a gente chora, a gente abre o coração… Êta vida, êta vida de cão… A gente tem mais que lutar, seguir a nossa diretriz, sonhar e tentar ser feliz, viver pra cantar e sorrir… É hora de a gente assumir, é hora de darmos as mãos, do negro ao branco se unir, gritando numa só razão… Êta vida, êta vida de cão. A gente ri, a gente chora, a gente abre o coração… Êta vida, êta vida de cão… Você já não quer mais amar, seu rumo tá sem direção, se encontra perdido no cais, querendo encontrar solução… Amigo não vá se entregar, eu sei tá ruim de aguentar, mas Deus está aqui para ajudar, não deixa esse barco afundar… Êta vida, êta vida de cão. A gente ri, a gente chora, a gente abre o coração… Êta vida, êta vida de cão… A gente tem mais que lutar, seguir a nossa diretriz, sonhar e tentar ser feliz, viver pra cantar e sorrir… É hora de a gente assumir, é hora de darmos as mãos, do negro ao branco se unir, gritando numa só razão… Êta vida, êta vida de cão. A gente ri, a gente chora, a gente abre o coração… Êta vida, êta vida de cão… Êta vida, êta vida de cão. A gente ri, a gente chora, a gente abre o coração… Êta vida, êta vida de cão… Êta vida, êta vida de cão. A gente ri, a gente chora, a gente abre o coração… Êta vida, êta vida de cão…” (Fundo de Quintal – Nosso grito – Comp.: Riquinho / Sereno)

“… Se você é de rodar, ou se é de bater tambor, faça o favor, tome um banho de abô… Um banho de cachoeira, um banho de cachoeira vai levantar, acaba qualquer canseira… Banho de mar é bom pra descarregar, mas por favor tome um banho de abô… Se você é de rodar, ou se é de bater tambor, faça o favor, tome um banho de abô… Vovó Maria me ensinou, eu aprendi a preparar um banho de rosas brancas pra clarear… Vovó Maria me ensinou que é muito bom, muito legal, tomar um banho de ervas, tomar um banho de sal… Uns tomam banho de lua, uns tomam banho de sol, uns tomam banho de chuva lá no quintal… Mas pra se ter a certeza que um banho só traz axé, seja banho de cheiro, banho de arruda, banho de guiné… É pois é, o mais importante é a fé… É pois é, o mais importante é a fé… É pois é, o mais importante é a fé… Se você na quarta-feira vai lá na pedreira do meu pai Xangô, faça o favor, tome um banho de abô… Se você é de Angola, é de Keto ou de Nagô, faça o favor, tome um banho de abô… Tome um banho de abô… Tome um banho de abô… Tome um banho de abô… Tome um banho de abô…” (Fundo de quintal – Banho de Fé – Comp.: Arlindo Cruz / Sereno / Sombrinha)

“Cada um recebe de acordo com o que dá. Se você der ódios e indiferença, há de recebê-los de volta. Mas se der atenção e carinho, há de ver-se cercado de afeto e amor. Ninguém se, aproxima do espinheiro, por causa dos espinhos, nem do lodo, porque suja. Mas todos apreciam permanecer perto das flores, que espalham beleza e perfume. Cada um recebe de acordo com o que dá.” (Minutos de Sabedoria Pg. 054)

Bom dia pessoal,

A edição de ontem do Diário Oficial do Município traz mais uma convocação de um Processo Seletivo Simplificado realizado pela Prefeitura do Município de Lauro de Freitas e, nesta publicação um aspecto chama a atenção pela sua condição originalíssima: Nesta publicação A Secretaria Municipal de Educação de Lauro de Freitas divulgou a 10ª lista de convocados para assumirem o cargo de professores da rede municipal de educação. O fato curioso é que dois dos convocados obtiveram notas zero no processo seletivo. Mais do que isso, a relação completa dos convocados (as) tem notas que variam entre zero e 1,5.

