Trabalhando com Poesia

“… Foi por medo de avião, que eu segurei, pela primeira vez a tua mão… Um gole de conhaque, aquele toque em teu cetim, que coisa adolescente, James Dean… Foi por medo de avião, que eu segurei, pela primeira vez a tua mão… Não fico mais nervoso, você já não grita, e a aeromoça, sexy, fica mais bonita… Foi por medo de avião, que eu segurei, pela primeira vez, a tua mão… Agora ficou fácil, todo mundo compreende, aquele toque Beatle: “I wanna hold your hand”… Agora ficou fácil, todo mundo compreende, aquele toque Beatle: “I wanna hold your hand”… Aquele toque Beatle: “I wanna hold your hand”…” (Belchior – Medo de avião – Comp.: Belchior)

https://www.youtube.com/watch?v=595WGRz7Nfg

 

“… Quando eu não tinha o olhar lacrimoso, que hoje eu trago e tenho; Quando adoçava meu pranto e meu sono, no bagaço de cana do engenho… Quando eu ganhava esse mundo de meu Deus, fazendo eu mesmo o meu caminho, por entre as fileiras do milho verde, que ondeia, com saudade do verde marinho… Eu era alegre como um rio, um bicho, um bando de pardais… Como um galo, quando havia, quando havia galos, noites e quintais… Mas veio o tempo negro e, à força, fez comigo, o mal que a força sempre faz… Não sou feliz, mas não sou mudo: hoje eu canto muito mais… Não sou feliz, mas não sou mudo: hoje eu canto muito mais… Quando eu não tinha o olhar lacrimoso, que hoje eu trago e tenho; Quando adoçava meu pranto e meu sono, no bagaço de cana do engenho… Quando eu ganhava esse mundo de meu Deus, fazendo eu mesmo o meu caminho, por entre as fileiras do milho verde, que ondeia, com saudade do verde marinho… Eu era alegre como um rio, um bicho, um bando de pardais… Como um galo, quando havia, quando havia galos, noites e quintais… Mas veio o tempo negro e, à força, fez comigo, o mal que a força sempre faz… Não sou feliz, mas não sou mudo: hoje eu canto muito mais… Não sou feliz, mas não sou mudo: hoje eu canto muito mais…” (Belchior – Galos, noites e quintais – Comp.: Belchior)

https://www.youtube.com/watch?v=EXYKg9Efiv0

 

“… Eu estou muito cansado, do peso da minha cabeça, desses dez anos passados, presentes, vividos entre o sonho e o som… Eu estou muito cansado de não poder falar palavra, sobre essas coisas sem jeito, que eu trago em meu peito, e que eu acho tão bom… Quero uma balada nova, falando de brotos, de coisas assim… De money, de banho de lua, de ti e de mim, um cara tão sentimental… Quero uma balada nova, falando de brotos, de coisas assim… De money, de banho de lua, de ti e de mim, um cara tão sentimental… Quero a sessão de cinema das cinco, pra beijar a menina e levar a saudade, na camisa toda suja de batom… Quero a sessão de cinema das cinco, pra beijar a menina e levar a saudade, na camisa toda suja de batom…” (Belchior – Todo sujo de batom – Comp.: Belchior)

https://www.youtube.com/watch?v=2EtsifR2lcA
“Não se deixe levar pela zanga nem se impaciente. Não permite que a inveja, a malícia, a idéia de vingança e o ressentimento encontrem lugar em sua mente.Essas emoções criam distúrbios no consciente e agem negativamente sobre seu corpo e seus tecidos, prejudicando a saúde. Cultive a paciência, a tolerância, o perdão e o Amor para com todas as criaturas.” (Minutos de Sabedoria Pg. 167)

Bom dia pessoal,

Hoje é o Dia Nacional em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho. No dia 28 de abril de 1969, a explosão numa mina de Farmington, Estado de Virgínia, Estados Unidos, vitimou 78 mineiros. Em 2003, em memória às vítimas, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) adotou esta data como o dia oficial da segurança e saúde nos locais de trabalho. Em maio de 2005, foi instituído […]

No dia 28 de abril de 1969, a explosão numa mina de Farmington, Estado de Virgínia, Estados Unidos, vitimou 78 mineiros. Em 2003, em memória às vítimas, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) adotou esta data como o dia oficial da segurança e saúde nos locais de trabalho. Em maio de 2005, foi instituído o Dia Nacional em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho, regulamentado pela Lei nº 11.121/2005.

No mundo, segundo estimativas da OIT, cerca de 270 milhões de acidentes de trabalho e 160 milhões de casos de doenças ocupacionais ocorrem anualmente no mundo, comprometendo cerca de 4% do PIB mundial.

