Trabalhando com Poesia

“… Hoje eu sinto a mesma dor, talvez menos que você e, não ter com quem conversar, é como a saudade quer me ver… Diz pra eu não te procurar, mas, aqui estou pedindo, amor, pedindo pra ficar… E depois do que eu disser, me perdoa se quiser, mas, não magoa agora, não. Por enquanto, empresta teu perdão, finge que está tudo bem, que não há ninguém… Me faz tão bem acreditar que ainda existe amor, me deixa crer que até aqui nada mudou e, sem querer, deixa eu pensar que me aceitou, ou que talvez eu seja agora um novo amor… Minta pra mim, pra que eu viva, meu sonho, feliz assim… Minta pra mim, pra que eu viva, meu sonho, feliz assim… Hoje eu sinto a mesma dor, talvez menos que você e, não ter com quem conversar, é como a saudade quer me ver… Diz pra eu não te procurar, mas, aqui estou pedindo, amor, pedindo pra ficar… E depois do que eu disser, me perdoa se quiser, mas, não magoa agora não. Por enquanto, empresta teu perdão, finge que está tudo bem, que não há ninguém… Me faz tão bem acreditar que ainda existe amor, me deixa crer que até aqui nada mudou e, sem querer, deixa eu pensar que me aceitou, ou que talvez eu seja agora um novo amor… Minta pra mim, pra que eu viva, meu sonho, feliz assim… Minta pra mim, pra que eu viva, meu sonho, feliz assim… Minta pra mim, pra que eu viva, meu sonho, feliz assim… Minta pra mim, pra que eu viva, meu sonho, feliz assim…” (Zeca Pagodinho – Mente pra mim meu sonho – Comp Jorge Aragão)

“… Chega como eu cheguei, pisa como eu pisei, no chão que me consagrou… Olha que lei é lei, lei que eu nunca burlei, pois Deus me designou… Olha que lei é lei, lei que eu nunca burlei, pois Deus me designou… Ao me ver, já diz que me conhece, sem saber bem quem eu sou, conhece mas desconhece, meu real interior… Conhece mas desconhece, meu real interior… Eu só verso e sou reverso, sou partícula do universo, sou prazer, também sou dor, eu sou causa, eu sou efeito, eu sou torto, eu sou direito, enfim, eu sou como eu sou… Chega como eu cheguei, pisa como eu pisei, no chão que me consagrou… Olha que lei é lei, lei que eu nunca burlei, pois Deus me designou… Olha que lei é lei, lei que eu nunca burlei, pois Deus me designou… Vem na pureza do vento, vem na luz que o sol reluz, sonho que me conduz, ao choro nos pés da cruz… De tudo que faz a vida desmerecer a razão e meus olhos se confundem em ver tanta ingratidão… E meus olhos se confundem em ver tanta ingratidão… Chega então… Chega como eu cheguei, pisa como eu pisei, no chão que me consagrou… Olha que lei é lei, lei que eu nunca burlei, pois Deus me designou… Olha que lei é lei, lei que eu nunca burlei, pois Deus me designou… Ao me ver, já diz que me conhece, sem saber bem quem eu sou, conhece mas desconhece, meu real interior… Conhece mas desconhece, meu real interior… Eu só verso e sou reverso, sou partícula do universo, sou prazer, também sou dor, eu sou causa, eu sou efeito, eu sou torto, eu sou direito, enfim, eu sou como eu sou… Chega então… Chega como eu cheguei, pisa como eu pisei, no chão que me consagrou… Olha que lei é lei, lei que eu nunca burlei, pois Deus me designou… Olha que lei é lei, lei que eu nunca burlei, pois Deus me designou… Vem na pureza do vento, vem na luz que o sol reluz, sonho que me conduz, ao choro nos pés da cruz… De tudo que faz a vida desmerecer a razão e meus olhos se confundem em ver tanta ingratidão… E meus olhos se confundem em ver tanta ingratidão… Chega então… Chega como eu cheguei, pisa como eu pisei, no chão que me consagrou… Olha que lei é lei, lei que eu nunca burlei, pois Deus me designou… Olha que lei é lei, lei que eu nunca burlei, pois Deus me designou… Chega como eu cheguei, pisa como eu pisei, no chão que me consagrou… Olha que lei é lei, lei que eu nunca burlei, pois Deus me designou… Olha que lei é lei, lei que eu nunca burlei, pois Deus me designou…” (Zeca Pagodinho – Pisa como eu pisei – Comp.: Zeca Pagodinho/Beto S/Braço/Aluísio Machado)

