Arquivo do mês: abril 2014

Trabalhando com Poesia

“… Dei um aperto de saudade no meu tamborim, molhei o pano da cuíca com as minhas lágrimas, dei meu tempo de espera para a marcação e cantei, a minha vida na avenida sem empolgação… Dei um aperto de saudade no meu tamborim, molhei o pano da cuíca com as minhas lágrimas, dei meu tempo de espera para a marcação e cantei, a minha vida na avenida sem empolgação… Vai manter a tradição, vai meu bloco, tristeza e pé no chão…” Continuar lendo

Anúncios
Publicado em Livros | Marcado com | Deixe um comentário

Trabalhando com Poesia

“… Quando o Sol se derramar em toda sua essência, desafiando o poder da ciência, pra combater o mal… E o mar, com suas águas bravias, levar consigo o pó dos nossos dias, vai ser um bom sinal… Os palácios vão desabar, sob a força de um temporal e os ventos vão sufocar o barulho infernal… Os homens vão se rebelar, dessa farsa descomunal, vai voltar tudo ao seu lugar, afinal…” Continuar lendo

Publicado em Livros | Marcado com | Deixe um comentário

Trabalhando com Poesia

“… Ninguém ouviu um soluçar de dor, no canto do Brasil… Um lamento triste sempre ecoou, desde que o índio, guerreiro, foi pro cativeiro e de lá cantou… Negro entoou um canto de revolta pelos ares, no Quilombo dos Palmares, onde se refugiou… Fora a luta dos Inconfidentes pela quebra das correntes, nada adiantou… E de guerra em paz, de paz em guerra, todo o povo dessa terra, quando pode cantar, canta de dor…” Continuar lendo

Publicado em Livros | Marcado com | Deixe um comentário

Trabalhando com Poesia

“… O mar serenou quando ela pisou na areia, quem samba na beira do mar é sereia… O mar serenou quando ela pisou na areia, quem samba na beira do mar é sereia… O pescador não tem medo , é segredo se volta ou se fica no fundo do mar… Ao ver a morena bonita sambando, se explica que não vai pescar, deixa o mar serenar… O mar serenou quando ela pisou na areia, quem samba na beira do mar é sereia… O mar serenou quando ela pisou na areia, quem samba na beira do mar é sereia…” Continuar lendo

Publicado em Livros | Marcado com | Deixe um comentário

Trabalhando com Poesia

“… É água no mar, é maré cheia ô, mareia ô, mareia, é água no mar… É água no mar, é maré cheia ô, mareia ô, mareia, é água no mar… Contam que toda tristeza que tem na Bahia, nasceu de uns olhos morenos, molhados de mar… Não sei se é conto de areia ou se é fantasia, que a luz da candeia alumia, pra gente contar… Um dia morena enfeitada de rosas e rendas, abriu seu sorriso moça e pediu pra dançar… A noite emprestou as estrelas bordadas de prata, e as águas de Amaralina eram gotas de luar… Era um peito só, cheio de promessa era só, era um peito só cheio de promessa…” Continuar lendo

Publicado em Livros | Marcado com | Deixe um comentário

Trabalhando com Poesia

“…Eu nunca sonhei com você, nunca fui ao cinema, não gosto de samba, não vou à Ipanema, não gosto de chuva, nem gosto de sol… E quando eu lhe telefonei, desliguei, foi engano… Seu nome eu não sei, esqueci no piano as bobagens de amor, que eu iria dizer… Não, Lígia… Lígia…” Continuar lendo

Publicado em Livros | Marcado com | Deixe um comentário

Trabalhando com Poesia

“… Esta canção não é mais que mais uma canção, quem dera fosse uma declaração de amor… Romântica, sem procurar a justa forma, do que lhe vem de forma assim tão caudalosa… Te amo… Te amo… Eternamente te amo…” Continuar lendo

Publicado em Livros | Marcado com | Deixe um comentário

Trabalhando com Poesia

“… Essa moça tá diferente, já não me conhece mais, está pra lá de pra frente, está me passando pra trás… Essa moça tá decidida a se supermodernizar, ela só samba escondida, que é pra ninguém reparar… Eu cultivo rosas e rimas, achando que é muito bom, ela me olha de cima e vai desinventar o som… Faço-lhe um concerto de flauta e não lhe desperto emoção, ela quer ver o astronauta descer na televisão…” Continuar lendo

Publicado em Livros | Marcado com | Deixe um comentário

Trabalhando com Poesia

“… Amou daquela vez como se fosse a última, beijou sua mulher como se fosse a última e, cada filho seu como se fosse o único e, atravessou a rua com seu passo tímido, subiu a construção como se fosse máquina… Ergueu no patamar quatro paredes sólidas, tijolo com tijolo num desenho mágico, seus olhos embotados de cimento e lágrima, sentou pra descansar como se fosse sábado… Comeu feijão com arroz como se fosse um príncipe, bebeu e soluçou como se fosse um náufrago, dançou e gargalhou como se ouvisse música e, tropeçou no céu como se fosse um bêbado e, flutuou no ar como se fosse um pássaro e, se acabou no chão feito um pacote flácido, agonizou no meio do passeio público, morreu na contramão atrapalhando o tráfego…” Continuar lendo

Publicado em Livros | Marcado com | Deixe um comentário