Trabalhando com Poesia

Quando olhaste bem nos olhos meus, e o teu olhar era de adeus, juro que não acreditei, eu te estranhei, me debrucei, sobre o teu corpo e duvidei, e me arrastei, e te arranhei, e me agarrei nos teus cabelos, nos teus pelos, teu pijama, nos teus pés, ao pé da cama, sem carinho, sem coberta, no tapete atrás da porta, reclamei baixinho… Dei pra maldizer o nosso lar, pra sujar teu nome, te humilhar, e me vingar a qualquer preço, te adorando pelo avesso, pra mostrar que ainda sou tua… Até provar que ainda sou tua” (Elis Regina – Atrás da Porta – Comp.: Chico Buarque / Francis Hime)

https://www.youtube.com/watch?v=35FPZR24djg

 

Se eu quiser falar com Deus, tenho que ficar a sós. Tenho que apagar a luz, tenho que calar a voz. Tenho que encontrar a paz, tenho que folgar os nós… Dos sapatos, da gravata, dos desejos, dos receios, tenho que esquecer a data, tenho que perder a conta, tenho que ter mãos vazias, ter a alma e o corpo nus… Se eu quiser falar com Deus, tenho que aceitar a dor. Tenho que comer o pão, que o diabo amassou. Tenho que virar um cão, tenho que lamber o chão… Dos palácios, dos castelos suntuosos do meu sonho, tenho que me ver tristonho, tenho que me achar medonho, e apesar de um mal tamanho, alegrar meu coração… E se eu quiser falar com Deus, tenho que me aventurar. Eu tenho que subir aos céus, sem cordas pra segurar. Tenho que dizer adeus, dar as costas, caminhar… Decidido, pela estrada, que ao findar vai dar em nada… Nada, nada, nada, nada… Nada, nada, nada, nada… Nada, nada, nada, nada, do que eu pensava encontrar!… Se eu quiser falar com Deus!(Elis Regina – Se eu quiser falar com Deus – Comp.: Gilberto Gil)

https://www.youtube.com/watch?v=tWuQc7W0O-A

 

… Quando piso em folhas secas, caídas de uma mangueira, penso na minha escola, e nos poetas, da minha Estação Primeira, não sei quantas vezes subi o morro cantando, sempre o sol me queimando, e assim vou me acabando… Quando o tempo avisar, que eu não posso mais cantar, sei que vou sentir saudade, ao lado do meu violão e da minha mocidade… Quando piso em folhas secas, caídas de uma mangueira, penso na minha escola, e nos poetas, da minha Estação Primeira, não sei quantas vezes subi o morro cantando, sempre o sol me queimando, e assim vou me acabando… Quando o tempo avisar, que eu não posso mais cantar, sei que vou sentir saudade, ao lado do meu violão e da minha mocidade…(Elis Regina – Folhas secas – Comp.: Nelson Cavaquinho)

https://www.youtube.com/watch?v=WJWiPQg8E4o
O Amor é uma doação e não uma exigência. Quem realmente ama, dá tudo e nada pede. Quem pede e exige da pessoa que diz amar demonstra que verdadeiramente não ama: ao contrário, revela o egoísmo em alto grau. Amar não é receber, é dar. Não é pedir, mas proporcionar felicidade desinteressadamente. O melhor exemplo do Amor verdadeiro é o das mães, que sabem amar com renúncia.” (Minutos de Sabedoria Pg. 169)

Boa tarde pessoal,

Como foram de final de semana? Espero que bem. Na primeira partida das finais do campeonato baiano de futebol, o Bahia perdeu mais um clássico e agora precisa vencer por dois gols de diferença, na partida do próximo domingo (08), para conquistar o tri-campeonato.

Durante essa semana, o “Trabalhando com Poesia” visitará algumas escritas do poeta Fernando Pessoa, que depois de ver desfilarem por aqui três dos seus mais famosos heterônimos, nos dá o prazer da sua presença. Espero que apreciem.

Fernando António Nogueira Pessoa (Lisboa, 13 de Junho de 1888Lisboa, 30 de Novembro de 1935), mais conhecido como Fernando Pessoa, foi um poeta, filósofo e escritor português.

Fernando Pessoa é o mais universal poeta português. Por ter sido educado na África do Sul, numa escola católica irlandesa, chegou a ter maior familiaridade com o idioma inglês do que com o português ao escrever seus primeiros poemas nesse idioma. O crítico literário Harold Bloom considerou Pessoa como “Whitman renascido”, e o incluiu no seu cânone entre os 26 melhores escritores da civilização ocidental, não apenas da literatura portuguesa mas também da inglesa.