“… Chega mais, senta aqui, bem juntinho de mim, vamos conversar… Se não quer me perder, o meu modo de ser, tem que aceitar… Chega mais… Chega mais, senta aqui, bem juntinho de mim, vamos conversar… Se não quer me perder, o meu modo de ser, tem que aceitar… Eu gosto de um bar, de bebericar, de um samba cantar, se um papo rolar, sou mais de ficar, até clarear, não esquente comigo… Não vem me zoar, pedir pra eu chegar mais cedo no lar, eu não vou gostar, eu vou me vingar, te mando vazar, quando o sol pintar, é que eu volto pro abrigo, se liga… Eu gosto de um bar, de bebericar, de um samba cantar, se um papo rolar, sou mais de ficar, até clarear, não esquente comigo… Não vem me zoar, pedir pra eu chegar mais cedo no lar, eu não vou gostar, eu vou me vingar, te mando vazar, quando o sol pintar, é que eu volto pro abrigo, se liga… Se o meu jogo fizer, só pegar no meu pé, pra fazer cafuné, não te deixo, mulher, pro meu bom São José, eu prometo com fé, viver sempre contigo… Chega mais, senta aqui, bem juntinho de mim, vamos conversar… Se não quer me perder, o meu modo de ser, tem que aceitar… Chega mais… Chega mais, senta aqui, bem juntinho de mim, vamos conversar… Se não quer me perder, o meu modo de ser, tem que aceitar… Eu gosto de um bar, de bebericar, de um samba cantar, se um papo rolar, sou mais de ficar, até clarear, não esquente comigo… Não vem me zoar, pedir pra eu chegar mais cedo no lar, eu não vou gostar, eu vou me vingar, te mando vazar, quando o sol pintar, é que eu volto pro abrigo, se liga… Eu gosto de um bar, de bebericar, de um samba cantar, se um papo rolar, sou mais de ficar, até clarear, não esquente comigo… Não vem me zoar, pedir pra eu chegar mais cedo no lar, eu não vou gostar, eu vou me vingar, te mando vazar, quando o sol pintar, é que eu volto pro abrigo, se liga… Se o meu jogo fizer, só pegar no meu pé, pra fazer cafuné, não te deixo, mulher, pro meu bom São José, eu prometo com fé, viver sempre contigo… Chega mais, senta aqui, bem juntinho de mim, vamos conversar… Se não quer me perder, o meu modo de ser, tem que aceitar… Chega mais… Chega mais, senta aqui, bem juntinho de mim, vamos conversar…” (Zeca Pagodinho – Meu modo de ser – Comp.: Zé Roberto)

