Trabalhando com Poesia

“… O melhor lugar do mundo, é dentro de um abraço. Pro mais velho ou pro mais novo, pra alguém apaixonado, alguém medroso… O melhor lugar do mundo, é dentro de um abraço. Pro solitário ou pro carente, dentro de um abraço é sempre quente… Tudo que a gente sofre, num abraço se dissolve… Tudo que se espera ou sonha, num abraço a gente encontra… No silêncio que se faz, o amor diz compromisso, oh baby, baby, dentro de um abraço tudo mais já está dito… O melhor lugar do mundo, é aqui, é dentro de um abraço. E por aqui não mais se ouve o tique-taque dos relógios, se faltar a luz fica tudo ainda melhor. O rosto contra o peito, dois corpos num amasso, os corações batendo juntos em descompasso… Tudo que a gente sofre, num abraço se dissolve… Tudo que se espera ou sonha, num abraço a gente encontra… Tudo que a gente sofre, num abraço se dissolve… Tudo que se espera ou sonha, num abraço a gente encontra… Na chegada ou na partida… Raio de sol ou noite fria… Na tristeza ou na alegria… Na tristeza ou na alegria… Tudo que a gente sofre, (Na chegada ou na partida)… Num abraço se dissolve (Raio de sol ou noite fria). Tudo que se espera ou sonha (Na tristeza ou na alegria) Num abraço a gente encontra… Tudo que a gente sofre, (Na chegada ou na partida)… Num abraço se dissolve (Raio de sol ou noite fria)… Tudo que se espera ou sonha (Na tristeza ou na alegria) Num abraço a gente encontra…” (Jota Quest – Dentro de um abraço – Comp.: PJ e Rogério Flausino)

https://www.youtube.com/watch?v=IUO-o_Bg8AY  

 “… Vivemos esperando dias melhores, dias de paz, dias a mais, dias que não deixaremos para trás… Vivemos esperando o dia em que seremos melhores, melhores, melhores… Melhores no amor, melhores na dor, melhores em tudo… Vivemos esperando, o dia em que seremos para sempre… Vivemos esperando… Dias melhores pra sempre… Dias melhores pra sempre… pra sempre… Vivemos esperando dias melhores, dias de paz, dias a mais, dias que não deixaremos para trás… Vivemos esperando o dia em que seremos melhores, melhores, melhores… Melhores no amor, melhores na dor, melhores em tudo… Vivemos esperando, o dia em que seremos para sempre… Vivemos esperando… Dias melhores pra sempre… Dias melhores pra sempre… pra sempre… pra sempre… Sempre! Sempre! Sempre!…(Jota Quest – Dias melhores – Comp.: Rogério Flausino)

 https://www.youtube.com/watch?v=SMFnq4HHrkk 

“… Tudo é tão bom e azul, e calmo como sempre. Os olhos piscaram de repente, um sonho… As coisas são assim, quando se está amando, as bocas não se deixam, e o segundo não tem fim… Um dia feliz, às vezes é muito raro… Falar é complicado, quero uma canção… Fácil, extremamente fácil, pra você, e eu e todo mundo cantar junto… Fácil, extremamente fácil, pra você, e eu, e todo mundo cantar junto… Tudo se torna claro, pateticamente pálido, o coração dispara, se eu vejo o teu carro… A vida é tão simples, mas dá medo de tocar. As mãos se procuram sós, como a gente mesmo quis… Um dia feliz, às vezes é muito raro… Falar é complicado, quero uma canção… Fácil, extremamente fácil, pra você, e eu e todo mundo cantar junto… Fácil, extremamente fácil, pra você, e eu, e todo mundo cantar junto…(Jota Quest – Fácil – Comp.: Wilson Sideral & Rogério Flausino)

https://www.youtube.com/watch?v=uehgINuGgxo  

 

O minuto que você está vivendo agora é o mais importante de sua vida, onde quer que você esteja. Preste atenção ao que está fazendo. O ontem já lhe fugiu das mãos. O amanhã ainda não chegou. Viva o momento presente, porque dele depende todo o seu futuro. Procure aproveitar ao máximo o momento que está vivendo, tirando todas as vantagens que puder, para seu aperfeiçoamento.” (Minutos de Sabedoria Pg. 154)

 

Boa noite pessoal,

Como foram de final de semana? Espero que bem. Após um ano de estaleiro, volto a publicar o “Trabalhando com Poesia”. Estava engajado em algumas atividades relacionadas ao escritório Pedra & Vinagre Advogados Associados, além da nova missão na Universidade do Estado da Bahia. Espero conseguir manter de novo o ritmo das publicações diárias do TCP. Conto com o feedback de vocês.