No Brasil, todos os anos morrem cerca de três mil trabalhadores, uma morte a cada duas horas de trabalho. Em 2007, dos 653.090 acidentes do trabalho registrados pelo INSS, 80,67% corresponderam a acidentes típicos, 15,28% a acidentes de trajeto e 4,04% a doenças do trabalho.

No RS, o INSS registrou, em 2007, 52.610 agravos relacionados ao trabalho, incluindo acidentes de trabalho típicos (82,48%), acidentes de trajeto (13,28%) e doenças do trabalho (4,23%) e 151 óbitos por acidentes de trabalho.

Na América Latina, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 1% a 4% das doenças do trabalho são notificadas.

De acordo com o último Anuário Estatístico da Previdência Social, realizado em 2013, mais de 717 mil casos foram registrados no Brasil, resultando em quase 3 mil mortes. Um total de 86.225 trabalhadores se acidentaram no Nordeste, 21.525 deles na Bahia. O documento ainda revela que os acidentes atingem, principalmente, pessoas na faixa etária dos 25 aos 34 anos, justamente quando estão em plena condição física.

No mundo todo, ocorrem 337 milhões de acidentes de trabalho não fatais por ano, de acordo com dados apresentados pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), em abril deste ano. Esses casos resultam em, no mínimo, três dias de afastamento do trabalho. Além disso, a cada ano, surgem 160 milhões de casos novos de doenças relacionadas ao trabalho. E ocorrem 2,31 milhões de mortes relacionadas por acidentes e doenças, das quais 1,95 milhão por doenças e 358 mil por acidentes. A OIT estima que são gastos cerca de 2,8 trilhões de dólares em custos por lesões ou doenças laborais.

Segundo a médica do trabalho Maria Betânia Senna, do Laboratório Leme, o setor de serviços ocupa desde 2009 a liderança nacional, que antes pertencia à Indústria. “A alta de acidentes no ramo de Serviços pode ser atribuída, entre outros fatores, à alteração dos processos produtivos, hoje menos manuais e mais automatizados, e a um ritmo de produção mais intenso. Também é o setor que mais emprega, respondendo por 72,3% das contratações formais no país”, revela.

Divididos em três categorias, os acidentes ocupacionais podem ser típicos – aqueles decorrentes da característica da atividade profissional realizada pelo indivíduo; de trajeto – ocorrem durante o percurso entre a residência e o local de trabalho; doenças do trabalho – aqueles ocasionados por qualquer tipo de doença profissional ligada a determinado ramo de atividade. Mas, a especialista chama a atenção para alguns cuidados que podem ser tomados, diminuindo os riscos de um acidente ou doença laboral. “O uso de equipamentos de proteção individual, higiene rigorosa dos locais de trabalho, hábitos de higiene pessoal, uso de roupas adequadas, treinamento de pessoal, controle médico permanente e vacinação estão entre as medidas preventivas mais preconizadas”, finaliza.

Fontes: http://www.aratuonline.com.br/noticias/bahia-e-lider-em-acidentes-de-trabalho-no-nordeste-diz-pesquisa/ e http://www.assufrgs.org.br/noticias/28-de-abril-dia-nacional-em-memoria-das-vitimas-de-acidentes-e-doencas-do-trabalho/

Em nossa sugestão de leitura para o “Trabalhando com Poesia” de hoje textos dos sites Socialista Morena e Blog da Cidadania. Vale a pena conferir:

Flávio Dino: “Foi uma ilusão achar que havia consciência democrática na elite brasileira” – Por um capricho da história, coube ao comunista Flávio Dino (PCdoB) liderar no Maranhão uma situação parecida, ainda que diametralmente oposta, à dos países do Leste europeu após o fim da União Soviética: em vez de derrubar estátuas de comunistas, como aconteceu na Ucrânia ou na Rússia, Dino está arrancando placas com o nome “Sarney” de escolas, hospitais, creches, ruas e logradouros públicos praticamente privatizados pelo clã que dominou o Estado até sua vitória na eleição para o governo em 2014

http://www.socialistamorena.com.br/flavio-dino-foi-uma-ilusao/

 

O programa Mais Médicos no olhar de Araquém Alcântara – Já contei, no blog, como a mídia hegemônica esconde as realizações do Mais Médicos e como o programa transformou a vida de milhares de brasileiros pobres que não contavam com assistência de saúde, sobretudo porque, infelizmente, muitos profissionais daqui se recusavam a trabalhar nos rincões mais distantes do país: aldeias indígenas, comunidades quilombolas, vilas ribeirinhas, favelas e periferias das grandes cidades. Durante um ano, o premiado fotógrafo Araquém Alcântara retratou o cotidiano dos médicos, brasileiros e estrangeiros, que toparam o desafio. Pelas fotos podemos sentir o quanto honram o juramento de Hipócrates: “Juro consagrar minha vida a serviço da Humanidade”...