“…La la la la la l ala l ala… Vamos saudar São Jorge Cavaleiro… Vou acender velas para São Jorge. A ele eu quero agradecer… E vou plantar comigo-ninguém-pode, para que o mal não possa então vencer… Vou acender velas para São Jorge. A ele eu quero agradecer… E vou plantar comigo-ninguém-pode, para que o mal não possa então vencer… Olho grande em mim não pega, não pega não… Não pega em quem tem fé no coração… Olho grande em mim não pega, não pega não… Não pega em quem tem fé no coração… Ogum com sua espada, sua capa encarnada, me dá sempre proteção… Quem vai pela boa estrada, no fim dessa caminhada, encontra em Deus perdão.. Ogum com sua espada, sua capa encarnada, me dá sempre proteção… Quem vai pela boa estrada, no fim dessa caminhada, encontra em Deus perdão… Vou acender velas para São Jorge. A ele eu quero agradecer… E vou plantar comigo-ninguém-pode, para que o mal não possa então vencer… Vou acender velas para São Jorge. A ele eu quero agradecer… E vou plantar comigo-ninguém-pode, para que o mal não possa então vencer… Olho grande em mim não pega, não pega não… Não pega em quem tem fé no coração… Olho grande em mim não pega, não pega não… Não pega em quem tem fé no coração… Ogum com sua espada, sua capa encarnada, me dá sempre proteção… Quem vai pela boa estrada, no fim dessa caminhada, encontra em Deus perdão.. Ogum com sua espada, sua capa encarnada, me dá sempre proteção… Quem vai pela boa estrada, no fim dessa caminhada, encontra em Deus perdão… La la la la la l ala l ala… Vamos saudar São Jorge Cavaleiro… La la la la la l ala l ala… Vamos saudar São Jorge Cavaleiro…” (Zeca Pagodinho – Pra São Jorge – Comp.: pece ribeiro)

“Procure dar o mais que puder… uma boa palavra… um sorriso… um gesto de incentivo… um pensamento generoso… E você há de sentir em seu coração a grande verdade: é muito melhor dar que receber! Ainda não percebeu isto? Experimente, então! Ajude alguém, desinteressadamente, e observe como lhe virá bater à porta, com as mãos cheias de alegria, a maior felicidade que você possa conhecer em sua vida: A FELICIDADE DE DAR” (Minutos de Sabedoria Pg. 108)

Bom dia pessoal,

Em 05 de agosto de 1895 morria Frederich Engels. Engels nasceu em 1820 em Barmen, que pertencia à Prússia. Oriundo de uma família da burguesia industrial, Engels observa e conhece desde jovem as penosas condições de vida dos trabalhadores, tanto na Alemanha como na Inglaterra. Aos 18 anos optou por abandonar o liceu para empregar-se no comércio de Bremen.

http://operamundi.uol.com.br/conteudo/noticias/14087/hoje+na+historia+1895+-+morre+friedrich+engels+filosofo+e+revolucionario+alemao.shtml

Em 05 de Agosto de 1954 aconteceu o chamado Atentado da Rua Toneleiros. Era madrugada. Carlos Lacerda chegava de carro à sua residência na Rua Toneleros, na companhia do filho Sergio e do major Florentino Vaz, quando foi surpreendido por uma emboscada. Dois homens dispararam contra eles e fugiram num táxi. Lacerda foi atingido no pé, e o major, gravemente ferido nas costas, morreu a caminho do hospital.

Ferrenho opositor do Governo Vargas, o jornalista e político conservador publicaria, na manhã seguinte, em seu editorial: “A visão de Rubens Vaz, na rua, impede-me de analisar a frio, neste momento, a hedionda emboscada desta noite. Mas, perante Deus, acuso um só homem como responsável por esse crime. É o protetor dos ladrões, cuja impunidade lhes dá audácia para atos como os desta noite. Este homem chama-se Getúlio Vargas.” Essa declaração, que prontamente fortaleceu a versão de atentado, agigantou a onda anti-getulista, que já reivindicava a renúncia do presidente Getúlio em diversos setores da sociedade.

Durante a investigação que se seguiu, demonstrou-se que a bala que atingiu o major era de calibre 45, arma de uso privativo das Forças Armadas. Em poucos dias chegava-se a dois suspeitos: Alcino João Nascimento e Climério Euribes de Almeida, homens da guarda pessoal do presidente, e ao mandante do crime, Gregório Fortunato, chefe da guarda e guarda-costas de Getúlio desde a época do Estado Novo. O triunfo de Lacerda aconteceria 19 dias depois do crime, com a derrocada final do presidente Getúlio: o seu suicídio, em 24 de agosto.