Das quatro obras que publicou em vida, três são na língua inglesa. Fernando Pessoa traduziu várias obras em inglês (e.g., de Shakespeare e Edgar Poe) para o português, e obras portuguesas (nomeadamente de António Botto e Almada Negreiros) para o inglês.

Enquanto poeta, escreveu sob múltiplas personalidades – heterónimos, como Ricardo Reis, Álvaro de Campos e Alberto Caeiro –, sendo estes últimos objeto da maior parte dos estudos sobre a sua vida e obra. Robert Hass, poeta americano, diz: “outros modernistas como Yeats, Pound, Elliot inventaram máscaras pelas quais falavam ocasionalmente… Pessoa inventava poetas inteiros.”

Biografia

Se depois de eu morrer, quiserem escrever a minha biografia, não há nada mais simples. Tem só duas datas: a da minha nascença e a da minha morte. Entre uma e outra todos os dias são meus.

Fernando Pessoa/Alberto Caeiro; Poemas Inconjuntos; escrito entre 1913-15; publicado em Atena nº 5 de Fevereiro de 1925.

Primeiros anos em Lisboa

Às três horas e vinte e quatro minutos da tarde de 13 de Junho de 1888 nasce em Lisboa Fernando Pessoa. O parto ocorreu no quarto andar direito do n.º 4 do Largo de São Carlos, em frente à ópera de Lisboa (Teatro de São Carlos). De famílias da pequena aristocracia, pelos lados paterno e materno, o pai, Joaquim de Seabra Pessoa (38), natural de Lisboa, era funcionário público do Ministério da Justiça e crítico musical do «Diário de Notícias». A mãe, D. Maria Magdalena Pinheiro Nogueira Pessoa (26), era natural dos Açores (mais propriamente, da Ilha Terceira). Viviam com eles a avó Dionísia, doente mental, e duas criadas velhas, Joana e Emília.

O poeta, pelo lado paterno, tem as suas raízes familiares no concelho de Arouca, nas freguesias do denominado «Fundo do Concelho» de Arouca.

Fernando António foi baptizado em 21 de Julho na Basílica dos Mártires, ao Chiado, tendo por padrinhos a Tia Anica (D. Ana Luísa Pinheiro Nogueira, tia materna) e o General Chaby. A escolha do nome homenageia Santo António: a família reclamava uma ligação genealógica com Fernando de Bulhões, nome de baptismo de Santo António, tradicionalmente festejado em Lisboa a 13 de Junho, dia em que Fernando Pessoa nasceu.

As suas infância e adolescência foram marcadas por factos que o influenciariam posteriormente. Às cinco horas da manhã de 24 de Julho de 1893, o pai morreu, com 43 anos, vítima de tuberculose. A morte foi anunciada no Diário de Notícias do dia. Fernando tinha apenas cinco anos. O irmão Jorge viria a falecer no ano seguinte, sem completar um ano. A mãe vê-se obrigada a leiloar parte da mobília e muda-se para uma casa mais modesta, o terceiro andar do n.º 104 da Rua de São Marçal. Foi também neste período que surgiu o primeiro heterónimo de Fernando Pessoa, Chevalier de Pas, facto relatado pelo próprio a Adolfo Casais Monteiro, numa carta de 1935, em que fala extensamente sobre a origem dos heterónimos. Ainda no mesmo ano, escreve o primeiro poema, um verso curto com a infantil epígrafe de À Minha Querida Mamã. A mãe casa-se pela segunda vez em 1895 por procuração, na Igreja de São Mamede, em Lisboa, com o comandante João Miguel Rosa, cônsul de Portugal em Durban (África do Sul), que havia conhecido um ano antes. Em África, onde passa a maior parte da juventude e recebe educação inglesa, Pessoa viria a demonstrar desde cedo talento para a literatura.

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Fernando_Pessoa

No prefácio Musical, a música e a voz de uma das melhores cantoras brasileiras, Elis Regina. Espero que gostem.