http://www.socialistamorena.com.br/o-programa-mais-medicos-no-olhar-de-araquem-alcantara/

 

Ministro da Cultura sugere a Dilma que monte tribunal internacional contra o golpe. Por Manuca Ferreira – O ministro da Cultura, Juca Ferreira, afirmou na quarta-feira 20, em uma roda de conversa sobre Cultura, Comunicação e Conjuntura Política, no Museu de Arte da Bahia, em Salvador, que sugeriu à presidenta que monte um tribunal internacional para julgar o golpe brasileiro. “O Brasil não é uma ilha. Não vive no vácuo”, defendeu Juca, citando, entre outros exemplos, o julgamento sobre o golpe chileno feito em tribunais internacionais. Para ele, o Senado tende a dar prosseguimento ao processo contra a presidenta, o que resultará no seu afastamento por 180 dias. “Dificilmente conseguiremos impedir a admissibilidade [do processo no Senado]”, afirmou…

http://www.socialistamorena.com.br/ministro-sugere-tribunal-internacional/

 

Após impeachment, Lava Jato muda discurso e quer parar investigações – A evidência mais gritante de que o Brasil passa por um golpe talvez nem seja a ausência de crime de responsabilidade de Dilma, requisito primordial para processo de impeachment de um presidente ser instalado. Na última terça-feira, surgiu evidência muito mais forte. A saborosa matéria do amigo Kiko Nogueira publicada no Diário do Centro do Mundo sob o título “O estranho caso do desaparecimento de Moro e do casal que xingou José de Abreu”, trata de dois assuntos distintos, mas que encerram o mesmo fenômeno: o sumiço de pessoas que estavam em evidência

http://www.blogdacidadania.com.br/2016/04/apos-impeachment-lava-jato-muda-discurso-e-quer-parar-investigacoes/

 

Um governo Temer afundaria o PSDB e elegeria Lula em 2018 – Em primeiro lugar, não faz o menor sentido tratar como fato consumado a possibilidade de o Senado afastar a presidente Dilma Rousseff por 180 dias, abrir o processo de impeachment e colocar o vice-presidente Michel Temer na Presidência da República. Isso pode acontecer? É óbvio que pode. As chances são grandes? São. É certeza que isso acontecerá? Não. O mais provável é, sim, que os senadores optem por ao menos abrir o processo, o que deixará a presidente Dilma por seis meses olhando para o ar no Palácio da Alvorada. Mas quem acompanha política com olhos de ver sabe que está se consolidando a crença de que mesmo que Temer sobreviva a esses 180 dias do processo contra a antecessora, seu governo pode nem chegar ao fim devido aos seus problemas com a Justiça

http://www.blogdacidadania.com.br/2016/04/um-governo-temer-afundaria-o-psdb-e-elegeria-lula-em-2018/

 

Por que foge o casal que insultou José de Abreu e levou cuspida? – É uma daquelas situações incompreensíveis a forma como algumas pessoas estão tratando o episódio envolvendo o ator global José de Abreu e um (aparentemente) jovem casal na semana passada. O caso é extremamente simples. Qualquer pessoa com olhos e ouvidos em funcionamento é capaz de entender exatamente o que ocorreu entre as pessoas supracitadas. Porém, entre o fato e a versão há sempre uma zona nebulosa que permite aos espertalhões distorcerem a verdade…

http://www.blogdacidadania.com.br/2016/04/por-que-foge-o-casal-que-insultou-jose-de-abreu-e-levou-cuspida/

 

Contra fascistas muito CUSPE e contra golpistas GREVE GERAL! – Antes de começar, quero receitar um remédio para o surto fascista que infecta este país. Sim, é isso mesmo. Jean Wyllys e José de Abreu deram o tom: há que cuspir nos fascistas, já que espancá-los e/ou atirar neles é crime. Cuspir, não. É eficiente se for em reação a calúnia, injúria e difamação, atos penalmente tipificados, porque para reclamar judicialmente da reação da vítima o agressor terá que se expor ao fato de que agrediu primeiro. É por isso que o casal de bandidos que chamou o ator José de Abreu de “safado” e “ladrão” e a esposa dele de “vagabunda” vai ficar bem quietinho mesmo com as cusparadas que levou nos rostos…

http://www.blogdacidadania.com.br/2016/04/contra-fascistas-muito-cuspe-e-contra-golpistas-greve-geral/