Em 05 de agosto de 1955 morria em Hollywood a cantora Portuguesa Carmem Miranda.

Maria do Carmo Miranda da Cunha GOIH (Marco de Canaveses, 9 de fevereiro de 1909 — Los Angeles, 5 de agosto de 1955), mais conhecida como Carmen Miranda, foi uma cantora e atriz luso-brasileira. Sua carreira artística transcorreu no Brasil e Estados Unidos entre as décadas de 1930 e 1950. Trabalhou no rádio, no teatro de revista, no cinema e na televisão.

O seu primeiro grande sucesso veio em 1930, com a marcha Ta-hi!, de Joubert de Carvalho que foi recorde de vendas durante décadas, ultrapassando a marca de 36 mil cópias. Ao longo dos anos 30, Carmen foi consolidando sua carreira como cantora e atriz, chegou a participar de cinco longas metragens brasileiros. Foi a primeira artista de rádio a assinar contrato com uma emissora, quando na época todos recebiam somente cachês.

Quando estava em temporada no Cassino da Urca, foi contratada pelo o magnata do show business Lee Shubert, para ser uma das atrações do seu espetáculo “The Streets of Paris”, que estrearia na Broadway. Este foi o episódio que transformou a vida de quem mais tarde viria a ser conhecida como “The Brazilian Bombshell”.

Em 1940, Carmen fez sua estreia no cinema dos Estados Unidos no filme Serenata Tropical, com Don Ameche e Betty Grable, suas roupas exóticas e sotaque latino tornou-se sua marca registrada. No mesmo ano, ela foi eleita a terceira personalidade mais popular nos Estados Unidos, e foi convidada para se apresentar junto com seu grupo, o “Bando da Lua”, para o presidente Franklin Roosevelt na Casa Branca. Carmen Miranda é conhecida pelos penduricalhos ao pescoço e às frutas tropicais que lhe ornamentavam a cabeça. Em 1945, foi eleita a mulher mais bem paga dos Estados Unidos.

Fez um total de catorze filmes em Hollywood entre 1940 e 1953. Embora aclamada como uma artista talentosa, sua popularidade diminuiu até o final da Segunda Guerra Mundial. O seu talento como cantora e performer, porém, muitas vezes foi ofuscado pelo caráter exótico de suas apresentações. Carmen tentou reconstruir sua identidade e fugir do enquadramento que seus produtores e a indústria tentavam lhe impor, mas sem conseguir grandes avanços. De fato, por todos os estereótipos que enfrentou ao longo de sua carreira, suas performances fizeram grandes avanços na popularização da música brasileira, ao mesmo tempo, abrindo o caminho para o aumento da consciência de toda a cultura Latina.

Carmen Miranda foi a primeira estrela latino-americana a ser convidada a imprimir suas mãos e pés no pátio do Grauman’s Chinese Theatre, em 1941. Ela é considerada a precursora do Tropicalismo no Brasil, movimento cultural da década de 1960.

Em 20 anos de carreira deixou sua voz registrada em 279 gravações no Brasil e mais 34 nos EUA, num total de 313 gravações. Um museu foi construído mais tarde, no Rio de Janeiro, em sua homenagem. Em 1995 ela foi tema do aclamado documentário Carmen Miranda: Bananas Is My Business, dirigido por Helena Solberg, uma interseção no cruzamento da Hollywood Boulevard e Orange Drive em frente ao Teatro Chinês em Hollywood foi oficialmente nomeada Carmen Miranda Square, em setembro de 1998. Até hoje, nenhum artista brasileiro teve tanta projeção internacional como ela.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Carmen_Miranda

Em 05 de agosto de 1962 a atriz cinematográfica Marilyn Monroe é encontrada morta em sua casa de Los Angeles, deitada nua em sua cama, com o rosto para baixo e o telefone em mãos. Caixas de pílulas vazias, prescritas para tratar de depressão, estavam espalhadas por todo o quarto. Após uma breve investigação, a polícia de Los Angeles concluiu que o óbito ocorreu “por uma overdose de sedativos”. O motivo foi “provavelmente suicídio”. No dia 8 de agosto, o corpo de Marilyn é velado no Corridor of Memories, nº 24, no Westwood Memorial Park em Los Angeles, onde está enterrada.

