Trabalhando com Poesia

“… Depois de ter você, para que querer saber que horas são? Se é noite ou faz calor, se estamos no verão, se o sol virá ou não, ou pra que é que serve uma canção como essa?… Depois de ter você, poetas para quê? Os deuses, as dúvidas, para que amendoeiras pelas ruas?… Para que servem as ruas? Depois de ter você… Depois de ter você, para que querer saber que horas são? Se é noite ou faz calor, se estamos no verão, se o sol virá ou não, ou pra que é que serve uma canção como essa?… Depois de ter você, poetas para quê? Os deuses, as dúvidas, para que amendoeiras pelas ruas?… Para que servem as ruas? Depois de ter você…” (Adriana Calcanhotto – Depois de ter você – Comp.: Adriana Calcanhotto)

“… Aconteceu quando a gente não esperava, aconteceu sem um sino pra tocar, aconteceu diferente das histórias, que os romances e a memória têm costume de contar… Aconteceu sem que o chão tivesse estrelas, aconteceu sem um raio de luar, o nosso amor foi chegando de mansinho, se espalhou devagarinho, foi ficando até ficar… Aconteceu sem que o mundo agradecesse, sem que rosas florescessem, sem um canto de louvor… Aconteceu sem que houvesse nenhum drama, só o tempo fez a cama, como em todo grande amor… Aconteceu quando a gente não esperava, aconteceu sem um sino pra tocar, aconteceu diferente das histórias, que os romances e a memória têm costume de contar… Aconteceu sem que o chão tivesse estrelas, aconteceu sem um raio de luar, o nosso amor foi chegando de mansinho, se espalhou devagarinho, foi ficando até ficar… Aconteceu sem que o mundo agradecesse, sem que rosas florescessem, sem um canto de louvor… Aconteceu sem que houvesse nenhum drama, só o tempo fez a cama, como em todo grande amor…” (Adriana Calcanhotto – Aconteceu – Comp.: Adriana Calcanhotto/ Péricles Cavalcanti)

“… Meu bem qualquer instante que eu fico sem te ver, aumenta a saudade que eu sinto de você… Então eu corro demais, sofro demais, corro demais, só pra te ver meu bem… E você ainda me pede para não correr assim, meu bem eu não suporto mais você longe de mim… Por isso eu corro demais, sofro demais, corro demais, só pra te ver meu bem… Se você está ao meu lado eu só ando devagar, esqueço até de tudo, não vejo o tempo passar, mas se chega a hora de pra casa te levar, corro pra depressa outro dia ver chegar… Então eu corro demais, sofro demais, corro demais, só pra te ver meu bem… Se você vivesse sempre ao meu lado, eu não teria motivo pra correr e devagar eu andaria, eu não corria demais, agora corro demais, corro demais, só pra te ver meu bem… Então eu corro demais, sofro demais, corro demais, só pra te ver meu bem…” (Adriana Calcanhotto – Por isso eu corro demais – Comp.: Roberto Carlos)

“Com os nossos pensamentos e palavras, construímos o verdadeiro mundo em que vivemos. Por isso, nossa vida e nossa felicidade dependem exclusiva mente de nossos pensamentos e de nossas palavras. Vigie o momento presente, para que seu futuro seja feliz. Plante sementes de otimismo e de amor, para colher amanhã os frutos da alegria e da felicidade”. (Minutos de Sabedoria Pg. 095)

Bom dia pessoal,

No dia em que se lembra a criação do Tribunal Penal Internacional, responsável pelo julgamento de crimes de guerra, genocídios ou crimes contra a humanidade, por que será que temos a sensação de que esta medida foi inócua? Enxergarmos o que ocorre na faixa de gaza sem se indignar, sem se sentir pequeno diante de tanta atrocidade é impossível. Lutar pela liberdade palestina e de seu povo já deixou de ser uma mera questão de disputa local. É uma necessidade mundial!

Na nossa sugestão de leitura de hoje alguns textos do site Pátria Latina. Vale a pena conferir:

Gaza: Quem precisa da imprensa-empresa? – Há, até agora, 103 mortos em Gaza, com mais de 700 feridos, a maioria dos quais são mulheres, crianças e velhos. 200 casas completamente destruídas; mais de 1.500 parcialmente destruídas. Do lado israelense: zero mortos; só um israelense foi ferido, numa explosão de um posto de gasolina (que teria sido atingido por ‘fogo inimigo’, diz o governo de Netanyahu, mas não há confirmação)…

http://www.patrialatina.com.br/editorias.php?idprog=f2671992766736eaee5018a1de716c86&cod=14003