Em nossa sugestão de leitura para o “Trabalhando com Poesia” de hoje textos dos sites Brasil 247 e Pátria Latina. Vale a pena conferir:

Caixa não foi usada como cheque especial em 2015’ – Procurador Julio Marcelo de Oliveira, que atua junto ao Tribunal de Contas da União e é um dos responsáveis pela tese das pedaladas fiscais, acaba de reconhecer que não houve nenhuma antecipação de recursos da Caixa Econômica Federal ao governo federal em 2015; ele respondeu a questão feita pela senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) durante sessão da comissão especial do impeachment no Senado nesta manhã; depois disso, houve confusão no plenário, quando a oposição percebeu que haverá um buraco na acusação; “Isso é importante porque a acusação se refere a 2015”, disse o senador Lindbergh Farias (PT-RJ); preocupado, senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) afirmou que a ala governista tenta desestabilizar emocionalmente o procurador, que na prática, reconheceu que não houve crime…

http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/229501/%E2%80%98Caixa-n%C3%A3o-foi-usada-como-cheque-especial-em-2015%E2%80%99.htm

 

Cunha desafia: “só saio em fevereiro de 2017” – Citado por pelo menos seis delatores na Lava Jato por recebimento de propina no esquema de corrupção da Petrobras, em contas secretas no exterior, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), diz que o processo de sua cassação deve ser anulado porque “o presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo (PR-BA), usa o caso para aparecer na TV e tem histórico que inclui roubo de toca-fitas na adolescência”; “Eu vou sair da presidência da Câmara dia 1.° de fevereiro de 2017”, desafia; Cunha afirma que manterá posição contra um impeachment de Michel Temer, mas avisa que o vice não pode tratar deputados como empregados, assim como faz o governo do PT; “a Câmara não será uma empregada de Temer”…

http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/229440/Cunha-desafia-%E2%80%9Cs%C3%B3-saio-em-fevereiro-de-2017%E2%80%9D.htm

 

Justiça determina novo bloqueio do WhatsApp no Brasil por 72 horas Operadoras receberam ordem da Justiça para bloquear o serviço de mensagens por 72 horas em todo o país; medida, que começa a vigorar às 14h desta segunda-feira, foi tomada pelo juiz Marcel Montalvão, da comarca de Lagarto, em Sergipe; teles alegam que é preciso regulamentar o serviço do aplicativo, uma vez que ele realiza chamadas de voz por meio da internet, fazendo o serviço de uma operadora. A Justiça determinou que as operadoras de telefonia fixa e celular bloqueiem o serviço de mensagens Whatsapp. Medida que começa a vigorar às 14h desta segunda-feira (2), alcança todo o país e é valida por um período de 72 horas. Decisão foi tomada pelo juiz Marcel Montalvão, da comarca de Lagarto, em Sergipe

http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/229506/Justi%C3%A7a-determina-novo-bloqueio-do-WhatsApp-no-Brasil-por-72-horas.htm

 

PGR pede inquérito contra Aécio e cúpula do PMDB Com base na delação premiada do senador Delcídio Amaral (sem partido-MS), o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao STF pedido para que sejam abertos inquéritos contra o senador Aécio Neves e a cúpula do PMDB no Senado, incluindo Romero Jucá (RR), Jader Barbalho (PA), Valdir Raupp (RO) e Renan Calheiros (AL), presidente da Casa; caso o ministro Teori Zavascki determine o início das investigações, Aécio passará a ser oficialmente investigado pela Lava Jato; contra ele, há duas linhas de investigação: uma envolvendo suposto recebimento de propina de Furnas, e outra sobre maquiagem de dados do Banco Rural em CPI para esconder irregularidades envolvendo o PSDB…

http://www.brasil247.com/pt/247/poder/229507/PGR-pede-inqu%C3%A9rito-contra-A%C3%A9cio-e-c%C3%BApula-do-PMDB.htm
GUERRILHA COMUNICACIONAL VERSUS GUERRA MIDIÁTICA DOS MONOPÓLIOS. Por Pedro RiosecoLa Paz, 28 abr (Prensa Latina) Os processos revolucionários e progressistas da América Latina sofrem hoje uma ofensiva midiática continental dos grandes monopólios da informação, orientada a prejudicar a credibilidade de seus dirigentes, derrubar governos e promover o caos. Esta modalidade de guerra midiática, que alguns têm chamado “golpe suave” ou “novo Plano Condor”, tem duas características comuns: é dirigido a partir dos Estados Unidos por especialistas em subversão de comunicação e utiliza todos os meios das direitas nacionais…

http://www.patrialatina.com.br/guerrilha-comunicacional-versus-guerra-midiatica-dos-monopolios/

 