Veja mais em

http://operamundi.uol.com.br/conteudo/noticias/23474/hoje+na+historia+1962+-++marylin+monroe+e+encontrada+morta+em+seu+quarto.shtml

Nas nossas sugestões de leitura de hoje, alguns textos do Site Pátria Latina. Vale a pena conferir:

ALÉM DE TUDO O GOLIAS JUDEU É SURDO – por Gianni Carta/Carta Capital – As crianças dormiam na noite de quarta-feira 30. Sentiam-se protegidas na escola dirigida pela ONU no campo de refugiados de Jabaliya, em Gaza. Em suma, um edifício neutro e, portanto, sem riscos de ser alvo de ataques israelenses. Não foi o caso. A artilharia do Tsahal, ou IDF, o exército israelense, abriu suas ferozes bocas de fogo e destruiu a escola. Ao menos 15 pessoas, a maioria crianças e mulheres, morreram…

http://www.patrialatina.com.br/editorias.php?idprog=d41d8cd98f00b204e9800998ecf8427e&cod=14132

As eleições e o canhão Lula – Por Mauricio Dias, na revista Carta Capital: Presidente da câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves é o candidato favorito ao governo do Rio Grande do Norte, estado que a família Alves domina há muitos anos e onde o partido dele, o PMDB, trava nesta eleição um combate por votos com o PT, do qual o ex-presidente Lula é presidente honorário…

http://www.patrialatina.com.br/editorias.php?idprog=de073d2cffa991f936d6a7aa7bca3425&cod=14131

Com método cubano de educação, Unesco declara Bolívia um país livre do analfabetismo – O vice-ministro da Educação alternativa da Bolívia, Noel Aguirre, declarou na última terça-feira (29) que a Unesco aceitou o relatório enviado pelo governo que aponta que o país está livre do analfabetismo. “Podemos dizer orgulhosamente que o Estado Plurinacional é um estado livre do analfabetismo”, declarou…

http://www.patrialatina.com.br/editorias.php?idprog=a7d4c5e52848263151f75565644e7367&cod=14129

Em Israel, Bloco da Paz condena massacre exige libertação palestina – Em 1993, Uri Avnery, ex-membro do Parlamento de Israel, lançou o Gush Shalom, “Bloco da Paz”, para “influenciar a opinião pública israelense e conduzi-la à paz e à reconciliação com os palestinos,” denunciando a ocupação e pressionando pelo reconhecimento do regime de segregação. Em conversa com o Vermelho, Avnery explica a atuação do bloco no momento em que manifestações contrárias e favoráveis à atual ofensiva contra Gaza disputam terreno em Israel…

http://www.patrialatina.com.br/editorias.php?idprog=7dd6af0d70340195c48c002ebe5e4aac&cod=14124

Mino Carta: Que tal passar por cima dos candidatos e votar diretamente nos marqueteiros? – Mino Carta/Carta Capital – Dúvidas costumam me assaltar, sou dado a muitas. Neste exato instante, sobrevém a seguinte: sir Winston Churchill tinha um marqueteiro? Meus botões gargalham. Peço explicações, receio me tenham como humorista. Aplacado o ictus de desmesurada diversão, pacatamente explicam ter-se permitido imaginar Duda Mendonça que se chega ao pé do ouvido de sir Winston e lhe sugere prometer sangue, suor e lágrimas ao povo em guerra. Quem riu agora fui eu…

http://www.patrialatina.com.br/editorias.php?idprog=0a343d089f3bd7ea28315af8b4370155&cod=14120

