Trabalhando com Poesia

… É você… Só você… Que na vida vai comigo agora, nós dois na floresta e no salão… Nada mais, deita no meu peito e me devora, na vida só resta seguir, um risco, um passo, um gesto rio afora… É você… Só você… Que invadiu o centro do espelho, nós dois na biblioteca e no saguão, ninguém mais, deita no meu leito e se demora, na vida só resta seguir, um risco, um passo, um gesto rio afora… Na vida só resta seguir, um ritmo, um pacto e o resto rio afora…” (Marisa Monte & Tribalistas – É Você – Comp.: Arnaldo Antunes / Carlinhos Brown / Marisa Monte)

https://www.youtube.com/watch?v=x3pjkuS0_BE

Você é assim, um sonho pra mim, e quando eu não te vejo… Eu penso em você, desde o amanhecer, até quando eu me deito… Eu gosto de você, e gosto de ficar com você… Meu riso é tão feliz contigo, o meu melhor amigo é o meu amor… E a gente canta, e a gente dança, e a gente não se cansa, de ser criança, a gente brinca na nossa velha infância… Seus olhos, meu clarão, me guiam dentro da escuridão, seus pés me abrem o caminho, eu sigo e nunca me sinto só… Você é assim, um sonho pra mim, quero te encher de beijos… Eu penso em você, desde o amanhecer, até quando eu me deito… Eu gosto de você, e gosto de ficar com você… Meu riso é tão feliz contigo, o meu melhor amigo é o meu amor… E a gente canta, e a gente dança, e a gente não se cansa, de ser criança, a gente brinca na nossa velha infância… Seus olhos, meu clarão, me guiam dentro da escuridão, seus pés me abrem o caminho, eu sigo e nunca me sinto só… Você é assim, um sonho pra mim, você é assim… Você é assim, um sonho pra mim, você é assim… Você é assim, um sonho pra mim, você é assim… Você é assim, um sonho pra mim, e quando eu não te vejo… Eu penso em você, desde o amanhecer, até quando eu me deito… Eu gosto de você, e gosto de ficar com você… Meu riso é tão feliz contigo, o meu melhor amigo é o meu amor…(Marisa Monte & Tribalistas – Velha infância – Comp.: Arnaldo Antunes / Carlinhos Brown / Marisa Monte / Dari Moraes)

https://www.youtube.com/watch?v=zwqrmEMB0wc

Já sei namorar, já sei beijar de língua, agora, só me resta sonhar… Já sei onde ir, já sei onde ficar, agora, só me falta sair… Não tenho paciência pra televisão, eu não sou audiência para a solidão… Eu sou de ninguém, eu sou de todo mundo e, todo mundo me quer bem… Eu sou de ninguém, eu sou de todo mundo, e todo mundo é meu também… Já sei namorar, já sei chutar a bola, agora, só me falta ganhar… Não tenho juiz, se você quer a vida em jogo, eu quero é ser feliz… Não tenho paciência pra televisão, eu não sou audiência para a solidão… Eu sou de ninguém, eu sou de todo mundo e, todo mundo me quer bem… Eu sou de ninguém, eu sou de todo mundo, e todo mundo é meu também… Tô te querendo como ninguém… Tô te querendo como Deus quiser… Tô te querendo como eu te quero… Tô te querendo como se quer… Tô te querendo como ninguém… Tô te querendo como Deus quiser… Tô te querendo como eu te quero… Tô te querendo como se quer… Tô te querendo como ninguém… Tô te querendo como Deus quiser… Tô te querendo como eu te quero… Tô te querendo como se quer… Tô te querendo como ninguém… Tô te querendo como Deus quiser… Tô te querendo como eu te quero… Tô te querendo como se quer…(Marisa Monte & Tribalistas – Já sei namorar – Comp.: Arnaldo Antunes / Carlinhos Brown / Marisa Monte)

https://www.youtube.com/watch?v=smwj7ISnwXM

Saiba viver os belos momentos de sua vida. Aproveite os minutos de alegria, sem pressa de novamente mergulhar nos trabalhos agitados. Goze amplamente seu repouso espiritual. Olhe a paisagem, contemple as estrelas, aprecie os caprichos da natureza, colha em todos os canteiros as flores da alegria! Saiba viver integralmente os belos momentos de sua vida!” (Minutos de Sabedoria Pg. 128)

Bom dia pessoal,

O “Trabalhando com Poesia” de hoje homenageia um dos aniversariantes do dia: Arnaldo Antunes.