Durante essa semana, o “Trabalhando com Poesia” visitará algumas escritas do poeta baiano Ricardo Reis, um dos heterônimos de Fernando Pessoa, apresentado por Batista de Lima “Há sem dúvida quem deseja o impossível.”

Ricardo Reis nasceu em Lisboa, às 11 horas da noite do dia 28 de janeiro de 1914. Foi discípulo de Alberto Caeiro, de quem adquiriu a lição de paganismo espontâneo. Há informação dando conta de que teria embarcado para o Brasil em 12 de outubro de 1919. Em Ricardo Reis,

“Há a renúncia de quem atingiu os píncaros da humana lucidez e abstrai seus conceitos de impermanência e símbolos da contemplação voluntária de uma natureza quem o homem iguala à essencialidade ideal que lhe basta”
Esse heterônimo pessoano, numa arte poética particularmente sua, procurou sempre o mais alto, o impossível até, para encrustar uma poesia refinada, concisa, elíptica, cunhada em linguagem esmerada e com vocabulário algo alatinado. São antológicas, suas modernizadas odes horacianas: “Lídia”, “Coroai-me de Rosas”, “O mar Jaz” e “Sábio é o que se Contenta”, todas de 1914. De 1916 são mercantes: “Não a Ti, Cristo” e “Não a Ti, Cristo, Odeio…”. Nestas odes, prevalece o apolíneo comprovado por uma moderna consciência do fazer artístico. Muitas delas apareceram primeiramente publicadas na revista Athena e, principalmente, na Presença, sempre indiferentes ao social, mas acentuadamente consciente da efemeridade da vida.

Reis leva o paganismo de Caeiro à sua expressão mais ortodoxa, através de um neoclassicismo neo-pagão consciente, cultivando a mitologia greco-latina. Clássico por excelência, idealista e platônico no amor, constata o efêmero da vida e anseia, no íntimo, por uma fenomenológica eternidade terrena.

Segundo Linhares Filho, sob a perspectiva do ser, pode-se dizer que Ricardo Reis ama o impossível, mas sob a perspectiva do “Parecer”, ele “ama o infinito porque mais do que todos se apega à vida, desejando-a infinda, sob a simulação de resignar-se com a transitoriedade.”

Como se observa, amando o impossível ou o infinito, Ricardo Reis sempre procurou os píncaros, como a fugir (fingindo) de uma realidade terrena que verdadeiramente queria viver, eternamente.

Veja mais em http://portugues.uol.com.br/literatura/ricardo-reis.html

No prefácio Musical, a música do grupo Jota-Quest. Espero que gostem.

Em nossa sugestão de leitura para o “Trabalhando com Poesia” de hoje textos do site Brasil 247. Vale a pena conferir:

Chico e Lula se unem em defesa da democracia – O ex-presidente Lula participará nesta segunda-feira do ato ‘Cultura pela Democracia’, na Lapa, no Rio de Janeiro; manifesto idealizado por artistas para rejeitar o golpe contra a presidente Dilma Rousseff tem na linha de frente nomes como Chico Buarque, João Bosco e Eric Nepomuceno; o evento iniciará às 17h, e Lula participará do palco das ruas, nos arcos da Lapa, onde ocorrerão apresentações de mais de 100 artistas; “Da mesma forma que as artes e a cultura do nosso país se expressam em sua plena – e rica, e enriquecedora – diversidade, nós também integramos as mais diversas opções ideológicas, políticas, eleitorais. Mas nos une, acima de tudo, a defesa do bem maior: a democracia. O respeito à vontade da maioria. O respeito à diversidade de opiniões”, diz trecho do manifesto…

http://www.brasil247.com/pt/247/cultura/225007/Chico-e-Lula-se-unem-em-defesa-da-democracia.htm

Golpismo de Aécio pode ter arruinado de vez o PSDB – O dado mais marcante da pesquisa Datafolha deste fim de semana não é a força eleitoral de Luiz Inácio Lula da Silva, apontado como o melhor presidente da história por 40% dos brasileiros, mas sim o fiasco retumbante do PSDB; enquanto o senador Aécio Neves (PSDB-MG) recuou de 27% para 17% em seis meses, Geraldo Alckmin foi de 14% a 9% e José Serra caiu de 15% a 11%; isso significa que, no cenário atual, o PSDB nem passaria para um segundo turno, que seria disputado entre Lula e Marina Silva; o motivo é simples: a população se deu conta do golpismo de Aécio que, ao não aceitar o resultado das urnas, empurrou o Brasil para uma crise política que já ceifou milhões de empregos; sem cacife eleitoral, o PSDB se contenta hoje em ser uma força política secundária, que tentará orbitar em torno de um eventual governo Michel Temer…

http://www.brasil247.com/pt/247/poder/225036/Golpismo-de-A%C3%A9cio-pode-ter-arruinado-de-vez-o-PSDB.htm