O que faz o Imperialismo humanitário com o dilema de Gaza e a guerra em nome dos diretos humanos, por Mehdi Agha Mohammad Zanjani – O que vemos hoje na faixa de Gaza é um dilema que até para os apoiadores de uma “intervenção militar humanitária” no mundo ocidental, mesmo utilizando qualquer instrumento e ferramenta não é solucionável. Talvez o exemplo mais óbvio do imperialismo humanitário nos anos recentes, foi a intervenção militar ocidental na crise da Líbia. No que diz respeito sobre a natureza nesta crise, foram apresentados opiniões diferentes.

http://www.patrialatina.com.br/editorias.php?idprog=02f5df8adf0db026d38425594e68a007&cod=14119

Veja a versão de hoje e as anteriores do “Trabalhando com Poesia”, no nosso blog “Espaço de Sobrevivência”. Nele você pode acessar links dos principais sites institucionais e de informações para seu uso. Visite, comente, indique:

https://oipa2.wordpress.com/2014/08/05/trabalhando-com-poesia-644

Abraços nos amigos beijos nas amigas e nos filhos, com os desejos de muito axé, energias positivas e que a vida e a paz possam sempre reinar em nossos corações e na nossa rotina. Uma Terça-feira abençoada por Deus e protegida pela força guerreira de Ogum. Ogunhê!!!

Apio Vinagre Nascimento
e-mail 2: oipa@uol.com.br
e-mail 3: apioptlf@yahoo.com.br
msn: oipa2@hotmail.com
Blog: https://oipa2.wordpress.com
Twitter: http://www.twitter.com/a_vinagre
Facebook: http://www.facebook.com/apio.vinagre
Flickr: http://www.flickr.com/photos/a_vinagre
Orkut: http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=9196573284471271823
Skype: a_vinagre1
Youtube: http://www.youtube.com/user/sobreviventeapio
Fones: (71) 8814-5332 / 9154-0168 / 9982-7223 / 8251-9282

Ouve-me – Tude Celestino

Entra em minh’alma, vem! Mas não perguntes nada
Que eu também a ti, nada perguntarei.
Eu me esqueci de tudo e agora já nem sei
Se houve pedras ou flores pela minha estrada.
Se castelos ergui na doida caminhada
Que inconseqüente fiz, jamais os encontrei.
Mas que importa se fui pária ou se fui rei,
Qual na existência vã é o meu degrau na escada?
Não sei se vim ou se fui, que sei da vida?
Chegar não é talvez o mesmo que ir embora?
Não sei, só sei que amo. Ouve-me, querida,
O ontem se foi, o amanhã nem sei se posso
Dizer se vem ou não; amemo-nos agora,
Neste hoje que é eterno e tão somente nosso.

Imponderável – Tude Celestino

Começou… não, nem sei se começou
Foi um vislumbre, apenas um olhar,
Um prenúncio de sol, tênue luar,
U’a pluma que a brisa esvoaçou.
Um sonho belo que não se sonhou
Um lírio inexistente num altar
Uma canção que não se ouviu cantar,
Um instante sublime que passou.
Foi música que ouvi quase em surdina
Miragem? Sim! Mas guardo na retina
Como um esbater de asas de cetim.
Volátil aroma de etérea flor
Foi amor… mas que estranho amor,
“Sem nunca ter princípio, teve fim”.

Lago de Narciso Tude Celestino

Não basta ser feliz, ainda preciso,
Além dessa ventura, ter camisa;
E que não haja amor, marco ou divisa
A cercear meu lago de narciso.
Que sensualmente fêmea e sem juízo,
Leve-me pouco a pouco, hábil, precisa
Ao teu inferno e depois, com a brisa,
Transfere-me ao céu com teu sorriso.
Que tuas mãos me façam mil carícias
E ofuscado ante teus contornos
Eu goze desse amor todas delícias.
E farto enfim, mas face a um novo ardor
Que tu ainda com teus beijos mornos,
Leve-me, louco, a morrer de amor.

Anúncios
Esse post foi publicado em Livros e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s