Moniz Bandeira: A “república presidencialista” está podre, sua essência é a corrupção – Segundo Moniz Bandeira, a corrupção não começou com os governos do PT e as privatizações do governo FHC foram um poderoso veículo para os corruptos. Luiz Alberto Moniz Bandeira* – Carta Maior Após a decisão da Câmara dos Deputados do Brasil, de dar início ao juízo político da presidenta Dilma Rousseff, LA ONDA digital, realizou uma entrevista por e-mail com o cientista político e historiador brasileiro Luiz Alberto Moniz Bandeira, para conhecer sua opinião sobre as causas, o contexto político e social no qual se toma esta excepcional medida. Moniz Bandeira acaba de apresentar seu novo livro: “A Segunda Guerra Fria”, na Feira do Livro de Buenos Aires, que se realiza esta semana, na capital argentina

http://www.patrialatina.com.br/moniz-bandeira-golpe-tem-caracteristicas-ridiculas-de-um-espetaculo-de-circo/

 

O IMPEACHMENT E A SUA AGENDA OCULTAPor Marcos Verlaine, no site do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap): Muito tem se falado e especulado sobre um possível governo do PMDB, sob Temer, que vai diminuir drasticamente os investimentos em áreas sociais do atual governo. Resultado de mais de uma década de importantes políticas públicas de empoderamento dos mais pobres, como moradia popular, eletrificação, ingresso em cursos superiores, bolsas para formação técnico-profissional (Pronatec), Fies, Farmácia Popular, Ciências sem Fronteiras, dentre outras…

http://www.patrialatina.com.br/o-impeachment-e-a-sua-agenda-oculta/
STF nunca viu golpe no paísAntonio Lassance (*)Se o Supremo Tribunal Federal fala que não há golpe em curso, quem somos nós para discordar? Na verdade, nós somos aqueles que conhecem minimamente a História do Brasil e a História do Supremo para saber que o STF nunca viu golpe no país. Mais uma vez, não será diferente. Nunca houve no Brasil uma única decisão do STF que contrariasse um ato golpista frontalmente ou sequer o denunciasse à opinião pública nacional ou à comunidade internacional. Ao contrário, o STF sempre cumpriu o papel de dizer que os golpes são absolutamente… “constitucionais”...

http://www.patrialatina.com.br/stf-nunca-viu-golpe-no-pais/

 

Veja a versão desta segunda feira e as anteriores do “Trabalhando com Poesia”, no nosso blog “Espaço de Sobrevivência”. Nele você pode acessar links dos principais sites institucionais e de informações para seu uso. Visite, comente, indique:

https://oipa2.wordpress.com/2016/05/02/trabalhando-com-poesia-708

Abraços nos amigos beijos nas amigas e nos filhos, com os desejos de muito axé, energias positivas e que a vida e a paz possam sempre reinar em nossos corações e na nossa rotina. Uma Segunda-feira abençoada por Deus, repleta da energia positiva e caminhos abertos a nossa frente.

Apio Vinagre Nascimento

e-mail: apiovinagre.adv@gmail.com

e-mail 1: apio.vinagre @pedraevinagre.adv.br

e-mail 2: oipa2@hotmail.com

e-mail 3: apioptlf@yahoo.com.br

site: http://www.pedraevinagre.adv.br
Blog: https://oipa2.wordpress.com
Twitter: http://www.twitter.com/a_vinagre
Facebook: http://www.facebook.com/apio.vinagre
Flickr: http://www.flickr.com/photos/a_vinagre
Skype: a_vinagre1
Youtube: http://www.youtube.com/user/sobreviventeapio 
Fones: (71) 98814-5332 / 99154-0168 / 99982-7223 / 98214-0894

Autopsicografia – Fernando Pessoa

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas da roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de cordas
Que se chama o coração.

https://www.youtube.com/watch?v=IppcvHqiVeI

 

É fácil trocar as palavras – Fernando Pessoa

É fácil trocar as palavras,
Difícil é interpretar os silêncios!
É fácil caminhar lado a lado,
Difícil é saber como se encontrar!
É fácil beijar o rosto,
Difícil é chegar ao coração!
É fácil apertar as mãos,
Difícil é reter o calor!
É fácil sentir o amor,
Difícil é conter sua torrente!

Como é por dentro outra pessoa?
Quem é que o saberá sonhar?
A alma de outrem é outro universo
Com que não há comunicação possível,
Com que não há verdadeiro entendimento.

Nada sabemos da alma
Senão da nossa;
As dos outros são olhares,
São gestos, são palavras,
Com a suposição
De qualquer semelhança no fundo.”

https://www.youtube.com/watch?v=cu_36Rkcwz4

 

O Amor – Fernando Pessoa

O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p’ra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de *dizer.
Fala: parece que mente
Cala: parece esquecer

Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
Pr’a saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar..

https://www.youtube.com/watch?v=FNES-jg_JCs

Anúncios
Esse post foi publicado em Livros, Notícias e política e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s