Aparentemente, a secretária de educação do município, que é oftalmologista e esposa do prefeito, talvez não esteja enxergando muito bem, ou sua equipe, competentíssima realizou um fantástico exame de títulos que jogou essas notas para valores estratosféricos.

Outro aspecto a se questionar é a legalidade deste processo. Afinal de contas, quantas vagas são irreais neste sistema municipal de educação? A citada seleção simplificada que preencheria 50 vagas, já vai na 419ª convocada e, enquanto isso, habilitados no Concurso de 2012 seguem na espera das vagas, que lhes são usurpadas, seja por contratações de REDA seja por enquadramentos capitaneados pela entidade de classe, que se cumpre seu papel de luta nessa questão, a deforma ao servir de mecanismo de divulgação de chamadas de REDA, como se essa fosse a sua luta.

http://laurodefreitas.ba.io.org.br/arquivos_clientes/edicoes/2014_02_2460004611.pdf

E começa hoje a mais bela festa popular do planeta. O carnaval de Salvador se inicia hoje a noite com o Circuito Sergio Bezerra de Carnaval Acústico. Também os preparativos finais para mais uma edição do Projeto Eco Folia Solidária – O Trabalho Decente preserva o meio ambiente, proposto pelo Complexo Cooperativo de Catadores e apoiado pelo Governo do Estado da Bahia.

Voltando ao Carnaval baiano, ver os 40 anos dos blocos afro de Salvador, nos remete a uma discussão antiga posta sempre em pauta pelos nossas agremiações, que é o espaço dado, nos circuitos do carnaval para a expressão da nossa gente. Que efetivamente a celebração dos 40 anos de Ylê, os 65 anos do Gandhi, entre outras celebrações sirvam como eixo de uma mudança conceitual no carnaval da Bahia. Que na terra com mais negros fora de África, a sua representação cultural tenha o espaço proporcional a sua importância no cenário cultural do estado e do país. Asé!!

Em nossa sugestão de leitura para o “Trabalhando com Poesia” de hoje textos do site Correio do Brasil. Vale a pena conferir:

Dilma estranha contestação da UE a incentivos para indústria brasileira – A presidenta Dilma Rousseff disse, nesta segunda-feira, que o governo brasileiro estranhou a contestação da União Europeia (UE) junto à Organização Mundial do Comércio (OMC) sobre a Zona Franca de Manaus e o programa Inovar-Auto. – Nós estranhamos a contestação pela Europa na OMC, mesmo sabendo que é simplesmente consulta prévia, de programas que são essenciais para o desenvolvimento sustentável da economia brasileira. Eu me refiro a dois programas: Inovar-Auto e ao programa de desenvolvimento sustentável da zona franca de Manaus – disse Dilma durante a 7ª Cúpula Brasil-UE, em Bruxelas.

http://correiodobrasil.com.br/ultimas/dilma-estranha-contestacao-da-ue-a-incentivos-para-industria-brasileira/687427/?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=b20140225

Boa hora para Dilma colocar em debate a democratização da mídia – Não se deseja uma imprensa ‘chapa branca’, mas é hora de rever a hegemonia da expressão de um pensamento único representando a minoria do poder econômico. Na semana passada, três pesquisas nacionais de intenção de voto para presidente da República nas eleições de 2014 foram publicadas. Com pequena variação nos números, todas apontam uma vitória com folga de Dilma Rousseff em primeiro turno.

http://correiodobrasil.com.br/noticias/opiniao/boa-hora-para-dilma-colocar-em-debate-a-democratizacao-da-midia/687470/?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=b20140225