‘Tenho convicção de que o impeachment não passa’ – Em entrevista ao 247, a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) afirma ter “segurança” de que os defensores do impeachment “não atingem dois terços” dos votos no plenário da Câmara, necessários para aprovar o afastamento da presidente Dilma Rousseff; ela acredita que o relatório do deputado Jovair Arantes (PTB-GO), “cheio de inconstitucionalidades”, não foi feito por ele: “É óbvio que ele já veio construído das mãos do Eduardo Cunha, isso pra nós é nítido”; e diz que o presidente da Câmara “se desmoraliza e se enfraquece” caso o impeachment não passe; após a derrota do golpe, em sua avaliação, o governo precisará apresentar uma “agenda que convença o país da viabilidade do desenvolvimento e que valorize esse lindíssimo movimento democrático que aconteceu na rua”…

http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/225017/%E2%80%98Tenho-convic%C3%A7%C3%A3o-de-que-o-impeachment-n%C3%A3o-passa%E2%80%99.htm

Veja prevê derrota do golpe e culpa Cunha – Editorial deste fim de semana da revista Veja, agora comandada por André Petry, sinaliza que a Abril está ciente de que a oposição não tem os votos necessários para consumar o golpe contra a democracia que vem sendo conduzido pela aliança entre os “moralistas” do PSDB e o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ); mais do que isso, Veja diz que a presidente Dilma Rousseff tem razão ao dizer que Cunha instalou o processo por “vingança”, o que já bastaria para anular o processo, e diz que a oposição errou ao se aliar ao presidente da Câmara; “Desmoralizado por propinas e contas secretas na Suíça, Cunha, com sua presença, contamina a lisura do impeachment”…

 http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/225001/Veja-prev%C3%AA-derrota-do-golpe-e-culpa-Cunha.htm

Teremos, de novo, um Congresso golpista? – Em 1964 o Congresso se integrou ao golpe militar que instaurou o regime de terror contra a democracia e os democratas no Brasil. Ocupou a presidência, a entregou aos militares e referendou a todos os militares designados pelas FFAA para dirigir o pais. Os que se opuseram tiveram seus mandatos cassados, foram perseguidos, presos e vários deles mortos. Os outros seguiram dando cobertura à ditadura militar…

http://www.brasil247.com/pt/blog/emirsader/225025/Teremos-de-novo-um-Congresso-golpista.htm

Veja a versão desta segunda feira e as anteriores do “Trabalhando com Poesia”, no nosso blog “Espaço de Sobrevivência”. Nele você pode acessar links dos principais sites institucionais e de informações para seu uso. Visite, comente, indique:

https://oipa2.wordpress.com/2016/04/11/trabalhando-com-poesia-693

Abraços nos amigos beijos nas amigas e nos filhos, com os desejos de muito axé, energias positivas e que a vida e a paz possam sempre reinar em nossos corações e na nossa rotina.  Uma Segunda-feira abençoada por Deus, repleta da energia positiva e caminhos abertos a nossa frente.

 

Apio Vinagre Nascimento

e-mail: apiovinagre.adv@gmail.com

e-mail 1: apio.vinagre @pedraevinagre.adv.br

e-mail 2: oipa2@hotmail.com

e-mail 3: apioptlf@yahoo.com.br

site: http://www.pedraevinagre.adv.br
Blog: https://oipa2.wordpress.com
Twitter: http://www.twitter.com/a_vinagre
Facebook: http://www.facebook.com/apio.vinagre
Flickr:
http://www.flickr.com/photos/a_vinagre
Skype: a_vinagre1
Youtube:
http://www.youtube.com/user/sobreviventeapio 
Fones: (71) 98814-5332 / 99154-0168 / 99982-7223 / 98214-0894

Cada dia sem gozo não foi teu (Ricardo Reis)

Cada dia sem gozo não foi teu

Foi só durares nele. Quanto vivas

Sem que o gozes, não vives.

Não pesa que amas, bebas ou sorrias:

Basta o reflexo do sol ido na água

De um charco, se te é grato.

Feliz o a quem, por ter em coisas mínimas

Seu prazer posto, nenhum dia nega

A natural ventura!

 

Acima da Verdade – Ricardo Reis

Acima da verdade estão os deuses.

A nossa ciência é uma falhada cópia

Da certeza com que eles

Sabem que há o Universo.

Tudo é tudo, e mais alto estão os deuses,

Não pertence à ciência conhecê-los,

Mas adorar devemos

Seus vultos como às flores,

Porque visíveis à nossa alta vista,

São tão reais como reais as flores

E no seu calmo Olimpo

São outra Natureza.

Anúncios
Esse post foi publicado em Livros. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s