 

O Brasil inventou o golpe machista – Após cerca de duas horas batendo papo com Dilma Rousseff e colegas blogueiros na última quarta-feira (20), formei convicção de que não surpreende esse processo que ameaça destituir um governo eleito pelo voto popular com base em pesquisas de opinião levadas a cabo por empresas privadas simplesmente por conta de este país ser tão machista. Foi a segunda vez na vida que dialoguei com a presidente; a mulher que encontrei no terceiro andar do Palácio do Planalto não guarda absolutamente nenhuma semelhança com a que vem sendo pintada pela mídia. Ela está absolutamente serena e consciente das razões pelas quais foi tão difícil para si governar este país…

http://www.blogdacidadania.com.br/2016/04/o-brasil-inventou-o-golpe-machista/

 

Veja a versão de hoje e as anteriores do “Trabalhando com Poesia”, no nosso blog “Espaço de Sobrevivência”. Nele você pode acessar links dos principais sites institucionais e de informações para seu uso. Visite, comente, indique:

https://oipa2.wordpress.com/2016/04/28/trabalhando-com-poesia-706

Abraços nos amigos beijos nas amigas e nos filhos, com os desejos de muito axé, energias positivas e que a vida e a paz possam sempre reinar em nossos corações e na nossa rotina.  Uma quinta feira abençoada por Deus, coberta de paz e protegida pelo Caçador de uma flecha só. Okearô Odé!

Apio Vinagre Nascimento

e-mail: apiovinagre.adv@gmail.com

e-mail 1: apio.vinagre @pedraevinagre.adv.br

e-mail 2: oipa2@hotmail.com

e-mail 3: apioptlf@yahoo.com.br

site: http://www.pedraevinagre.adv.br
Blog: https://oipa2.wordpress.com
Twitter: http://www.twitter.com/a_vinagre
Facebook: http://www.facebook.com/apio.vinagre
Flickr:
http://www.flickr.com/photos/a_vinagre
Skype: a_vinagre1
Youtube:
http://www.youtube.com/user/sobreviventeapio 
Fones: (71) 98814-5332 / 99154-0168 / 99982-7223 / 98214-0894

Se depois de eu morrer – Alberto Caeiro, heterônimo de Fernando Pessoa

Se depois de eu morrer, quiserem escrever a minha biografia,
Não há nada mais simples
Tem só duas datas — a da minha nascença e a da minha morte.
Entre uma e outra cousa todos os dias são meus.

Sou fácil de definir.
Vi como um danado.
Amei as cousas sem sentimentalidade nenhuma.
Nunca tive um desejo que não pudesse realizar, porque nunca ceguei.
Mesmo ouvir nunca foi para mim senão um acompanhamento de ver.
Compreendi que as cousas são reais e todas diferentes umas das outras;
Compreendi isto com os olhos, nunca com o pensamento.
Compreender isto corri o pensamento seria achá-las todas iguais.

Um dia deu-me o sono como a qualquer criança.
Fechei os olhos e dormi.
Além disso, fui o único poeta da Natureza.

https://www.youtube.com/watch?v=0FmwENbcp4c

 

Num dia de verão – Alberto Caeiro, heterônimo de Fernando Pessoa

 

Como quem num dia de Verão abre a porta de casa
E espreita para o calor dos campos com a cara toda,
Às vezes, de repente, bate-me a Natureza de chapa
Na cara dos meus sentidos,
E eu fico confuso, perturbado, querendo perceber
Não sei bem como nem o quê…

Mas quem me mandou a mim querer perceber?
Quem me disse que havia que perceber?

Quando o Verão me passa pela cara
A mão leve e quente da sua brisa,
Só tenho que sentir agrado porque é brisa
Ou que sentir desagrado porque é quente,
E de qualquer maneira que eu o sinta,
Assim, porque assim o sinto, é que é meu dever senti-lo…

https://www.youtube.com/watch?v=ztt1KIxt2sE

 

Não me importo com as rimas – Alberto Caeiro, heterônimo de Fernando Pessoa

 

Não me importo com as rimas. Raras vezes
Há duas árvores iguais, uma ao lado da outra.
Penso e escrevo como as flores têm cor
Mas com menos perfeição no meu modo de exprimir-me
Porque me falta a simplicidade divina
De ser todo só o meu exterior

Olho e comovo-me,
Comovo-me como a água corre quando o chão é inclinado,
E a minha poesia é natural como o levantar-se vento…

https://www.youtube.com/watch?v=saahMJauxqA

Anúncios
Esse post foi publicado em Livros, Notícias e política e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s