CPI irá debater trabalho infantil no Carnaval na Bahia – A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que apura a exploração do trabalho infantil no Brasil, realizou nesta segunda-feira, uma audiência pública na Assembleia Legislativa da Bahia. Esta é a segunda de três audiência que a CPI realiza no período que antecede o Carnaval nas três principais capitais que comemoram o evento. A primeira foi em Recife (PE) e a próxima será no Rio de Janeiro, nesta terça-feira. Relatora da CPI, a deputada federal Luciana Santos (PCdoB-PE) diz que o objetivo da audiência é ouvir as autoridades e os responsáveis pelas festividades de Carnaval quanto às medidas de combate ao trabalho infantil e de proteção do trabalho do adolescente.

http://correiodobrasil.com.br/noticias/brasil/cpi-ira-debater-trabalho-infantil-no-carnaval-na-bahia/687432/?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=b20140225

Nível do Rio Madeira atinge a marca de 18,5 metros – O nível do Rio Madeira, que corta Porto Velho, em Rondônia, atingiu a marca dos 18,46 metros nesta segunda-feira, de acordo com a Defesa Civil da capital. São 26 centímetros a mais que o registrado no final de semana. Segundo levantamento do Corpo de Bombeiros do Estado, mais de 400 famílias perderam suas casas e mil estão abrigadas em escolas e templos religiosos. Um desses abrigos é a Paróquia São João Bosco, no centro de Porto Velho, onde o Padre Miguel Fernandes organiza o recebimento de donativos. “Estamos recebendo alimentos não perecíveis, roupas, até móveis, porque muitas pessoas perderam tudo. Então, tudo é bem-vindo.”

http://correiodobrasil.com.br/noticias/brasil/nivel-do-rio-madeira-atinge-a-marca-de-185-metros/687400/?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=b20140225

Veja a versão de hoje e as anteriores do “Trabalhando com Poesia”, no nosso blog “Espaço de Sobrevivência”. Nele você pode acessar links dos principais sites institucionais e de informações para seu uso. Visite, comente, indique:

https://oipa2.wordpress.com/2014/02/26/trabalhando-com-poesia-590

Abraços nos amigos beijos nas amigas e nos filhos, com os desejos de muito axé, energias positivas e que a vida e a paz possam sempre reinar em nossos corações e na nossa rotina. Uma quarta-feira abençoada por Deus e repleta da força da rainha dos ventos e trovões. Eparrey Oyá.

Apio Vinagre Nascimento
e-mail 1: apio.nascimento@sedesba.ba.gov.br
e-mail 2: oipa@uol.com.br
e-mail 3: apioptlf@yahoo.com.br
msn: oipa2@hotmail.com
Blog: https://oipa2.wordpress.com
Twitter: http://www.twitter.com/a_vinagre
Facebook: http://www.facebook.com/apio.vinagre
Flickr: http://www.flickr.com/photos/a_vinagre
Orkut: http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=9196573284471271823
Skype: a_vinagre1
Youtube: http://www.youtube.com/user/sobreviventeapio
Fones: (71) 8814-5332 / 9154-0168 / 9982-7223 / 8251-9282

Amar – Drummond de Andrade

Que pode uma criatura senão,
entre criaturas, amar?
amar e esquecer,
amar e malamar,
amar, desamar, amar?
sempre, e até de olhos vidrados, amar?
Que pode, pergunto, o ser amoroso,
sozinho, em rotação universal, senão
rodar também, e amar?
amar o que o mar traz à praia,
e o que ele sepulta, e o que, na brisa marinha,
é sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia?
Amar solenemente as palmas do deserto,
o que é entrega ou adoração expectante,
e amar o inóspito, o áspero,
um vaso sem flor, um chão de ferro,
e o peito inerte, e a rua vista em sonho, e uma ave de rapina.
Este o nosso destino: amor sem conta,
distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas,
doação ilimitada a uma completa ingratidão,
e na concha vazia do amor a procura medrosa,
paciente, de mais e mais amor.
Amar a nossa falta mesma de amor, e na secura nossa
amar a água implícita, e o beijo tácito, e a sede infinita.