Arnaldo Antunes canta “Socorro”

https://www.youtube.com/watch?v=6qIRmE-fhOM

Arnaldo Antunes canta “A casa é sua”

https://www.youtube.com/watch?v=82aj1Bg8FpA

Arnaldo Antunes e Nando Reis cantam “Não vou me adaptar”

https://www.youtube.com/watch?v=BFl_eGkOwTw

Veja a versão de hoje e as anteriores do “Trabalhando com Poesia”, no nosso blog “Espaço de Sobrevivência”. Nele você pode acessar links dos principais sites institucionais e de informações para seu uso. Visite, comente, indique:

https://oipa2.wordpress.com/2014/09/02/trabalhando-com-poesia-664

Abraços nos amigos beijos nas amigas e nos filhos, com os desejos de muito axé, energias positivas e que a vida e a paz possam sempre reinar em nossos corações e na nossa rotina.  Uma Terça-feira abençoada por Deus e protegida pela força guerreira de Ogum. Ogunhê!!!

Apio Vinagre Nascimento
e-mail 2: oipa@uol.com.br
e-mail 3: apioptlf@yahoo.com.br
msn: oipa2@hotmail.com
Blog: https://oipa2.wordpress.com
Twitter: http://www.twitter.com/a_vinagre
Facebook: http://www.facebook.com/apio.vinagre
Flickr: http://www.flickr.com/photos/a_vinagre
Orkut: http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=9196573284471271823
Skype: a_vinagre1
Youtube: http://www.youtube.com/user/sobreviventeapio 
Fones: (71) 8814-5332 / 9154-0168 / 9982-7223 / 8251-9282

O Rei Reina e Não Governa – Tobias Barreto

Não sei porque a língua humana
Os brutos não falam mais,
Quando hoje têm melhor vida.
E há muita besta instruída
Nas ciências sociais…

Ultimamente entenderam
Que tinham também razão
De proclamar seus direitos,
Pondo em uso os bons efeitos
Que trouxe a Revolução…

“Seja o leão, diz o asno,
Um rei constitucional;
Com assembléias mudáveis,
Com ministros responsáveis,
Não nos pode fazer mal.

Fiquem-lhe as garras ocultas,
Não ruja, não erga a voz,
Conforme a tese moderna
Qu’ele reina e não governa,
Quem governa somos nós…

Todas as bestas da terra,
Todas as bestas do mar,
Tenham os seus delegados,
Sendo os ministros tirados
Do seio parlamentar…

(…)

Só vejo, que bem nos quadre
No trono, algum animal,
Que coma e viva deitado:
O porco!… Exemplo acabado
De rei constitucional…”

1870

Publicado no livro Dias e Noites (1881). Poema integrante da série Parte V – Satíricas.

A Escravidão – Tobias Barreto

Se Deus é quem deixa o mundo
Sob o peso que o oprime,
Se ele consente esse crime,
Que se chama a escravidão,
Para fazer homens livres,
Para arrancá-los do abismo,
Existe um patriotismo
Maior que a religião.

Se não lhe importa o escravo
Que a seus pés queixas deponha,
Cobrindo assim de vergonha
A face dos anjos seus,
Em seu delírio inefável,
Praticando a caridade,
Nesta hora a mocidade
Corrige o erro de Deus!…

1868

Publicado no livro Dias e Noites (1893). Poema integrante da série Parte I – Gerais e Naturalistas.
 

Anúncios
Esse post foi publicado em Livros e marcado . Guardar link permanente.

Uma resposta para Trabalhando com Poesia

  1. Pingback: Trabalhando com Poesia | Espaço de Sobrevivência

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s