Os que tentam faturar com a derrota – Nem o general Octávio Costa, que escreveu alguns discursos de Emílio Médici, titular do pior período da ditadura militar, seria capaz de produzir as linhas que seguem abaixo. Centro da agitação eleitoral do PSDB, o Instituto Teotônio Vilela divulgou uma análise sobre a derrota de 7 a 1 com linhas inacreditáveis. Leia alguns trechos…


http://www.patrialatina.com.br/editorias.php?idprog=dba0ff02313bd467ce9d52df8d6c80e6&cod=13993

Globo deve R$ 358 milhões em impostos, mostra Fisco – Processo administrativo da Receita Federal conclui que Organizações Globo usaram 11 empresas em paraísos fiscais, em “intrincada engenharia”, para sonegar impostos pela compra de direitos de transmissão da Copa do Mundo de 2002; furo do blog O Cafezinho, do jornalista Miguel do Rosário, desnuda esquema que, segundo conclusão do auditor fiscal Alberto Sodré Zile, “teve, por escopo, esconder o real intuito” da aquisição feita por braço global em paraíso fiscal das Ilhas Virgens; DARF, com multas, a ser recolhido por emissora de João Roberto Marinho e seus dois irmãos é de R$ 358 milhões; nove infrações foram descobertas entre maio de 2001 e junho de 2002; dúvida: vai dar Jornal Nacional?…

http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/146983/Globo-deve-R$-358-milh%C3%B5es-em-impostos-mostra-Fisco.htm

Lula rebate rival: “Não leio o Fernando Henrique” – Ex-presidente petista ironiza acusação feita por ex-presidente tucano de que ele “jamais se explica, só acusa”; durante inauguração de Central Mecanizada de Triagem de lixo, em São Paulo, Lula diminuiu a importância do posicionamento tomado ontem por Fernando Henrique Cardoso, que atacou o petista por ter dito que houve “corrupção escondida” na gestão tucana no governo federal; “Eu não leio o Fernando Henrique”, devolveu; ele agregou que prefeito Fernando Haddad é “um bom cabo eleitoral” para o candidato a governador Alexandre Padilha; meta da gestão municipal de aumentar de 1% para 10% o índice de coleta seletiva de lixo já vai sendo batida antes do prazo estipulado…

http://www.brasil247.com/pt/247/poder/146933/Lula-rebate-rival-%E2%80%9CN%C3%A3o-leio-o-Fernando-Henrique%E2%80%9D.htm

Veja a versão de hoje e as anteriores do “Trabalhando com Poesia”, no nosso blog “Espaço de Sobrevivência”. Nele você pode acessar links dos principais sites institucionais e de informações para seu uso. Visite, comente, indique:

https://oipa2.wordpress.com/2014/07/17/trabalhando-com-poesia-631

Abraços nos amigos beijos nas amigas e nos filhos, com os desejos de muito axé, energias positivas e que a vida e a paz possam sempre reinar em nossos corações e na nossa rotina. Uma quinta feira abençoada por Deus, coberta de paz e protegida pelo Caçador de uma flecha só. Okearô Odé!!

Apio Vinagre Nascimento
e-mail 2: oipa@uol.com.br
e-mail 3: apioptlf@yahoo.com.br
msn: oipa2@hotmail.com
Blog: https://oipa2.wordpress.com
Twitter: http://www.twitter.com/a_vinagre
Facebook: http://www.facebook.com/apio.vinagre
Flickr: http://www.flickr.com/photos/a_vinagre
Orkut: http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=9196573284471271823
Skype: a_vinagre1
Youtube: http://www.youtube.com/user/sobreviventeapio
Fones: (71) 8814-5332 / 9154-0168 / 9982-7223 / 8251-9282

A PLENOS PULMÕES – Vladimir Maiakovski

(Trecho final)

Camarada vida,
vamos, para diante,
galopemos pelo quinqüênio afora.
Os versos para mim
não deram rublos,
nem mobílias de madeiras caras.
Uma camisa lavada e clara,
e basta, —
para mim é tudo.
Ao Comitê Central do futuro
ofuscante, sobre a malta dos vates
velhacos e falsários
apresento em lugar do registro partidário
todos os cem tomos
dos meus livros militantes.

Dezembro, 1929 / janeiro, 1930

(Tradução: Haroldo de Campos)

O poeta pede ao seu amor que lhe escreva – Vladimir Maiakovski

Amor de minhas entranhas,
morte viva,
em vão espero tua palavra escrita e penso,
com a flor que se murcha, q
ue se vivo sem mim quero perder-te.
O ar é imortal.
A pedra inerte nem conhece a sombra nem a evita.
Coração interior não necessita o mel gelado que a lua verte.
Porém eu te sofri.
Rasguei-me as veias, tigre e pomba,
sobre tua cintura em duelo de kordiscos e açucenas.
Enche, pois, de palavras minha loucura
ou deixa-me viver em minha serena noite
da alma para sempre escura.

Anúncios
Esse post foi publicado em Livros e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s