A Máquina do Mundo – Carlos Drummond de Andrade

E como eu palmilhasse vagamente
uma estrada de Minas, pedregosa,
e no fecho da tarde um sino rouco
se misturasse ao som de meus sapatos
que era pausado e seco; e aves pairassem
no céu de chumbo, e suas formas pretas
lentamente se fossem diluindo
na escuridão maior, vinda dos montes
e de meu próprio ser desenganado,
a máquina do mundo se entreabriu
para quem de a romper já se esquivava
e só de o ter pensado se carpia.
Abriu-se majestosa e circunspecta,
sem emitir um som que fosse impuro
nem um clarão maior que o tolerável
pelas pupilas gastas na inspeção
contínua e dolorosa do deserto,
e pela mente exausta de mentar
toda uma realidade que transcende
a própria imagem sua debuxada
no rosto do mistério, nos abismos.
Abriu-se em calma pura, e convidando
quantos sentidos e intuições restavam
a quem de os ter usado os já perdera
e nem desejaria recobrá-los,
se em vão e para sempre repetimos
os mesmos sem roteiro tristes périplos,
convidando-os a todos, em coorte,
a se aplicarem sobre o pasto inédito
da natureza mítica das coisas,
assim me disse, embora voz alguma
ou sopro ou eco o simples percussão
atestasse que alguém, sobre a montanha,
a outro alguém, noturno e miserável,
em colóquio se estava dirigindo:
“O que procuraste em ti ou fora de
teu ser restrito e nunca se mostrou,
mesmo afetando dar-se ou se rendendo,
e a cada instante mais se retraindo,
olha, repara, ausculta: essa riqueza
sobrante a toda pérola, essa ciência
sublime e formidável, mas hermética,
essa total explicação da vida,
esse nexo primeiro e singular,
que nem concebes mais, pois tão esquivo
se revelou ante a pesquisa ardente
em que te consumiste… vê, contempla,
abre teu peito para agasalhá-lo.”
As mais soberbas pontes e edifícios,
o que nas oficinas se elabora,
o que pensado foi e logo atinge
distância superior ao pensamento,
os recursos da terra dominados,
e as paixões e os impulsos e os tormentos
e tudo que define o ser terrestre
ou se prolonga até nos animais
e chega às plantas para se embeber
no sono rancoroso dos minérios,
dá volta ao mundo e torna a se engolfar
na estranha ordem geométrica de tudo,
e o absurdo original e seus enigmas,
suas verdades altas mais que tantos
monumentos erguidos à verdade;
e a memória dos deuses, e o solene
sentimento de morte, que floresce
no caule da existência mais gloriosa,
tudo se apresentou nesse relance
e me chamou para seu reino augusto,
afinal submetido à vista humana.
Mas, como eu relutasse em responder
a tal apelo assim maravilhoso,
pois a fé se abrandara, e mesmo o anseio,
a esperança mais mínima — esse anelo
de ver desvanecida a treva espessa
que entre os raios do sol inda se filtra;
como defuntas crenças convocadas
presto e fremente não se produzissem
a de novo tingir a neutra face
que vou pelos caminhos demonstrando,
e como se outro ser, não mais aquele
habitante de mim há tantos anos,
passasse a comandar minha vontade
que, já de si volúvel, se cerrava
semelhante a essas flores reticentes
em si mesmas abertas e fechadas;
como se um dom tardio já não fora
apetecível, antes despiciendo,
baixei os olhos, incurioso, lasso,
desdenhando colher a coisa oferta
que se abria gratuita a meu engenho.
A treva mais estrita já pousara
sobre a estrada de Minas, pedregosa,
e a máquina do mundo, repelida,
se foi miudamente recompondo,
enquanto eu, avaliando o que perdera,
seguia vagaroso, de mão pensas.

Quadrilha – Carlos Drummond de Andrade

João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para o Estados Unidos, Teresa para o
convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto
Fernandes
que não tinha entrado na história.

Anúncios
Esse post foi publicado em Livros e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s